Treinamento de goleiros: Método Analítico ou Método Global?

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O futebol evoluiu muito nos últimos anos, e com o crescente progresso do treinamento esportivo, algumas áreas específicas como o treinamento de goleiros vêm ganhando destaque nas últimas décadas.

Em relação aos métodos de ensino, podemos dizer que é um conjunto de ações e procedimentos, nos quais o preparador de goleiros, através da organização dos conteúdos do treino (atividades de ensino), condiciona os goleiros a atingirem objetivos específicos como, a assimilação consciente dos conhecimentos e o desenvolvimento das capacidades cognitivas e operativas.

Podemos citar alguns exemplos como o Método de Exposição – Explica o conteúdo; Método de Observação – Observação (visual); Método Individualizado – Necessidades individuais; Método Analítico – Desenvolve as partes do todo; Método Global – Desenvolve o todo.

Ainda há muitas perguntas sobre qual método é melhor e mais eficiente no processo ensino/aprendizagem/treinamento. Partindo destas indagações, busquei fazer uma pesquisa sobre os métodos de ensino que mais são utilizados no treinamento de goleiros hoje em dia.

Na década de 70, a figura do preparador de goleiros não existia, os trabalhos eram realizados pelos próprios goleiros ou pelos preparadores físicos e os cuidados designados a formação ou aperfeiçoamento técnico dos goleiros eram mínimos.

Os exercícios compreendiam a movimentos ginásticos, flexões, abdominais, exercícios com pesos, técnicas de finalizações e intersecções sobre a área de meta. Os métodos de ensino se baseavam no conhecimento empírico de cada atleta.

Hoje em dia, encontramos uma série de métodos de ensino sendo praticados e os que mais são utilizados são os métodos analíticos e globais. Todos os métodos têm sua importância em distintos momentos da preparação de um goleiro, cabe ao preparador de goleiros escolherem o método certo para o momento certo.

MÉTODO DE ENSINO ANALÍTICO

O Método Analítico é utilizado desde a década de 60, e é centrado na técnica, em exercícios onde há predominância de repetições dos gestos esportivos e na especialização precoce do aluno em cima de algumas técnicas específicas. Esse método caracteriza-se pela repetição, ajudando assim, a memorizar e a automatizar o gesto técnico em nosso Sistema Nervoso Central (SNC), é o aprendizado de técnica por técnica, gesto por gesto.

As habilidades são treinadas fora do contexto de jogo para que, depois, possam ser transferidas para as situações de jogo propriamente ditas, ou seja, consiste em ensinar destrezas motoras por partes, para, posteriormente, uni-las (SANTANA, 2005, MATTA; GRECO, 1996, TONROLLE, 2004)

Ficou claro que o Método de Ensino Analítico caracteriza-se por inúmeras repetições, maior contribuição no processo ensino/aprendizagem, o aprendizado das técnicas se torna mais fácil e rápido, é o melhor método para o ensino e aperfeiçoar dos gestos técnicos, facilita a execução dos exercícios, possibilita um melhor desenvolvimento motor específico, fica fácil a individualização dos treinos técnicos, além disso, é possível corrigir imediatamente o que precisa melhorar.

Resumindo: Pode-se treinar somente um tipo de técnica, até que ela esteja bem desenvolvida e assimilada pelo goleiro. Esse método é muito utilizado nas categorias de base, onde os jovens goleiros estão aprendendo as técnicas. Também é muito utilizado no âmbito profissional no período das pré-temporadas, com o objetivo de aperfeiçoar a técnica já aprendida na base. Ou ainda, para corrigir um possível erro do gesto técnico em uma determinada ação motora realizada no jogo.

MÉTODO DE ENSINO GLOBAL

O Método de Ensino Global é centrado na tática do jogo, cujo ambiente se torna mais prazeroso, a especialização precoce de algumas habilidades é refutada e o objetivo principal é o desenvolvimento da inteligência do aprendiz. Esse método caracteriza-se por apresentar situações reais de jogo, ou seja, modelo de jogo como base do processo de treino e parte da totalidade do movimento, caracterizando-se também pelo aprender jogando.

O ponto de partida é a equipe, que aprende a jogar através do deixar jogar, onde o aprendiz aprende diretamente a partir da própria experiência, com o auxilio indireto do professor/técnico. Alguns autores acreditam que o treino não pode ser realizado somente através de soluções impostas, pois as ações se tornam mecanizadas e a criatividade para “resolver problemas” não se desenvolve em sua plenitude. (TONROLLER, 2004; CORRÊA; SILVA; PAROLI, 2004; RESENDE, 2007; SANTANA, 2005)

Podemos ver claramente que esse método caracterizam-se pelo aprender jogando. O repertório motor fica vasto e aperfeiçoado para o jogo, há uma maior interação com outros setores da equipe. O desenvolvimento tático específico de jogo fica mais evidente, a percepção de espaço e cognitiva fica aperfeiçoada – posicionamento e colocação na área de meta, percepção das jogas, reações e tomadas de decisões mais rápidas, além de uma maior concentração nas ações que ocorrem no campo de jogo.

Para que o processo ensino/aprendizagem/treinamento dos gestos técnicos específicos tenham maior êxito, o Método de Ensino Analítico oferece maiores contribuições, pois a partir das repetições dos movimentos, se automatiza o gesto específico de uma modalidade esportiva.

Em contrapartida, para que o processo de ensino/aprendizagem/treinamento da capacidade de tomada de decisão e raciocínio rápido, integração com outros setores da equipe e execução de ações específicas em situações reais de jogo, o Método de Ensino Global oferece maiores contribuições, pois o goleiro aprende vivenciando o jogo propriamente dito.

Em outras palavras, além do habitual treino de repetições dos gestos técnicos específicos, concordo com Oliveira (2004) quando diz que, “só podemos falar de especificidade no treino, quando existe uma relação constante entre os componentes tático-técnicos, psico-cognitivos, físicos e coordenativos, em correlação permanente com o modelo de jogo adaptado pelo treinador e respectivos princípios que lhe dão corpo.”

Ou seja, cabe ao preparador de goleiros analisarem e identificar as necessidades individuais ou do grupo de goleiros, escolherem o melhor método de ensino a ser aplicado e em que momento deve ser aplicado.

Então, pergunto a você, preparador de goleiros:

Você tem consciência do
método que está utilizando em seus treinamentos?

Você sabe diferenciar um método de outro?

Todos os goleiros necessitam deste método?

Em que momento deve ser utilizado tal método?

Com que frequência você utiliza?

Está tendo feedback com seus goleiros?

Está tendo resultados positivos?

CONCLUSÃO

Não podemos comprovar qual método é mais ou menos eficiente, mas podemos ver claramente que a utilização de um determinado método em um determinado período do treinamento, pode influenciar diretamente no processo de aprendizado ou não dos gestos técnicos.

Cabe ao preparador de goleiros, analisar e diagnosticar as necessidades individuais ou do grupo, a partir de aí, planejar os treinamentos utilizando o método mais pertinente ao estagio atual de desenvolvimento dos futuros atletas ou atletas.

BIBLIOGRAFIA

SANTANA, Wilton Carlos de. Futsal: metodologia da participação. Londrina/PR: 1996

CORRÊA, U.C.; SILVA, A.S.; PAROLI, R. Efeitos de diferentes métodos de ensino na aprendizagem do futebol de salão. Motriz, v.10, n.2, p.79-88, 2004.

GRECO, P.J. Iniciação Esportiva Universal – Metodologia da Iniciação Esportiva na Escola e no clube. Belo Horizonte.UFMG, 2007.

MATTA, M.O.; GRECO, P.J. O processo de ensino-aprendizagem-treinamento da técnica esportiva aplicada ao futebol. Revista Mineira de Educação Física, v.4, n.2, p.34-50, 1996.

RESENDE, A.L.G. Avaliação crítica dos modelos pedagógicos de ensino das habilidades táticas no futebol. In: XV CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 2007. Recife. Anais… Recife: Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte, 2007. p.1-10.

SILVA, M.V.; GRECO, P.J. A influência dos métodos de ensino-aprendizagem-treinamento no desenvolvimento da inteligência e criatividade tática em atletas de futsal. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v.23, n.3, p.297-307, 2009.

TENROLLER, C.A. Futsal: ensino e prática. Canoas: ULBRA, 2004.

 

* Preparador de goleiros do E.C.Passo Fundo/RS

+ posts

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso