Os campeões brasileiros e o desempenho nas fases iniciais do formato mata-mata

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Sai ano e entra ano, a consolidação do sistema de pontos corridos no Campeonato Brasileiro recebe críticas de alguns dirigentes, comentaristas e torcedores saudosos dos tempos de mata-mata. Para alguns, o modelo anterior confere maior emoção à disputa pela sequência de jogos decisivos na fase final e por ampliar a quantidade de aspirantes ao título ao longo da competição.
Visando oferecer mais dados ao debate, um grupo de profissionais do esporte, alunos da 5ª Turma do curso de Gestão Técnica no Futebol da Universidade do Futebol, realizaram um levantamento sobre a era do mata-mata no Brasileirão e analisaram alguns pontos específicos:

  • Na fase inicial desses Brasileirões, como foram as campanhas das equipes campeãs?
  • O mata-mata, de fato, apresenta um incremento no número de candidatos ao título em relação à disputa por pontos corridos?
  • Durante o mata-mata, quantas e quais equipes viveram o “conto de fadas” de acabarem campeãs após participações tímidas na fase de classificação?

Os resultados que estão representados no infográfico abaixo permitem algumas conclusões específicas sobre o modelo antigo e o seu “senso de justiça”, se é que tal termo cabe em uma modalidade tão dinâmica como o futebol.
Conto de fadas
Em apenas quatro dos 32 campeonatos sob esse modelo, ocorreram os chamados “contos de fadas” – de uma equipe pouco cogitada, após a fase inicial, conquistar o título. Nessa categoria foram indicadas as equipes que terminaram a fase inicial de classificação com campanha inferior à 8ª colocação: Vasco (15º em 1974), Guarani (20º em 1978), Grêmio (16º em 1981) e Coritiba (16º em 1985). Corinthians (7º em 1990) e Santos (8º em 2002) também se aproximam desta categoria.
Domínio do G-4
Todavia, sabemos que nem só de casos especiais é feito o futebol. O levantamento permitiu observar que apesar de todo o discurso de mais imprevisibilidade do mata-mata em relação aos pontos corridos, a equipe de melhor campanha na fase inicial se sagrou campeã do certame em 31,25% dos campeonatos entre 1971 e 2002. A porcentagem se torna ainda maior e mais relevante quando se observa que mais de dois terços dos campeões (68,75%) tiveram uma campanha de G-4 na fase de classificação.
Camisa pesada e influência “do eixo”
Outros aspectos muito debatidos nas calorosas conversas sobre pontos corridos x mata-mata envolvem uma suposta influência do eixo Rio-São Paulo nos confrontos decisivos. Por seu papel preponderante junto à mídia e à CBF, os clubes desses Estados seriam supostamente favorecidos pela atuação de uma pressionada arbitragem em detrimento à uma maior qualidade de adversários fora do eixo. Flamengo (com seus cinco títulos) e Vasco (com quatro títulos), de fato, são os maiores vencedores sem terem feito a melhor campanha na fase de classificação – o que, claro, não significa algum tipo de benefício pela atuação da arbitragem em jogos decisivos. Para alguns, tais números representam o peso da camisa.
Seja você um defensor da regularidade dos pontos corridos ou um apaixonado pelos jogos finais decisivos do formato anterior, os dados mostram que uma campanha de qualidade é fundamental para a equipe se sagrar campeã. No mata-mata, é claro, o bom desempenho na reta final é fundamental para o título, enquanto nos pontos corridos não há distinção da importância dos pontos conquistados na primeira ou na última rodada.
EstudoBrasileirão_ 1_j (1)
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
*Alunos da turma V do curso Gestão Técnica no Futebol

+ posts

Compartilhe

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email
Compartilhar no pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso