Colunas

16/05/2017

Os desafios do Brasileirão 2017

Teremos avanços ou retrocessos em relação aos anos anteriores?

O Campeonato Brasileiro de 2017 teve início no último final de semana e, logo na largada, velhos e novos questionamentos são colocados na mesa. Teremos avanços ou retrocessos em relação aos anos anteriores?

Alguns ingredientes servem de parâmetro para obter melhores respostas. Média de público, audiência televisiva, nível de ativações realizadas pelos clubes, CBF ou patrocinadores e, o mais subjetivo de todos, a qualidade técnica do espetáculo.

Para a primeira rodada, sem contabilizar ainda o jogo realizado na noite dessa segunda-feira entre Coritiba e Atlético-GO, a média de público manteve-se no mesmo patamar das edições anteriores. Nos nove jogos realizados entre sábado e domingo, a média de público foi de 17.591 de torcedores, representando 35% de taxa de ocupação dos estádios. Esse dado nivela o campeonato por baixo, exceções feitas a Flamengo, Palmeiras e Corinthians que tiveram público superior a 30 mil pagantes, contribuindo muito para que essa média não fosse ainda menor.

Alguns clubes e a própria CBF buscaram trazer atrações extracampo para essa primeira rodada. No jogo entre Palmeiras e Vasco, os torcedores puderam acompanhar um pequeno show antes do início da partida, como forma de celebrar oficialmente o início da competição com o atual campeão. Um dia antes, o Corinthians realizou uma ativação que tem virado tradição em sua casa juntamente com o seu patrocinador Estrella Galicia. Batizada de “Esquenta da Fiel”, a ação realizada na parte externa da Arena do Corinthians visa promover a chegada dos torcedores com antecedência ao estádio, oferecendo atrações que garantam a venda de cerveja antes da abertura dos portões. Trata-se de uma forma criativa e legal encontrada para tornar a parceria mais interessante.

Bahia gol brasileirão

De todos, o ingrediente mais complexo para se avaliar é a qualidade técnica do campeonato. Hoje temos, por exemplo, gramados muito superiores aos existentes há cinco anos atrás, dando melhores condições ao jogo bem jogado. Em contrapartida, as comparações com os grandes campeonatos europeus faz com que os jogos no Brasil estejam em nível muito inferior.

Um dado animador para essa primeira rodada diz respeito à média de gols marcados. Foram 28 gols em 9 jogos, com média de 3,1 gols por jogo, maior número alcançado em uma década. Se partirmos da lógica que o ápice do futebol é o gol, temos esse ponto a favor para acreditar que o interesse dos torcedores possa aumentar no decorrer do campeonato.

Que os gols sejam a esperança para o fortalecimento do futebol dento do país e inverta esse ciclo de decepções oriundos de incompetência e má gestão. Se até hoje não fomos capazes de criar uma organização fora de campo que torne o futebol um espetáculo cada vez melhor, então que seja o gol, a essência máxima desse esporte, que force a mudança fora das quatro linhas.

Comentários

Deixe uma resposta

Sobre a Universidade do Futebol

A Universidade do Futebol é uma instituição criada em 2003 que estuda, pesquisa, produz, divulga e propõe mudanças nas diferentes áreas e setores relacionados ao universo do futebol, enquanto atividade econômica e importante manifestação de nosso patrimônio cultural, nas dimensões socioeducativas e no alto rendimento, e que conquistou o reconhecimento e credibilidade da comunidade do futebol.

Posts Recentes

Cursos em Destaque

© 2016 Universidade do Futebol. Todos os direitos reservados.