A diferença entre líderes atletas e técnicos líderes

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Muitos jogadores demonstram, ainda durante a carreira, potencial para serem técnicos depois da aposentadoria. Um dos fatores primordiais nesse processo de transição é a capacidade que eles têm para liderar o elenco em que estão inseridos. Mas a liderança exercida por atletas é igual ao que é feito por treinadores?

“Você pode até desempenhar certa ascendência sobre os outros atletas enquanto jogador, mas precisa se dissociar disso para iniciar a carreira de técnico. Uma coisa é estar ali como referência e outra é comandar”, compara Mano Menezes, técnico contratado pelo Corinthians no início de 2008.

Quando era jogador, o ex-volante Pintado sempre se destacou pela capacidade de liderar e orientar seus companheiros. A despeito de admitir que essa característica foi um dos motivos para ter se tornado treinador, o atual comandante do São Caetano corroborou a idéia de que é preciso mudar o tipo de ascendência.

“Você precisa ter líderes em campo sempre, porque o líder serve como motivação e exemplo. Além disso, o líder ajuda o treinador a conseguir passar para os atletas as coisas que ele acha necessárias. Essa liderança é importante, mas é totalmente diferente do que um técnico faz”, explica Pintado.

A principal diferença entre as duas posições é a natureza da liderança. Enquanto o jogador que guia o grupo é um líder por características próprias, o treinador tem essa função por uma questão de hierarquia.

“O treinador é o chefe de tudo. Ele é o cara que é mais cobrado e que tem a responsabilidade de escolher os caminhos. O grupo tem de ter líderes, mas eles agem para motivar os companheiros a seguir as coisas traçadas pelo técnico”, diz Muricy Ramalho, comandante do São Paulo bicampeão brasileiro em 2006 e 2007.

Além da diferença na natureza da liderança, é importante que o treinador reconheça seu papel diferente em relação aos atletas no processo de gerenciamento de equipes de futebol. Isso é fundamental para garantir correções de rota e facilitar a interação no elenco.

“Quando você é atleta, precisa se esforçar para dar o melhor no treino e ajudar os companheiros a conseguirem esse melhor também. O técnico, além de extrair as coisas boas de todos, precisa saber como usá-las para montar um time forte. Esse trabalho vai muito além dos treinos e jogos, e por isso é importante ele saber que não pode ter a mentalidade que tinha quando jogava”, lembra Muricy.

Mas como o jogador pode fazer para abandonar a mentalidade de atleta e passar a enxergar o grupo como um técnico? “O mais importante é a preparação. Ele pode até saber ler o jogo ou identificar problemas nos atletas, mas não vai saber como arrumar essas coisas se não for se atualizar e estudar”, determina o ex-atleta e treinador Dino Sani.

* Colaborou Bruno Camarão

Leia mais:

É possível viver sem líderes?
O capitão: necessariamente o líder da equipe?
A mudança no perfil dos líderes esportivos
Os tipos de liderança no esporte
Liderança pela comunicação
Liderar é saber lidar com as diferenças de um grupo
Receita de liderança para treinadores
O que um treinador deve saber sobre psicologia do esporte para trabalhar no futebol?

+ posts

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso