Categorias
Imprensa

“O jogo é tudo. O jogo é a razão de ser da minha vida”

Ricardo Drubscky aponta algumas medidas para resgatar a essência do futebol brasileiro

Ricardo Drubscky deixou a carreira de técnico para abraçar a de gestor esportivo. Ele assumiu o posto de Diretor de Futebol do Cruzeiro, em março de 2020, onde já atuava como Diretor de Futebol de Base. 

Ele avaliou pontos importantes para resgatarmos a essência do futebol brasileiro e apontou a capacitação profissional das diversas áreas que envolvem esse esporte, como fator fundamental na busca por uma transformação da modalidade.

“O jogo é tudo. O jogo é a razão de ser da minha vida. No Brasil, a gente fala do árbitro, do jogador, do treinador, da bola, da grama e o jogo está essa porcaria que estamos vendo aí. Justamente porque treinadores ficam dois meses nos clubes, treinadores são chancelados como burros, não são regulamentados. Qualquer um pode ser treinador no Brasil”, lamenta.

Confira a entrevista completa no Fut Talks:

Categorias
Imprensa

Aline Pellegrino fala sobre os desafios históricos do futebol feminino

Diretora da Federação Paulista de Futebol faz um relato sobre a trajetória das mulheres na gestão do futebol

Aline Pellegrino, diretora da Federação Paulista de Futebol (FPF), abriu caminho para os sonhos de muitas garotas nos campos de futebol. Agora, ela dribla as dificuldades na gestão. A liderança mais respeitada no futebol feminino brasileiro é formada em Educação Física, medalhista de prata pela seleção (2004), e tem experiência como técnica e supervisora de times femininos e masculinos.

Segundo a ex-atleta, em reuniões com outros gestores de clubes, ela ainda precisa de impor. “Eu começo trazendo minha história, falando que foram sete anos como capitã, nove na Seleção Brasileira, Copa do Mundo, campeã de duas Libertadores, Copa do Brasil… então, com esse currículo, se eu fosse homem, eu não precisaria me apresentar”, diz.

Pellegrino também falou sobre racismo em campo e fora dele. “Eu costumo dizer que infelizmente o futebol é uma das áreas mais hipócritas que temos no Brasil”, diz. Segundo ela, muitas vezes os clubes e as instituições calam seus atletas. “O que aconteceu com o Aranha (em 2017), por exemplo. O Clube tenta tirar ele da linha de frente, quando na verdade deveria estar do lado dele e comprar a briga”, defende.

Veja como foi a participação da Pellê no Fut Talks:

Categorias
Imprensa

Alex dá pistas de como vai voltar a atuar no futebol

Um dos maiores ídolos da história do Coritiba, Cruzeiro e Palmeiras, Alex fez história com a camisa 10 e também como capitão da Seleção Brasileira. Na Turquia, onde atuou por oito anos no Fenerbahçe, ele é considerado uma lenda, com direito a estátua em sua homenagem.

Alex dá pistas de como deverá atuar como treinador no futuro. “O jogo bonito deixa até as coisas mais fáceis para o trabalho, porque se você tem qualidade técnica bem desenvolvida, terá menos erros. Com menos erros, você cria maiores dificuldades para o adversário”, diz.

O “menino de ouro” relembrou que a qualidade dos jogadores antigamente era uma preocupação primária, independente da estratégia adotada pelo treinador. “Em algum momento a gente perdeu isso. Hoje olhamos mais para a parte tática, do que para a qualidade do jogo. Vejo o futebol da seguinte forma: qualidade do atleta com a bola, característica e função”, diz.

Confira a entrevista completa com o Alex no vídeo abaixo:

Categorias
Conteúdo Udof>FutTalks|Imprensa

Goleiro Rafael fala sobre a preparação física e psicológica de um atleta profissional

O goleiro Rafael, do Atlético Mineiro, conversou com a nossa equipe sobre a importância da  preparação psicológica de um atleta para suportar a pressão e sobre o rigor da performance física exigido para obter bons resultados dentro de campo.

No último jogo oficial, Rafael deu mais de 40 passes – número que pode ser comparado a de um meio-campista. Esse dado é reflexo de uma transformação na atuação dos goleiros. Saber jogar bem com os pés tem sido uma exigência cada vez maior.

“O meu treinamento hoje é totalmente diferente de anos atrás. Faço diversos trabalhos visando melhorar o controle de bola com os pés e a posse de bola. Isso me exige muito mais concentração”, conta.

O goleiro do Galo também falou sobre o papel do dirigente de clubes. Ele acredita que precisa ir muito além da busca por resultados dentro das quatro linhas. “Se um dia eu me tornar um dirigente do futebol, meu foco será fazer o clube transformar vidas, pois esse esporte pode realmente fazer a diferença na vida das pessoas. O futebol pode ser um dos meios mais eficazes de melhorarmos o país”, diz.

Confira o vídeo completo desse bate-papo com os nossos dirigentes: João Paulo Medina, Heloisa Rios e Rafael Lacerda.

O Fut Talks é um espaço do pensar estratégico para a transformação do futebol. Duas vezes na semana, nomes importantes do esporte são entrevistados pela nossa equipe para tratar de temas polêmicos que envolvem aspectos técnicos, de gestão, estratégia e política no futebol.  

Categorias
Conteúdo Udof>FutTalks|Imprensa

Transformar clubes em empresas é bom ou ruim?

Falamos com diretor executivo do Sport Recife, Lucas Drubscky

Em entrevista ao Fut Talks, o diretor do Sport Recife, Lucas Drubscky, o executivo mais jovem do Brasil, falou sobre a transformação de clubes em empresas, profissionalização do futebol, e sobre a dificuldade de lidar com a cultura dos estatutários amadores. Veja como foi esse bate-papo!

Ao ser questionado sobre o modelo de gestão clube-empresa, o executivo se posicionou. “É uma faca de dois gumes. A gente tem clubes com um modelo de gestão estatutário que são exemplos de gestão de um projeto de futebol. E temos clubes geridos pelo modelo empresarial que são exemplos de como não se deve tocar o futebol”, diz.

Por outro lado, ele acredita que o modelo clube-empresa seja uma tendência no Brasil. “A gente tem exemplos recentes aí de clubes que não tiveram sucesso, passaram por grandes dificuldades nessa transição de modelo de maneira não muito adequada”, pontua.

Drubscky também discorre sobre profissionalização, gestão de pessoas, e bagagem acadêmica. Além de conhecimento técnico, o executivo valoriza a habilidade de lidar com a cultura e a política do clube. “Sofro muitas vezes por ser jovem, porque o poder de convencimento tem muito a ver com os cabelos brancos”, diz.

O Fut Talks é um projeto da Universidade do Futebol que traz duas vezes na semana, nomes importantes do esporte para tratar de temas polêmicos que envolvem aspectos técnicos, de gestão, estratégia e política. Um espaço do pensar estratégico para a transformação do futebol.