A complexa problemática do Flamengo

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

A cultura futebolística no Brasil foi pautada sempre pela individualidade. No “futebol antigo”, jogadores se sobressaiam com mais facilidade, hoje, o coletivo prevalece mais do que nunca. Podemos ampliar essa visão sobre o conceito de coletivo, que é básico, já que o jogo se dá em onze contra onze, para questões de fora do campo também. Um clube tem que estar alinhado em seus mais variados setores, como financeiro, administrativo, político, jurídico, dentre outros, para que dentro de campo o sucesso esteja mais próximo. Com cada setor funcionando bem e de maneira integrada, as probabilidades de vitória aumentam.

Dentro dessa visão sistêmica e complexa, a figura do treinador é extremamente importante. É ele quem interliga tudo o que o clube gera e canaliza para as quatro linhas, trocar o técnico significa um rearranjo geral. Por isso o dilema do Flamengo hoje é cruel: como fazer Domenec Torrent alcançar os mesmos resultados do seu antecessor, Jorge Jesus?

Pessoas diferentes criam relações igualmente diferentes. Poderíamos aqui falar de princípios e sub-princípios ofensivos e defensivos, de comportamentos de transição e de bola parada, mas não é só a tática que marca a diferença entre o técnico espanhol e o português. A questão é de personalidade, de relacionamento, de comunicação, de liderança. Nesse sentido, é óbvio que a gestão do ambiente será diferente porque se tratam de pessoas diferentes. O simplista argumento de “era só dar sequência ao que vinha sendo feito” não cabe em nenhuma circunstância. Não falamos de um motor no qual se troca uma peça e o seu funcionamento segue o mesmo, ps próprios jogadores passam a interagir de maneira diferente pela “simples” troca no comando.

A direção do Flamengo tem que ser persistente na ideia, mostrar convicção e crença no treinador escolhido. Não prego a permanência de Domenec com fim nela mesmo, se vierem dez derrotas consecutivas não há como segurar, entendo isso, mas perseverar diante de dificuldades iniciais é mais do que necessário. Assumir um trabalho extremamente vitorioso traz inúmeros desafios, esse é o momento dos dirigentes entenderem isso e mostrarem que realmente o Flamengo pensa e age de maneira diferenciada. 

Marcel Capretz é jornalista com experiência em grandes emissoras de rádio e TV. Busca entender e explicar o jogo através do conhecimento.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso