Universidade do Futebol

Artigos

02/07/2015

A importância do treinamento psicoemocional na formação de goleiros

A gestão dos processos psicoemocionais por parte do goleiro é um fator muito importante para que este atleta possa promover boas execuções esportivas e administrar os momentos críticos e decisivos (ex: falhas, cobranças, disputas de titulo, jogos decisivos, entre outros) que muitas vezes irá vivenciar durante sua carreira. O equilíbrio psicoemocional é extremamente importante para que este jogador possa tomar decisões que o permita intervir de forma eficaz para solucionar os problemas do jogo. 

No momento em que o goleiro se encontra em um elevado nível de equilíbrio psicoemocional, consegue fazer com que seu comportamento corresponda a seu propósito, e as suas ações correspondam às suas intenções. Este equilíbrio pode estar diretamente relacionado com o entendimento do jogador sobre seu estado psicoemocional e a influência que este tem sobre seu pensamento e comportamento.

Quando as capacidades táticas, técnicas e físicas dos atletas forem semelhantes, o competidor que apresentar uma melhor preparação mental poderá vir a obter vantagem sobre seu adversário. Com uma preparação psicoemocional programada e estruturada de acordo com suas necessidades o atleta irá gerir as emoções e processos psicológicos com maior facilidade durante os jogos, proporcionando assim um melhor desempenho em suas funções.

Percebemos que devido à grande cobrança que recai aos ombros dos goleiros pelo fato deste jogador não poder errar, pois seu acerto ou erro pode muitas vezes ser decisivo para o sucesso ou fracasso de sua equipe, o suporte psicoemocional a este atleta se faz extremamente importante principalmente em idades de formação.

A construção do treinamento

Precisamos criar ambientes de treino que deixem os atletas o mais próximo possível do estado de jogo, para que as demandas psicoemocionais (memória, concentração, percepção, controle emocional, tomada de decisão, competitividade entre outros) possam estar presentes. Sabemos que é muito difícil recriar toda complexidade de um jogo real, mas precisamos nos aproximar ao máximo se quisermos oferecer um treinamento que supra as necessidades psicoemocionais, táticas, técnicas e físicas necessárias para a atuação do goleiro.

Podemos observar diferentes formas de se trabalhar à parte psicoemocional dos atletas, sejam por meio de palestras, feedbacks, conversas entre outros. Dentro das formas de se trabalhar, a inserção da pontuação nos treinamentos e a memorização de números e cores vêm ganhando espaço devido a sua proximidade com a realidade do jogo.

A utilização da pontuação nos treinamentos realizados com goleiros tem sido uma ferramenta utilizada para estimular a competitividade dos atletas e gerar um ambiente de treino onde algumas demandas psicoemocionais do jogo (memória, concentração, percepção, controle emocional, tomada de decisão, competitividade entre outros) possam estar presentes, além de se aproximar do que é o jogo. No jogo quem erra menos tem a chance de fazer mais gols e quem faz mais gols conseqüentemente ganha o jogo, assim é com a pontuação, quem erra menos tem mais pontos e conseqüentemente ganha o jogo. Outra ferramenta utilizada é a memorização de números e cores onde conseguimos que a memória, concentração e a tomada de decisão dos atletas sejam trabalhadas, nos permitindo também deixar o ambiente de treino um pouco mais imprevisível.

Somente a inserção da pontuação ou a memorização de números e cores, não garantem que as demandas psicoemocionais sejam trabalhadas. É preciso que o treinador de goleiros direcione o treinamento de acordo com o objetivo que pretende alcançar e tenha o feeling para perceber as reações de seu goleiro quando este se encontra em situações de pressão, desvantagem em relação ao adversário, reação após falhas, concentração, controle emocional e tomada de decisão.

Outro ponto importante que precisamos ter cuidado ao utilizar a pontuação, é não deixar que a competição domine o ambiente de treino, fazendo com que as necessidades principais que seriam trabalhadas dentro do treino fiquem em segundo plano.

Após as observações é preciso que o treinador realize intervenções e orientações para que o goleiro tenha os recursos necessários para atuar da melhor forma possível no treinamento e conseqüentemente nos jogos.

O treinamento psicoemocional pode ser realizado juntamente com o treinamento tático, técnico e físico, com isso se ganha um maior tempo de preparação deixando o treino mais rico em relação a elementos existentes no jogo.

O treinamento psicoemocional por meio da pontuação pode acontecer de duas formas:

Individual

O treinamento individual dos goleiros permite que o treinador manipule o ambiente para criar as situações que pretende trabalhar, não tendo que esperar que elas aconteçam como na situação de treinamento com a equipe. No treinamento individual podemos desenvolver a memória, concentração, percepção, tomada de decisão e o controle emocional do atleta que são fatores importantes durante os jogos, além de trabalharmos demandas táticas, técnicas e físicas que também são trabalhadas no treinamento com a equipe, mas de uma forma aleatória.

Para que o treinador possa estruturar o ambiente de treino, é preciso definir o que se pretende trabalhar e após definição e elaboração dos exercícios, inserir a pontuação de acordo com o objetivo a ser alcançado. É preciso levar em consideração a categoria que se pretende trabalhar e o período competitivo que o atleta se encontra para que não seja gerado um desgaste psicoemocional desnecessário ao atleta visto que a competição já exige uma grande demanda. Recomenda-se que o treinamento psicoemocional seja realizado no período pré competitivo com freqüência de 2 a 3 vezes por semana e no período competitivo de 1 a 2 vezes por semana. Lembrando que este treinamento acontece em conjunto com os treinos táticos, técnicos e físicos.

Equipe

O treinamento com a equipe permite ao goleiro fazer a transferência de tudo que foi trabalhando anteriormente no treinamento individual. Neste momento o treinador irá observar o quanto o atleta esta conseguindo transferir de um treinamento para o outro e identificar suas carências no aspecto psicoemocional, tático, técnico e físico.

O goleiro irá vivenciar situações próximas da realidade do jogo devido à maior quantidade de jogadores envolvidos e a complexidade dos trabalhos. Podemos abordar a concentração para a execução das ações, percepção, tomada de decisão e controle emocional, que pode variar de acordo com a situação que o jogador se encontra perante seu adversário.

A liderança também pode ser observada durante estes trabalhos através das orientações e a postura do goleiro perante a equipe, neste ambiente a intervenção do treinador acontece após as situações terem ocorrido, por meio de feedbacks, conversas e orientações. O treinamento psicoemocional pode acontecer em todos os momentos de treino com a equipe, cabe ao treinador identificar os melhores momentos para realizar as cobranças e correções.

Considerações Finais

Devido à grande responsabilidade que recai aos ombros dos goleiros, este atleta necessita de um aporte psicoemocional que o prepare para administrar as situações de cobrança e pressões que possam vir a ocorrer durante sua carreira. Em idades de formação este trabalho se torna indispensável, pois é preciso que o atleta adquira maturidade psicoemocional. Podemos observar diferentes métodos para trabalhar o aspecto psicoemocional, mas para atingirmos as reais necessidades do atleta precisamos de métodos que possam chegar o mais próximo da realidade do jogo.

* Treinador de Goleiros do Grêmio Novorizontino – SP
Graduado em Ed. Física e Desportos – UFJF

Comentários

Deixe uma resposta