Entrevistas

06/03/2015

Wilton Santana, treinador e pedagogo do futsal

É bastante comum jogadores brasileiros com destaque no cenário do futebol mundial relatarem que iniciaram suas carreiras esportivas no futsal. Nomes como Rivellino, Zico, Sócrates, Ronaldo, Ronaldinho, Djalminha, Alex, Neymar e tantos outros craques do campo foram formados nas quadras.

E não é por acaso. Em tempos em que se discutem tanto as metodologias de treinamento em campos reduzidos, por meio dos chamados minijogos, por exemplo, o futsal conta com tal dinâmica de forma natural, enraizada no seu próprio jogo.

Fatores como tomada de decisão, movimentação curta e rápida, mudança de direção, habilidade motora, noção espaço-temporal, mostram que o futsal reúne qualidades que fazem toda a diferença para o jogador no futebol de campo.

“Esses desafios constantes e diversificados fazem com que as crianças atuem no limite das suas competências e, por isso, aprendem muito em pouco tempo. É preciso decidir rápido e bem para sobreviver no jogo de futsal. Além disso, há a vivência do precoce sistema de competições estabelecido no futsal há muitos anos. Se por um lado é preocupante, pois, se pautado em cobranças exageradas, pode acarretar danos psicológicos para aqueles meninos que reagem mal às pressões dos adultos, por outro lado amadurece os jogadores”, explica Wilton Santana, treinador e pedagogo do futsal.

Natural de Londrina, no Paraná, Wilton Santana, 45 anos, atua como professor adjunto do Departamento de Ciências do Esporte na Universidade Estadual de Londrina. Fez mestrado e doutorado na Unicamp e publicou três livros sobre futsal. Iniciou-se como jogador na modalidade e jogou futebol nos juniores do Flamengo, entre 1985 e 87, período em que foi campeão brasileiro e carioca.

Ainda como atleta, disputou também uma Copa do Mundo pela seleção brasileira de futebol sub-16. Tornou-se técnico de futsal e dirigiu equipes adultas nas três divisões do estadual paranaense (Ouro, Prata e Bronze), um dos mais disputados do país, além de seleções paranaenses (adulta, Sub-14 e 17). Também atua como diretor-técnico do portal "Pedagogia do Futsal" e membro do recém-criado Departamento de Desenvolvimento Técnico da Confederação Brasileira de Futsal (CBFS).

Segundo ele, no entanto, mesmo o futsal sendo considerado uma ótima possibilidade para a formação de jogadores para o futebol, a modalidade não recebem nenhum tipo de benefício nas transferências realizadas para os gramados. E isso vem inibindo o investimento contínuo em infraestrutura e profissionais de qualidade no trabalho desenvolvido nas quadras.

“Inegavelmente, o futebol vem se beneficiando historicamente do trabalho de muitos profissionais, associações e clubes de futsal de categorias menores sem dar nada em troca. Quando digo "nada em troca", reporto-me a divisas, dinheiro, percentual que precisa ser atribuído a esses segmentos pela formação de jogadores. Ora, precisa haver uma legislação que proteja os clubes de futsal que formam os jogadores que entram no futebol e se destacam. Não é justo o garoto passar seis, sete, oito anos jogando futsal, migrar para o futebol, firmar-se na carreira, alguns, inclusive, decolarem para o exterior e o clube de futsal de formação não receber um centavo por isso. Algo está muito errado”, completa.

Nesta entrevista à Universidade do Futebol, Wilton Santana ainda fala sobre como a Periodização Tática ainda é pouco debatida no futsal. Confira a íntegra: 

 

Universidade do Futebol – Constantemente vemos história de jogadores de futebol que iniciaram sua carreira no futsal. Para você, qual a importância do futsal neste processo de formação?

Wilton Santana – Penso que o fato de se ter um bom número de jogadores expressivos no futebol oriundo do futsal ratifica, por si só, que esse esporte é relevante para a formação daqueles. Diria, minimamente, que o futsal, por ser jogado num espaço menor, compartilhado e com menos jogadores, torna o ambiente muito exigente para quem joga. Essa elevada demanda tático-técnica (cognitivo-motora) constrange, sobremaneira, as habilidades do praticante, o que tende a aprimorar rapidamente seu nível de jogo.

Ora, há muitos problemas emergenciais para se resolver. Esses desafios constantes e diversificados fazem com que as crianças atuem no limite das suas competências e, por isso, aprendem muito em pouco tempo. É preciso decidir rápido e bem para sobreviver no jogo de futsal. Além disso, há a vivência do precoce sistema de competições estabelecido no futsal há muitos anos. Se por um lado é preocupante, pois, se pautado em cobranças exageradas, pode acarretar danos psicológicos para aqueles meninos que reagem mal às pressões dos adultos, por outro lado amadurece os jogadores.

Na prática, um menino com 12, 13 anos (idade que, em geral, tem acontecido a passagem do futsal para o futebol), acumula sete, oito anos de competição no futsal. São muitos jogos oficiais. Essa experiência também tende a ajudá-lo a lidar com as demandas competitivas do jogo e do entorno esportivo do futebol. Quem avalia que isso é perfumaria precisa rever o conceito. Vou permitir-me citar a minha história de vida: fui um menino que saiu do futsal para a seleção brasileira de futebol sub-16, que disputou o Mundial da China em 1985. Eu tinha seis anos incompletos de prática do futsal e já acumulava mais de 10 campeonatos oficiais, entre metropolitanos e estaduais, o mesmo número de finais; cinco títulos estaduais do mirim ao juvenil; já havia decidido título estadual na cobrança de pênaltis; jogado em diferentes cidades; disputado um Campeonato Brasileiro de Seleções no infantil, em São Paulo, pela seleção paranaense, e jogado uma temporada na categoria principal, entre os adultos. A minha história era similar a de outros colegas vindos do futsal que encontrei naquela seleção, como, por exemplo, Bismarck (que foi ídolo no Vasco da Gama). Portanto, jovens jogadores de futsal são veteranos de competição e isso, seguramente, contribui para que se firmem num ambiente competitivo como é o do futebol.

Há quem avalie, inclusive, que o futsal atrapalharia o processo de construção dos jogadores de futebol. O argumento seria a especificidade distinta dos esportes. Ora, excetuando-se o fato de, em dado momento, que talvez seja na categoria sub-13 ou 15, os esportes ganharem contextos mais específicos, considero isso uma enorme distorção. Citaria apenas Claude Bayer, o pedagogo esportivo francês, que defendeu na década de 1970 a ideia de que há elementos táticos comuns entre os diferentes jogos esportivos coletivos, o que, permitiria aos jogadores transferirem conhecimentos; na prática, significa que o que se aprende em uma quadra de futsal entra com o garoto no campo de futebol.

Mas, se isso é insuficiente, ou seja, se o futsal atrapalha o futebol, então o futebol teria de ter reprovado craques como Rivellino, Zico, Sócrates, Ronaldo, Ronaldinho, Djalminha, Alex, Neymar e tantos outros formados no futsal. Ou não? O fato é que a maioria das crianças se inicia no futsal por volta dos seis, sete anos e migra definitivamente para o futebol, hoje, por volta dos 12 ou 13 anos. Logo, são de cinco a sete anos de aprendizado que precisam ser considerados como significativos para a qualidade do jogador. E olha que estou sendo muito econômico, porque há garotos que jogam futsal até bem mais tarde e optam pelo campo apenas quando pressionados pelo departamento de futebol do clube. Na época em que fui juniores do Flamengo, Djalminha, um excepcional jogador de futebol, craque também na quadra, jogou as duas modalidades até quando estava próximo do juvenil.

Na prática, um menino com 12, 13 anos (idade que, em geral, tem acontecido a passagem do futsal para o futebol), acumula sete, oito anos de competição no futsal. São muitos jogos oficiais. Essa experiência também tende a ajudá-lo a lidar com as demandas competitivas do jogo e do entorno esportivo do futebol, compara Wilton Santana

Universidade do Futebol – No seu entender, em termos práticos, como poderia ser organizada uma formação de jogadores que contemplasse o futsal e o futebol de campo?

Wilton Santana – Bem, isso já é feito, ainda que não de modo intencional, sistematizado, pelo menos na maior parte das realidades. Na prática, crianças até por volta da categoria sub-9 jogam apenas futsal, pois, como disse, o sistema de competições favorece; a partir da sub-11 e da sub-13 jogam ambos concomitantemente, mas, em muitos casos, em clubes diferentes. Prevalece, sobretudo, a informalidade, ou seja, os clubes e os técnicos das modalidades não interagem; por vezes, "torcem o nariz um para o outro".

Por outro lado, avalio que é uma lacuna a ser explorada pelo futsal, o "primo pobre", que precisa ser humilde e sensibilizar toda a gente do futebol para as vantagens de interagir as modalidades. No último ano, eu e o PC de Oliveira, técnico campeão mundial com a seleção brasileira de futsal, temos estreitado ideias no sentido de propor uma metodologia que favoreça o processo concomitante de formação de jogadores de futsal e futebol, de modo que seja otimizado o desempenho daqueles em ambas as modalidades enquanto a competem e ao optarem por uma ou outra. Isso é algo que será divulgado no momento certo.

Na prática, crianças até por volta da categoria sub-9 jogam apenas futsal, pois, como disse, o sistema de competições favorece; a partir da sub-11 e da sub-13 jogam ambos concomitantemente, mas, em muitos casos, em clubes diferentes. Prevalece, sobretudo, a informalidade, ou seja, os clubes e os técnicos das modalidades não interagem; por vezes, "torcem o nariz um para o outro", aponta o profissional do futsal

Universidade do Futebol – Alguns estudos seus destacam a importância da competição bem organizada e nas idades certas, inclusive para a formação de jogadores. Para você, com quais idades as crianças deveriam começar a competir? Qual o formato ideal e a progressão desejada para estas competições?

Wilton Santana – Aprendi cedo com meus amigos e professores de pedagogia do esporte, João Freire e Roberto Paes, que fazer esporte implica em competir e, nesse sentido, importa tratar pedagogicamente a competição. Na prática, crianças de seis anos competem futsal, logo, é mais precoce para estas do que para aquelas que optam em se iniciar pelo futebol.

No lugar de falar de um formato ideal, prefiro me referir a certa "gênese" da competição, ou seja, a momentos sucessivos do processo competitivo, que deveria rumar do diversificado para o especializado; do adaptado para o padronizado. Na prática, quanto mais novo o jogador, mais as regras deveriam se ajustar a ele do que ele às regras, o que exigiria, por exemplo, alterações que favorecessem certa cultura de jogo independentemente da regra oficial. É possível dar exemplos que já acontecem no futsal em alguns lugares do país. Um deles é acerca da reposição quando do arremesso de meta: enquanto a regra oficial permite que o goleiro lance a bola para a outra quadra diretamente (por cima), o regulamento adaptado inibiu tal comportamento, obrigando-o a repor a bola para um dos seus colegas no campo defensivo. Para tanto, adicionou-se outra exigência: a de que os adversários respeitem certa distância dos atacantes nesse momento. A diminuição da pressão defensiva faz com que o menino que recebe a bola tenha mais tempo para encadear uma solução motora, pois tem mais tempo para analisar a situação e encontrar uma solução mental (decidir). Essa adaptação tende a favorecer um bom nível de jogo, que se pauta na tentativa de circular a bola no lugar de se desfazer dela, lançando-a para frente indiscriminadamente.

Diria que há outras premissas pedagógicas que favorecem o ambiente competitivo: "expor a criança socialmente apenas quando ela reunisse condições tático-técnicas mínimas de competir", o que evitaria críticas precoces sobre o desempenho daquelas. Na prática, se ela não sabe, minimamente, ocupar um espaço na quadra, controlar a bola e interagir quando sua equipe tem e não tem a bola, não é o momento de ser exposta socialmente. Ela precisa de mais tempo para aprender essas coisas.

Outra premissa seria: "quanto mais cedo, mais a competição deveria ser dada à participação do que à seleção". Refiro-me à característica do ambiente: quanto mais nova a criança, mais dado à cooperação, à participação de todos os jogadores, como obrigatoriedade e não como concessão. Por exemplo, tenho um filho de seis anos que compete futsal. Coloquei-o numa competição que o regulamento obriga que todos joguem. Logo, de antemão, sei que ele jogará e seus colegas também, o que dará oportunidade a todos de experimentarem jogar, testar as habilidades, vencer e perder, aprender a interagir com o entorno. Dará, igualmente, a oportunidade de os pais verem seus filhos em quadra, participando, sendo protagonistas em dado momento.

Outra premissa pedagógica seria "inscrever as crianças em competições equilibradas", isto é, que tenham certa homogeneidade entre as equipes, para evitar que algumas sejam, invariavelmente, sobrepujadas por outras. Sempre fico constrangido quando acontecem goleadas em jogos de iniciantes. Algum adulto avaliou mal ou desrespeitou essa premissa.

Diria que se é verdade que, por exemplo, a fisiologia entrou no mundo do futebol e do futsal, também é verdade que a pedagogia ainda não entrou. Para tanto, basta checar as comissões técnicas de muitos times e averiguar que boa parte tem a figura do fisiologista, mas não a do pedagogo esportivo ou metodólogo. Ora, será que uma área eminentemente intervencionista como a do ensino-treino dos jogos esportivos coletivos, dentre estes, o futebol e o futsal, não precisa de gente que entenda de pedagogia do esporte?, questiona o treinador e pedagogo

Universidade do Futebol – Infelizmente, não são raros os relatos e notícias de brigas e problemas ocorridos com os pais de garotos em competições e treinamentos. Em sua opinião, como o professor/treinador deve atuar junto à família para que o processo de aprendizagem do futebol possa se dar em um ambiente mais saudável?

Wilton Santana – Recentemente estive com o professor Alcides Scaglia (mestre em pedagogia do esporte e doutor em pedagogia do movimento pela Unicamp), em Londrina, e o levei para ver uma final de campeonato sub-7 de futsal. De modo geral, o ambiente nesses jogos tende a ser muito tenso por parte da torcida familiar, que, ansiosa, fica propensa a pressionar árbitros, pais dos outros jogadores, seus filhos e os demais meninos. Logo, os treinadores dessas categorias precisam resistir a essa insensatez e se comportarem de modo distinto. Se os pais estão tensos, o treinador precisa ser sereno; se os pais pressionam os árbitros, os treinadores os tratam com respeito; se os pais pressionam os meninos, os treinadores os encorajam. Por sinal, nesse dia, eu era um dos treinadores e um ex-aluno meu o outro treinador e não houve sequer um problema desse tipo por parte da torcida familiar. Evidentemente que demos bons exemplos ao não estressar as crianças, os árbitros e seus pais. Além disso, há ainda as reuniões pedagógicas, que conscientizam os pais sobre como se comportarem nas competições antes, durante e depois.

Mas não sou ingênuo e sei que, em muitos casos, isso pode descambar, sobretudo, se os times forem de camisa ou de rivalidade acirrada. Nesses casos, sou a favor de severas punições aos responsáveis. Na prática, se os pais ofendem, eles precisam ser retirados do ginásio; se há brigas ou invasão, o clube deve ser impedido de mandar jogos em casa; se o técnico é mal-educado e fala palavrão, precisa ser advertido com o amarelo e, em seguida, com o vermelho; uma boa ideia seria sobrecarregar a equipe com falta técnica e por aí vai. Os árbitros precisam punir os adultos que vão para os jogos infantis para atrapalhar. E precisam começar a fazer isso com os treinadores que, no lugar de orientar as crianças, as pressionam com gritos, xingamentos e cobranças exageradas, transformando-se em fonte de estresse quando deviam ser fonte de encorajamento.

Penso que o fato de se ter um bom número de jogadores expressivos no futebol oriundo do futsal ratifica, por si só, que esse esporte é relevante para a formação daqueles. Diria, minimamente, que o futsal, por ser jogado num espaço menor, compartilhado e com menos jogadores, torna o ambiente muito exigente para quem joga. Essa elevada demanda tático-técnica (cognitivo-motora) constrange, sobremaneira, as habilidades do praticante, o que tende a aprimorar rapidamente seu nível de jogo, diz

Universidade do Futebol – Em relação às metodologias de treinamento, no seu modo de entender, quais são as melhores formas de desenvolver um jogador inteligente?

Wilton Santana – Permita-me diferenciar dois tipos de jogadores: inteligente e criativo. Inteligente é o jogador que decide bem quando se tem, claramente, uma hierarquia a ser considerada na situação de jogo (por exemplo: se jogamos 2×1, o defensor tira o chute frontal e o colega está em linha de passe, então é melhor passar a bola do que driblar); criativo é o que tem a capacidade de fazer coisas incomuns, de produzir alternativas, sem desconsiderar tomadas de decisão adequadas e pertinentes. Logo, nem todo jogador inteligente é criativo, mas todo jogador criativo é inteligente.

Para ilustrar, diria que Messi, Neymar e Falcão (futsal) são criativos; Xavi, Philipp Lahm e Vinícius (futsal) inteligentes; e a maioria dos jogadores de futebol e de futsal não é nem uma coisa, nem outra; trata-se de uma maioria pseudo jogadora, previsível, medíocre, que não nos surpreende e tampouco decide bem dentro de campo. Bem, já que nenhum jogador nasce criativo e inteligente, é preciso investir numa pedagogia que provoque essas virtudes. A primeira premissa é considerar que a criatividade tem uma fonte que se chama diversidade. Por conseguinte, se o treino for para memorizar e repetir técnicas, se for dado à previsibilidade, sem jogadores criativos.

Diria que quanto mais o ambiente pedagógico permitir a produção de alternativas, a liberdade de expressão, mais incitará a criatividade. Ou seja, se o menino puder produzir soluções diferentes para resolver os problemas que se apresentam, mais criativo ele ficará. Portanto, outra premissa é trazer desafios, problemas para o treino. Isso deveria ser amplamente disseminado dos sete aos 37 anos. É preciso lembrar de que a essência do jogo se assenta na incerteza; de que o jogo requer improvisação dos jogadores. Logo, o meio de treino privilegiado é o jogo (as diferentes formas de jogo).

A outra virtude, a inteligência, é salientada quando o jogador precisa escolher a melhor entre algumas opções (A ou B); por conseguinte, tem uma propensão maior de acontecer quando do treinamento de jogadas de bola parada, algumas manobras defensivas, algumas formações em vantagem numérica quando do contra-ataque e de desvantagem numérica quando da defesa de contra-ataque. São situações igualmente relevantes, que ensinam a decidir, a exercitar as condições "se… então", mas que não deveriam, sobretudo na formação, mas mesmo depois, ser a essência do treino.

De modo geral, o ambiente nos jogos dos garotos tende a ser muito tenso por parte da torcida familiar, que, ansiosa, fica propensa a pressionar árbitros, pais dos outros jogadores, seus filhos e os demais meninos. Logo, os treinadores dessas categorias precisam resistir a essa insensatez e se comportarem de modo distinto. Se os pais estão tensos, o treinador precisa ser sereno; se os pais pressionam os árbitros, os treinadores os tratam com respeito; se os pais pressionam os meninos, os treinadores os encorajam, aponta Wilton Santana

Universidade do Futebol – Mesmo o futsal sendo considerado uma ótima possibilidade para a formação de jogadores para o futebol, os clubes não recebem nenhum tipo de benefício nas transferências realizadas do futsal para o futebol e, posteriormente entre clubes de futebol. Para você, o que deveria ser feito para que o futsal pudesse também lucrar com as transferências no futebol possibilitando o investimento contínuo em infraestrutura e profissionais de qualidade?

Wilton Santana – Esse tema é central para o futsal. Não há, talvez, algo que precise ser mais urgentemente discutido para essa modalidade. Inegavelmente, o futebol vem se beneficiando historicamente do trabalho de muitos profissionais, associações e clubes de futsal de categorias menores sem dar nada em troca. Quando digo "nada em troca", não me refiro ao crédito, porque isso os jogadores mencionam, mas isso não "enche barriga" de ninguém. Reporto-me a divisas, dinheiro, percentual que precisa ser atribuído a esses segmentos pela formação de jogadores.

Ora, precisa haver uma legislação que proteja os clubes de futsal que formam os jogadores que entram no futebol e se destacam. Não é justo o garoto passar seis, sete, oito anos jogando futsal, migrar para o futebol, firmar-se na carreira, alguns, inclusive, decolarem para o exterior e o clube de futsal de formação não receber um centavo por isso. Algo está muito errado.

O fato é que os garotos que jogam futsal acalentam o sonho de se transformarem em jogadores profissionais de futebol. Logo, o mais inteligente, o mais promissor, seria adotar intencionalmente o futsal como uma "incubadora" de jogadores de futebol. Destaco, mais uma vez, a "intencionalidade" dessa ação, o que exigiria desembolsar dinheiro para as categorias menores e departamentos de futsal. Estou cansado de ver bons treinadores de futsal, sobretudo de categorias menores, correndo atrás de mecenas e patrocínios pequenos para manterem suas equipes, enquanto revelam craques para o futebol engordar ainda mais sua conta bancária. É um disparate!

Felizmente, há ao menos um caso bem sucedido de parceria futebol-futsal na formação de jogadores: o Santos Futebol Clube. Lá, o futsal sobrevive graças ao entendimento de que se trata de um aliado na construção de jogadores para o futebol. O futsal, no Santos, é entendido como uma categoria menor do futebol. Evidentemente que há ainda muito por fazer, como, por exemplo, estreitar os espaços de atuação dos profissionais do futsal na prática cotidiana do futebol, o que significaria, na prática, levar para o campo, como aliado desse treinador, o "especialista no espaço reduzido", que é o profissional do futsal. Desconheço outras realidades que seguem esse modelo.

Por consequência, diria que se é verdade que o futebol precisa do futsal, também é verdade que o futsal precisa do futebol. Tenho colegas que pensam o contrário; que avaliam que o futsal não precisa do futebol. Considero que essa visão é míope. Precisamos ser menos ingênuos. Esse discurso não ajuda em nada nossa modalidade, pois não resolve a dificuldade financeira desse esporte. Ora, se o futsal produz exímios jogadores para a alta competição mesmo dando para o futebol seus melhores jogadores sem receber nada em troca, imagine então quantos jogadores a mais produziria para si e para o futebol se tivesse a necessária e justa contrapartida financeira deste último. Precisamos abrir os olhos e requerer os direitos como formadores de jogadores. Para tanto, precisamos mostrar um currículo de formação que convença os exigentes e, muitas vezes, arrogantes dirigentes de futebol.

Diria que quanto mais o ambiente pedagógico permitir a produção de alternativas, a liberdade de expressão, mais incitará a criatividade. Ou seja, se o menino puder produzir soluções diferentes para resolver os problemas que se apresentam, mais criativo ele ficará. Portanto, outra premissa é trazer desafios, problemas para o treino. Isso deveria ser amplamente disseminado dos sete aos 37 anos, afirma o profissional

Universidade do Futebol – A Periodização Tática vem sendo um tema cada vez mais frequente entre os treinadores do futebol. Como este modelo é visto no futsal? Já existem treinadores que realizam esta metodologia de treinamento?

Wilton Santana – Venho estudando a Periodização Tática faz alguns anos. Li boa parte dos livros publicados sobre o tema (e não são muitos). Admiro o Vítor Frade. Sobretudo, por criar e ser o arauto de uma inovadora metodologia de treinamento para o esporte mais popular do mundo. Isso não é para qualquer um. Ousaria afirmar que não é possível ler sobre a PT e passar incólume. A tendência é o leitor, se atento, deixar-se "contaminar" pela teoria e prática dessa metodologia perspicaz. A PT tem o mérito de sacudir o tipo de treinamento imperativo que se faz no futebol em geral, alicerçado no paradigma mecanicista/cartesiano, que, na prática, separa as dimensões do rendimento, fragmentando o treino em físico, técnico, tático, psicológico.

Frade, norteando-se pelo paradigma emergente (sistêmico), aponta que o futebol, por ser jogo, é sistema e, por ser sistema, é indivisível, complexo, interativo, imprevisível, inquebrantável e que a melhor forma de desenvolvê-lo bem seria respeitando sua natureza no treino. Evidentemente que há toda uma lógica para se fazer isso, que passa por perseguir uma forma singular, própria de jogar (modelo de jogo), criando, nos treinos, a identidade que se quer expressar no jogo.

Se, por um lado, a PT é um tema cada vez mais discutido entre os treinadores de futebol, sobretudo os jovens, tenho lá minhas dúvidas que será empregada no futebol brasileiro. O sistema tradicional tende a rejeitar o que não entende; o que o contraria. Chamou-me a atenção o novo livro de Xavier Tamarit (Periodização Tática vs Periodização Tática), que tem Frade como protagonista e no qual este discorda do modo como alguns vem se apropriando desta metodologia. Como disse Mourinho certa vez, os treinadores avaliarão como interessante a PT, mas não saberão utilizá-la, porque não saberão criar treinos por esse novo modo de pensar e praticar futebol.

No futsal do Brasil, entre as equipes da Liga Futsal, nunca soube de algum técnico que a adotasse. Mas poderia citar ao menos três profissionais que são adeptos deste método: Frederico Falconi (Ziquinho), técnico da sub-20 do Minas Tênis (MG); Fabiano Souza (Chokito), técnico da categoria principal do Tigre (PE); e eu mesmo, que a apliquei neste ano ao dirigir o Cambé Futsal (PR).

Estou cansado de ver bons treinadores de futsal, sobretudo de categorias menores, correndo at

Comentários

Deixe uma resposta

Sobre a Universidade do Futebol

A Universidade do Futebol é uma instituição criada em 2003 que estuda, pesquisa, produz, divulga e propõe mudanças nas diferentes áreas e setores relacionados ao universo do futebol, enquanto atividade econômica e importante manifestação de nosso patrimônio cultural, nas dimensões socioeducativas e no alto rendimento, e que conquistou o reconhecimento e credibilidade da comunidade do futebol.

Posts Recentes

Cursos em Destaque

© 2016 Universidade do Futebol. Todos os direitos reservados.