Princípios relacionados ao modelo de jogo – sugestão de reformulação dos constructos técnicos, baseando-se em quatro princípios

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O futebol é um esporte de natureza complexa, onde a diversidade e singularidade dos acontecimentos surgem a partir do confronto de dois sistemas concorrentes. O sistema é caracterizado pelo conjunto de agentes em interação, que cooperam, com objetivos e comportamentos comuns, buscando criar uma ordem e estabilidade nesse contexto caótico de desordem e instabilidade permanente (JOSÉ GUILHERME, 2014).

Na tentativa de diminuir a imprevisibilidade dos acontecimentos durante o jogo, as equipes procuram atender leis e princípios do jogo que norteiam as ações coletivas e individuais, buscando uma melhor gestão espacial do jogo, aqui entendido como tática.

Os princípios táticos são definidos como conjunto de normas comportamentais sobre o jogo que proporcionam aos jogadores a possibilidade de atingirem rapidamente soluções táticas para os problemas advindos da situação que defrontam (GARGANTA, PINTO, 1994).

Na literatura especializada diversas conceituações e terminologias são utilizadas, e todas convergem para uma ideia similar com três constructos teóricos: princípios gerais, operacionais e fundamentais.

Os princípios gerais, (i) não permitir a inferioridade numérica, (ii) evitar a igualdade numérica e (iii) procurar criar a superioridade numérica, se pautam nas relações espaciais e numéricas entre os jogadores da equipe e os adversários, nas zonas de disputa pela bola (QUEIROZ, 1983; GARGANTA; PINTO, 1994).

Os princípios operacionais são relacionados a conceitos atitudinais para as duas fases do jogo, sendo defensivos: (i) anular as situações de finalização, (ii) recuperar a bola, (iii) impedir a progressão do adversário, (iv) proteger a baliza e (v) reduzir o espaço de jogo adversário; e ofensivos: (i) conservar a bola, (ii) construir ações ofensivas, (iii) progredir pelo campo de jogo adversário, (iv) criar situações de finalização e (v) finalizar à baliza adversária (BAYER, 1994, p.145).

Por sua vez, os princípios fundamentais representam um conjunto de regras que orientam as ações individuais e coletivas a fim de desequilibrar a organização da equipe adversária e estabilizar a própria organização, em função ao que está ocorrendo no epicentro de jogo (local onde a bola se encontra num determinado instante “T” do jogo) e no centro de jogo (delimitado por um raio de 9,15 a partir do epicentro) naquele momento (COSTA et al., 2010). Na defesa os princípios são: (i) contenção, (ii) cobertura defensiva, (iii) equilíbrio, (iv) concentração e (v) unidade; e no ataque: (i) penetração, (ii) da mobilidade, (iii) da cobertura ofensiva, (iv) espaço e (v) unidade. (WORTHINGTON, 1974; HAINAUT; BENOIT, 1979; QUEIROZ, 1983; GARGANTA; PINTO, 1994; CASTELO, 1999; COSTA et al., 2010).

Temos também os princípios relacionados ao modelo de jogo, conceito utilizado por diversos autores, ainda que com nomenclaturas diferentes, e que se caracteriza como padrões de ação tática, de intencionalidades e regularidades, que a equipe e os jogadores devem manifestar nas diferentes escalas, durante os diferentes momentos de jogo de acordo com as ideias de jogo do treinador (GARGANTA, 2012; QUEIROZ, 1983; CASARIN et al., 2011). Essa operacionalização dos princípios ocorre em todos os níveis do jogo, individual, grupal, setorial, intersetorial e coletivo.

Desta forma, acreditamos na existência de 4 constructos teóricos, mantendo-se os supracitados princípios gerais, operacionais e fundamentais, e considerando os princípios relacionados ao modelo de jogo como um quarto constructo, como podemos observar na tabela abaixo.

Baseado nos referidos estudos, o Centro de Formação de Jovens Futebolistas da Universidade Federal de Juiz de Fora (CEFOR-UFJF), acredita na eficiência e eficácia de se criar uma sequência progressiva e pedagógica do modelo de jogo das suas equipes de formação, e, consequentemente, dos princípios relacionados aos mesmos. Este material está em fase final de produção e será apresentado em detalhes nas próximas postagens.

PRINCIPIOS RELACIONADOS AO MODELO DE JOGOO

A operacionalização dos princípios supracitados refletem o modelo de jogo da equipe, e que devem ser disseminados no ambiente de treino e de competição ao longo do processo de formação do futebolista. É necessário distribuir os conteúdos do jogo de maneira sistematizada ao longo do tempo, respeitando as características de crescimento, desenvolvimento e maturação biológica dos jogadores (BALYI et al., 2013; WEIN, 2004).

Uma vez que o cumprimento dos princípios de jogo pode se diferenciar durante os anos de formação, se faz necessária a adaptação da sua presença, ou seja, do modelo de jogo de forma condizente a zona de desenvolvimento em que os atletas se encontram (TAMARIT, 2007; GOMES, 2008).

+ posts

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Deixe uma resposta

Mais conteúdo valioso

PHP Code Snippets Powered By : XYZScripts.com