Universidade do Futebol

Ceaf

06/07/2011

A didática transcende o método no futebol

(…) a forma de atuação de um jogador está fortemente ligada pelos seus modelos de explicação, ou seja, pelo modo como ele concebe e percebe o jogo”.

Garganta (1995)

 


 

Como podemos perceber na frase de Garganta, os modelos de explicação são extremamente importantes no processo da aprendizagem, seja ela em qualquer nível em que se encontre.

Lembro-me das aulas de Esportes Coletivos do Prof. Dr. Alcides Scaglia, em especial da frase que intitula o artigo “a didática transcende o método”; frase esta que está intimamente ligada ao fato de que professores, sejam eles de qualquer área de atuação, e treinadores, precisam levar consigo como fonte de ensino eficaz nesse processo.

Trazendo esta realidade para o futebol de alto rendimento, é necessário saber em que nível se encontra os atletas que se têm em mãos, ou seja, buscar informações que sejam ricas em termos de acervo das quais o grupo possui, para que assim seja mais fácil traçar um planejamento de conteúdos adequados para aquele grupo.

Sendo assim, a aprendizagem dos Jogos Coletivos deve ser progressiva, isto é, do conhecido para o desconhecido, do fácil para o difícil, do menos para o mais complexo.

 

“Como Ensinar Futebol”: conheça o novo curso on-line oferecido pela Universidade do Futebol

 

O maior objetivo de quem está à frente de uma equipe é fazer com que o interesse dos atletas seja grande e o treino seja motivante para que não caia na frivolidade. Para isso ser evitado, o treinador deve se atentar a todos os detalhes no planejamento dos jogos em que quer como objetivo, sendo eles:

1) Regra do jogo;
2) Objetivo do treino;
3) Dimensão do campo e número de jogadores;
4) Abordagem (esta no modelo de descoberta guiada) e o mais importante, didática.

Além de todos esses detalhes, é preciso avaliar o nível emocional do grupo e saber lidar com algumas situações-problema, como dificuldades de convivência no grupo; tipo de jogador, ou seja, não se pode exigir da mesma forma para com todos os atletas, pois cada um possui sua individualidade; entre outros detalhes que são determinantes para uma ótima performance no aprendizado.

Portanto, a facilitação dos conteúdos a serem aprendidos pelos atletas é uma ferramenta importantíssima nesse processo, ou seja, ao invés de “apliquem na bola um movimento que ocasione uma parábola a fim de que ela chegue à outra extremidade do campo”, seja: “Invertam a bola!”.

Espero que o artigo tenha sido bem didático!

Leia mais:
Júlio Garganta, Doutor em Ciência do Desporto (parte I)
Júlio Garganta, Doutor em Ciência do Desporto (parte II)
 

Comentários

  1. Manoel Raimundo Alves Neto disse:

    Sou o professor Neto, e apaixonado por futebol, veja vocês, em pleno Natal, estou aqui assistindo os videos de Júlio Garganta, acho que Deus está planejando algo pra mim, com relação, não me canso de elogiar a Universidade do Futebol, pelo acervo de conteúdos que temos sem sair de casa. Muito bom.

Deixe uma resposta