Universidade do Futebol

Ceaf

03/05/2008

A inserção do TGFU no futebol de base

O termo TGFU (teaching games for understanding ou ensinando jogos para compreensão) foi elaborado pelo canadense Tim Hopper entre outros autores em meados dos anos 80. Esta perspectiva trouxe uma dimensão mais exata no aspecto de aprendizagem, pois é uma metodologia interacionista pela qual busca sempre o raciocínio lógico dos jogadores nos contextos de jogos. O esquema que ilustra a totalidade dessa tendência é o seguinte:


Como mostra o modelo acima, o aprendizado está inserido em um processo que se inicia no jogo propriamente dito, isso porque não há como fragmentar as partes do todo como, por exemplo, um treino de chute a gol onde o único intento é finalizar na meta; o atleta deixa de vivenciar as outras vertentes que compõem o jogo, bem como: passes, lançamentos, marcações, interceptações e principalmente os aspectos táticos e psicológicos. Dentro desta linha tecnicista é excluída também a abordagem do interacionismo nos times, onde se encontra no quadro (4). Isso porque o método mais “fácil” de ensino é pelo autoritarismo, da qual o jogador não é formador de hipóteses e sim uma marionete nas mãos do treinador.

A extensão do TGFU vai de encontro aos três princípios dos JDC (Jogos Desportivos Coletivos) sistematizado pelo Prof. Julio Garganta na década de 90 que são: estruturação de espaço, comunicação das ações e relação com a bola. Essas primícias vêm corroborar o fato de que o atleta é um ser de motricidade humana, ou seja, completo em suas ações. Desta forma os jogos devem sempre contemplar as complexidades necessárias a cada treino e fazer com que o processo de assimilação e acomodação esteja cada vez mais inserido nos métodos de ensino.

Hoje em dia já existem clubes com essa filosofia de trabalho, onde se modernizaram ao ponto de entender o passo a passo da formação de atletas respeitando assim, o treino adequado a cada idade em específico e planejamentos correspondentes a cada época. Na Europa isso é mais comum em ser feito, haja vista de que estão à frente na questão de estrutura em termos administrativos, culturais e científicos. Mas no Brasil já existem clubes como o Paulínia Futebol Clube que segue a metodologia AFA (Associação Futebol Arte). O clube é orientado pelo Prof. Dr. Alcides Scaglia que norteia assuntos do cotidiano do futebol que precisam ser lapidados a ponto de chegar a ser um centro de excelência.

Portanto, os clubes formadores devem se apoiar em novas tendências no aspecto de aprendizagem, pois quanto mais se atualizarem, mais irão presenciar jogadores inteligentes e independentes nas resoluções de problemas que cada partida decisiva oferecerá.

Bibliografia

Thorpe, R.; Bunker, D.; Almond, L. Rethinking games teaching. Departament of Physical Education Sports Science University of Technology, Loughborough, Leics, 1986.

Comentários

Deixe uma resposta