Universidade do Futebol

Cézar Tegon

28/10/2011

A culpa é de quem?

Saudações a todos!

Essa pergunta sempre surge quando um clube de futebol não vai bem, quando um casal se separa, quando uma empresa não alcança os resultados planejados ou quando o filho não vai bem na escola.

A pergunta é necessária, pois as pessoas precisam encontrar um “culpado” e puni-lo. Parece que assim o problema está resolvido. E fazem isso da maneira mais fácil para elas: olham apenas um lado dos fatos, normalmente o que lhes convém, e determinam quem é o culpado e a punição a ser aplicada.

No futebol, em 99% das vezes, o culpado é o treinador; então, é só demiti-lo e tudo volta às mil maravilhas.

No casamento, o culpado para a esposa e seus familiares e amigos é o marido, e para o marido e seus familiares e amigos, a culpada é a esposa.

Nas empresas, não pensem que é diferente: sempre acham um ou uns culpados para os insucessos e mandam embora, e novamente fica tudo certo.

Quando um filho vai mal na escola a culpa é… claro, da professora, do ambiente, das más companhias, etc., então é só trocar de escola, ou pedir a demissão da professora ou mudar de sala e está tudo resolvido.

Se vocês fizerem uma rápida reflexão e pegarem fatos do seu cotidiano, e se questionarem, verão que em nenhuma das situações apenas encontrar o culpado foi a melhor forma de resolver um problema.

Por exemplo, no fim de um casamento, se é que existe culpa, não existe um culpado, com certeza houve um desgaste, um descontentamento mútuo. E como é uma relação bilateral, as duas partes poderiam ter feito algo para o bem da união. Se você já passou por isso e se casou de novo, tenho certeza de que aproveitou as lições, fez uma reflexão de suas ações e está mais equilibrado. Se não passou, aproveite as experiências dos mais próximos e seja mais feliz agora mesmo.

Nas empresas, se a meta não foi atingida, com certeza houve uma conjunção de acontecimentos – planejamento inadequado, falta de gestão, falta de acompanhamento, mudanças de cenários, etc., que culminaram com os resultados abaixo do esperado. Portanto, culpar e demitir Paulo, Carlos ou Carolina de longe não irá solucionar nada. Mais do que isso, o fundamental é que a gestão da empresa se reúna, veja onde foram as falhas, quais as correções necessárias e em seguida se apliquem as medidas cabíveis.

Se um filho não vai bem na escola, antes de culpar a professora, o ambiente, as más companhias ou o método de ensino, os pais precisam verificar se o filho de fato é dedicado, se estuda no dia a dia, se presta atenção nas aulas, se estuda mais focado na época de provas, etc.. Tenho certeza de que se esta reflexão for feita, e os pontos fora de conformidade forem corrigidos, a troca de escola acontecerá somente em casos extremos.

No futebol, apesar do o treinador ser taxado como o maior culpado e consequentemente ser demitido, na maioria dos casos o problema não se resolve aí. Com certeza porque o “culpado” não é o treinador, ou não é somente o treinador.

Vejam o exemplo do São Paulo, que em menos de três anos demitiu:

Muricy Ramalho – que, em seguida, foi Campeão Brasileiro com o Fluminense e da Copa Libertadores da América com o Santos;

Ricardo Gomes – que foi campeão da Copa do Brasil pelo Vasco;

Paulo César Carpegiani – que fazia um ótimo trabalho pelo
Atlético-PR;

Além de Adilson Batista e de ter rebaixado Sergio Baresi para as categorias de base novamente.

Vocês realmente acreditam que os culpados pelo mau desempenho do São Paulo eram os treinadores? A direção do clube, pelos fatos recentes, acredita que sim e jura que esta fazendo “tudo certo”.

Já dizia sabiamente o “filósofo” Bruce Willis em um de seus filmes: “quem não faz parte da solução… faz parte do problema!”. Vale a reflexão para a diretoria do São Paulo.

É certo de que eu não conheço os bastidores do clube, mas tenho certeza de que se o presidente e seus asseclas fizerem uma reflexão mais cuidadosa e detalhada, identificarão outros pontos impactantes nos resultados pouco expressivos do clube e saberão, se é que já não sabem, que apenas trocar de treinadores “aliviará a pressão”, mas não levará o clube a ter títulos.

O técnico Emerson Leão chegou para buscar o glamour perdido do clube e dos admiradores do futebol. Torcemos para que a direção entenda que ela faz parte do problema e que não “mate” mais um técnico.

Esses casos são apenas exemplos do que acontece no nosso cotidiano. Existem vários outros. O importante é que quando estiverem envolvidos em situações semelhantes, ao invés de achar “um culpado”, reflitam e vejam como podem contribuir para encontrar soluções e, claro, serem parte da solução.

É isso, pessoal! Agora, intervalo, vamos aos vestiários e nos vemos na próxima semana.

Abraços a todos!

Para interagir com o autor: ctegon@universidadedofutebol.com.br  

Comentários

Deixe uma resposta