Universidade do Futebol

Mauro Beting

05/11/2009

A Laranja Mecânica

Aquele borrão de camisas laranjas marcou a minha e a vida de todos os que amam futebol na Copa-74. A coluna vai trazer a história de cada uma das sete partidas holandesas no Mundial da Alemanha. Um pouco do tudo que deixou nos gramados a Laranja Mecânica, inesquecível manjar tático, físico e técnico também chamada de “carrossel holandês”. O que não significa realmente tudo aquilo que se viu - ou que se quis ver - no chuvoso verão alemão.

Começamos pela brilhante estreia contra o Uruguai, quarto colocado na Copa-70. Ainda com alguns grandes jogadores. Mas não mais com um grande futebol.

UM LADO DO JOGO - Pedro Rocha, meia-esquerda e craque uruguaio: “O nosso treinador só sabia que a Holanda tinha bons jogadores - pediu atenção especial para o 14, o Cruyff. O nosso volante, o Montero Castillo, disse para deixar com ele, que o Cruyff não iria andar em campo - pois é. No intervalo, perguntei ao Castillo porque ele não conseguira fazer o que prometera. Ele me disse: ‘Mas, como? Eu corria atrás dele o campo todo e ele não parava? Como iria segurá-lo? Não dava nem para dar porrada’. Foi um vareio que tomamos. Dois a zero foi pouco”.

OUTRO LADO – Johan Cruyff, gênio holandês: “Estávamos muito nervosos. Além de aqueles 11 nunca termos atuado juntos, cinco jogadores estreavam em algumas funções. O goleiro era novo na equipe. O Haan e o Rijsbergen não haviam atuado daquela maneira. O Jansen demorou a chegar ao elenco. O Haan teve de ser zagueiro – era volante. O Jansen ocupou o lugar dele – embora atuasse na mesma posição do Neeskens - o próprio Neeskens teve de se sacrificar. Eu não estava 100% fisicamente. Perdemos nosso zagueiro Hulshoff por contusão. E tudo isso junto, num só jogo, o da estreia? Não sei como tudo funcionou tão bem. Não tínhamos um time antes da estreia. E quando acabou o jogo, tínhamos uma senhora equipe. Todos correram muito, se doaram bastante. Deveríamos ter feito mais gols. Mas essa é outra questão. Para mim, futebol é criar chances de gol. Fazer o gol é um tanto casual e está fora do futebol. Depende de um monte de circunstâncias: sangue-frio, casualidade, sorte, falha contrária…”

LOCAL: Niedersachsenstadion, em Hannover, Alemanha. 15 de junho de 1974. 16h locais. 53.700 pagantes.

PLACAR VIRTUAL DE CHANCES CRIADAS – HOLANDA 17 X 1 URUGUAI

HOLANDA – 4-3-3 – Jongbloed (8); Suurbier (20), Haan (2), Rijsbergen (17) e Krol (12); Jansen (6), Neeskens (13) e Van Hanegen (3); Rep (16), Cruyff (14) e Rensenbrink (15). Técnico Rinus Michels.

URUGUAI – 4-3-1-2 – Mazurkiewicz (1); Forlán (4), Jáuregui (2), Masnik (3), Pavoni (6); Montero Castillo (5), Mantegazza (1) e Espárrago (8); Pedro Rocha (10); Cubilla (7) e Morena (9). Técnico Roberto Porta.

LANCE A LANCE:

COMEÇOU – Cruyff dá o primeiro toque na bola de um time histórico, tocando a bola para Van Hanegen.

40s – Bela caneta de Espárrago sobre Jansen! É a vitória da escola sul-americana sobre os robóticos europeus!!! Sei… Sei…

2min – O veterano (pleonasmo para aquela equipe uruguaia) ponta-direita Cubilla (34 anos) corta rumo à ponta-esquerda. O lateral-esquerdo Krol o segue individualmente. Marcação opressiva holandesa. Homem a homem.

3min – Falta feia do Uruguai – outro pleonasmo. Falta dura do são-paulino Forlán – outra redundância. Embora não tenha intencionado esquartejar Neeskes, o fato é que o lateral-direito arrancou a carne do meia holandês, na primeira de uma longa série de infrações sul-americanas.

5min – Belo lance de Cruyff pela esquerda, Masnik dá um balão para longe. Impressionante (à época?) a marcação obsessiva holandesa no campo rival. Jansen (sobretudo), Neeskens e Van Hanegen dão o bote num campo mais “curto” que o habitual àqueles tempos.

6MIN – GOL. 1 X 0 HOLANDA. REP. Troca de bola desde a defesa, pelo lado direito. O lateral Suurbier (29 anos) abriu pela direita o jogo com Cruyff. O centroavante (teoricamente?) pegou a bola no meio-campo (como um armador), passou bonito por dois rivais e devolveu ao lateral que mais parecia um ponta, que cruzou de canhota, no meio da área. O ponta-direita Rep (23 anos) subiu como um centroavante, ganhou do zagueiro Jáuregui (28), antecipou-se ao excepcional Mazurkiewicz (goleiro do Atlético Mineiro, 29) e abriu o placar. Dentro da área uruguaia, eram quatro famintos holandeses.

10min – Montero Castillo (30 anos) tenta operar as amígdalas de Neeskens. O Uruguai só bate. Time de alguns grandes jogadores (envelhecidos) é atropelado pela técnica e velocidade laranja. À frente, Cubilla corre, e o grande artilheiro Morena segue isolado pelo esquema tático de Porta. Desse modo, Suurbier ganha liberdade para apoiar sem ser incomodado pelo lado direito. Krol ainda se entretem com Cubilla. Mas nada que tire o descanso do goleiro Jongbloed (33). Na falta, em vez de ser registrado um B.O., o árbitro húngaro Palotai não deu nem amarelo.

11min – Sem bola, o bom meia Espárrago (29 anos, do Sevilla), tromba com Cruyff. Na sequencia, o 14 laranja deixa no bagaço meio time até o centroavante Morena voltar ao próprio campo e dar um pontapé no craque rival. Falta feia. Amarelo? Só o sorriso do juiz.

12min – Espárrago sai pelo lado esquerdo do meio-campo uruguaio. Seis holandeses estão em volta dele.

13min – Apenas o zagueiro-esquerdo Rijsbergen fica atrás. E além do meio-campo de ataque holandês. O Uruguai não está atrás. É empurrado para trás pelo time laranja.

19min – Fora o gol, chance, mesmo, mais nenhuma holandesa. Até porque, pela segunda vez em que entrou em diagonal, do centro para a ponta esquerda, Cruyff foi travado. Mas a bola continua toda laranja.

20min – Outra vez Cubilla tenta escapar pela esquerda, de noo Krol o acompanha. A bola sai pela linha lateral. O Uruguai está morto.

22min – Aleluia! Defesa de Jongbloed, que joga adiantado, e saiu muito bem numa bola em que não era preciso sair. O goleiro de 34 anos usa lente de contatos e era a terceira opção de Rinus Michels. Os dois melhores se machucaram e ele veio para o time principal pela primeira vez.

22min – O lance que representa a essência do Futebol Total holandês (“totaalvoetbal”): a bola é recuada pela meia-esquerda para o campo uruguaio. O zagueiro-direito Jaurégui tenta lançar o meia Mantegazza, na ponta direita. No bote para tentar recuperar a bola e/ou deixar o time uruguaio impedido, 10 (!!!) holandeses, em bloco, se adiantam e fazem o pressing opressivo. Pela primeira vez na história da Laranja Mecânica e do futebol mundial. O condutor do avanço para armar a maior linha de impedimento vista era o volante Jansen (27 anos). Observe que a área ocupada pelos 10 laranjas é inferior a 15 metros.

24min – Mantegazza leva o primeiro amarelo. Ufa. O Uruguai não consegue passar da própria intermediária. Ou passa mal a bola ou é engolido pela obsessão rival em marcar a saída de jogo lá na frente.

30min – Outra porrada de Mantegazza no hábil meia-esquerda canhoto Van Hanegen (30). A Holanda corre, cria, marca, mas não chuta. O Uruguai insiste em sair jogando com o lateral-esquerdo Pavoni. Mas a bola não passa do meio. Talvez um chutão para o isolado Morena seria uma solução? O craque Pedro Rocha está engolido pelo múltiplo Jansen.

35min – Krol sai da lateral, vai cortando pelo meio e manda o balaço, por cima da meta. Apesar de o centroavante todocampista ser Cruyff, falta, de fato, um goleador a Rinus Michels. Um 9 de ofício.

38min – Suurbier pega mal o sem-pulo, livre dentro da área. Jansen cruzou da linha de fundo, e Rensenbrink ajeitou de cabeça. Em resumo: o volante cruzou como ponta, o ponta foi armador, e o lateral-direito foi centroavante.

PLACAR VIRTUAL PRIMEIRO TEMPO – HOLANDA 3 X 0 URUGUAI

RECOMEÇOU – Antes do apito inicial, Pedro Rocha cruza com Cruyff, fala qualquer coisa, o holandês ri e o cumprimenta. Possivelmente deve ser um pacto de não-agressão holandesa?

1min – Aleluia! Chance de gol uruguaia!? Pedro Rocha livre, às costas de Suurbier, pega mal de canhota e perde boa chance. Desta vez, bote defensivo holandês abriu buraco na lateral direita.

3min – Uruguai resolve tentar jogar e parte pela direita. Lançamento feito para o ataque. A linha de impedimento laranja (composta por 6 atletas) deixa 6 (!??!) uruguaios impedidos.

4min – Forlán tenta esfolar Krol. Cartão amarelo para o uruguaio. A Holanda está com três atacantes na área, e mais os três meio-campistas e o lateral-esquerdo Krol marcando a partir de 25m do gol de Mazurkiewicz. Não era assim que se jogava. E, convenhamos, depois da Copa-74, também ninguém marcou igual.

5min – Jogada espetacular e ensaiada em cobrança de falta. O excelente Van Hanegen pega mal e isola, de sem-pulo. Mas todo o lance foi lindo.

5min – Menos de dois minutos depois de receber o amarelo (já tardio), o violentíssino Forlán entra de sola na coxa de Van Hanegen. O árbitro húngaro só chama a atenção do uruguaio. Hoje, pegaria um gancho de 6 meses no TJD, e os holandeses saíram no pau com o meigo lateral.

7min – Cruyff desarma Espárrago na lateral direita holandesa. O homem é uma máquina. Ou uma franquia. Parecem ter 3 Cruyffs em campo. E apenas cinco uruguaios no gramado.

8min – Forlán evita o gol de Rep, em belo lance de Neeskens pela ponta direita. O meia virou ponta, o ponta foi centroavante, depois de uma troca de bola inteligente, sem pressa, dos holandeses.

10min – O lateral Pavoni tropeça na bola e cai dentro da área holandesa. Mas foi a primeira vez que os uruguaios chegaram com 4 no ataque. Embora o ponta Cubilla pareça valer por 4 – em peso. Para piorar, Krol o marca individualmente. Cubilla até tenta atuar pelo outro lado. Mas Krol não deixa.

11min – O imenso Pedro Rocha faz bela jogada pela ponta direita. Mas Van Hanegen retoma a bola, com a ajuda de Krol e de Jansen. São 3 holandeses contra um uruguaio. Na zaga, troca de lado entre Haan e Rijsbergen.

12min – Jansen bate bem da meia direita para boa defesa do excelente Mazurkiewicz. Por estes minutos, Neeskens trocou de função com Cruyff. O 14 holandês resolveu fazer a de Neeskens, recuando e armando o time a partir da meia direita.

14min – Neeskens pega mal e a bola voa. Mas a tabelinha de Jansen com o ataque holandês é muito bonita. A Holanda alterna o 4-3-3 para algo próximo ao 4-2-4, com a penetração de Cruyff.

15min – UM ARRASTÃO. Ou um time de futebol americano pulando sobre o quarter-back rival. É o que aconteceu com Pedro Rocha, aos

15min. O craque são-paulino tentava organizar o que sobrava do Uruguai quando três holandeses deram o bote, e mais cinco se adiantaram ou para tomar a bola ou para deixar o Uruguai impedido. Isso na intermediária uruguaia. Nunca havia visto algo semelhante. E não se viu nada parecido depois. O desfecho do lance é de dar dó e nós nos uruguaios. São quatro holandeses em cima do pobre rico Rocha. O mais impressionante: fora o goleiro Jongbloed, todos os 10 de linha ocupam uma faixa de menos de 20 metros de campo. É o pressing que faria a fama do Milan de Arrigo Sacchi, no final dos anos 80.

16min – Cruyff manda a bomba, Mazurka manda a escanteio. Deixaram o 14 livre. O gol holandês amadurece.

18min – Milar (19) substitui o pregado e acabado Cubilla. Bom finalizador, de boa técnica, o atacante é a esperança celeste de diminuir as dores do atropelamento.

20min – Masnik chuta Neeskens, derruba o rival, e pula sobre o pé esquerdo do holandês. Na cara do bandeirinha. Nada acontece com o violento agressor. Apenas um amarelo tímido para o capião e feitor uruguaio.

22min. EXPULSO. Montero Castillo, pelo conjunto da obra, é expulso. Acertou sem bola Cruyff. Mas já havia feito 6789 infrações piores. A Holanda que já tinha 79 atletas a mais em campo fica com ainda mais espaço. O Uruguai passa a atuar no 4-3-2.

25min – Rensenbrink isola e perde gol fácil. Impressionante como finaliza mal o time laranja. O ponta estava livre, dentro da área.

26min – Suurbier manda no ângulo, Mazurkiewicz defende, sem dar rebote. Impressionante. Mas a jogada anterior de Cruyff sobre Jáuregui foi de cinema. O 14 rodopiou e escapou como se fosse uma Ferrari. Como é que Cruyff corria tanto se fumava ainda mais?

28min – GOLAÇO MAL ANULADO! Lindo lance de Van Hanegen com Cruyff. Ele levanta o pé e toma a bola no alto, da cabeça de Masnik, que se abaixa para tentar o corte. Não foi jogo perigoso. Foi um golaço pessimamente anulado, que saiu da história. Uma lástima. Depois do lance, Mazurka empurra a cabeça de Cruyff, que finge agressão que não aconteceu.

29min – Jansen invade a área livre, pela direita, e manda o balaço na trave esquerda. No rebote, Rensenbrink, da ponta esquerda, emenda para grande recuperação de Makurkiewicz. Um a zero é um placar mais que mínimo pela máxima diferença entre as equipes.

32min – Mais uma linha de impedimento que causa Óoooooo da torcida em Hannover.

38min – INCRÍVEL. A Holanda ficou quase 10min sem uma chance de gol!!!! O time parece um pouco cansado e, na experiência, e na violência, os uruguaios vão se salvando. Os lances pela direita continuam sendo o forte holandês. Suurbier não para e se apresenta muito bem, chegando fácil ao fundo, e cortando bem pelo meio. Mas as finalizações continuam sendo ruins. Ah se o Van Basten já existisse em 1974?

39min – Jaurégui ganha o cartão. De crédito do árbitro. Ele bate, segura, e nada. Uma vergonha. Mas a arbitragem, à época, usava bem menos os cartões.

41min – GOL. 2 X 0 HOLANDA. REP. Ufa! Tudo começou em mais uma saída errada uruguaia. O goleiro tentou lançar com as mãos, a bola foi interceptada rapidamente e foi parar na meia esquerda, para o cerebral Van Hanegen. Belo toque às costas de Forlán para Rensenbrink que, em ritmo de treino, rolou para dentro da área. Na marca penal, Rep só precisou tocar para o gol vazio. Belo gol.

43min – Cruyff aparece como o centroavante que deveria ser. Mas chega um pouco tarde? Jogou demais o craque holandês, e em todos os lances e cantos do campo. Mas faz falta um fazedor de gols. Os holandes finalizaram muito mal. Por isso não golearam. Embora continuem dando show até o fim.

44min – Neeskens chuta muito mal e fraco e perde a 17a. chance holandesa. Nove delas depois da expulsão de Montero Castillo.

46min – PÊNALTI!? Árbitro húngaro deve estar com pena dos uruguaios. Rep é derrubado dentro da área em carrinho claro de Masnik. Ele deixa o jogo seguir. E nenhum holandês reclama.

FIM DE JOGO – Um massacre de apenas 2 x 0.

 

Veja alguns lances do desempenho da Holanda no duelo



NOTAS:

HOLANDA 

Jongbloed – 7 – Como líbero, e por estar estreando na equipe, sem problemas. Até porque a bola não chegou.
Suurbier – 9 – Incansável, ofensivo, técnico, abusado, deu o cruzamento – de canhota – para o primeiro gol. Partidaço. Um dos motivos para a Holanda atacar tanto. E ainda mais pela direita.
Haan – 8 – Sem ser molestado pelo excelente Morena, pôde comandar a defesa holandesa com categoria. No segundo tempo, trocou de lado e manteve o ritmo.
Rijsbergen – 7 – Menos qualificado da zaga, mais duro, com menos recursos. Mas foi bem contra o inexistente ataque rival.
Krol – 9 – Futuro líbero, o lateral foi um segundo ponta-esquerda com a bola, e ainda anulou o gordito Cubilla, o acompanhando em todos os cantos.
Jansen – 9 – Marca, morde, comanda o impedimento, arma, finaliza. Meio-campista completo, de ótima técnica.
Neeskens – 8 – Apanhou demais. E também jogou demais. No segundo tempo, inverteu por vezes de posição com Cruyff.
Van Hanegen – 9 – Estilista, tem canhota privilegiada para passar. Elegante, só precisava entrar mais na área. Belo passe para o segundo gol.
Rep – 9 – Oportunista. É mais centroavante que ponta. Goleador.
Cruyff – 10 – O futebol total. Centroavante no primeiro tempo, meia, ponta e até volante no segundo. Hábil, ágil, incansável. Brilhante.
Rensenbrink – 7 – Deu a assistência do segundo gol, e apanhou demais de Forlán. Poderia ter rendido mais.
Rinus Michels – 10 – A culpa é toda dele.

URUGUAI

Mazurkiewicz (Atlético-MG) – 8 – Não fosse ele… Seguro, colocado, quase perfeito.
Forlán (São Paulo) – 4 – O lateral-direito sempre soube jogar. Mas sempre bateu mais do que a Convenção de Genenbra permitia.
Jáuregui (River Plate-URU) – 4 – Não é fácil enfrentar uma Holanda como aquela. O zagueiro-direito fez o que poderia.
Masnik (Nacional) – 3 – Fez pênalti não marcado, e deveria ter sido preso por pisão em Neeskens. O experiente zagueiro-esquerdo foi o retrato em preto e azul da falência da escola uruguaia em 1974.
Pavoni (Independiente-ARG) – 4 – O campeoníssimo lateral-esquerdo e capitão do Independiente argentino foi massacrado por Suurbier e Rep.
Montero Castillo (Nacional) – 1 – O volante disse que iria pegar Cruyff. Foi a única coisa que cumpriu. Só não disse que seria na porrada, e acabaria expulso.
Mantegazza (Nacional) – 3 – Tentou marcar Van Hanegen pela meia direita. Não conseguiu, e também não armou.
[Milar (Liverpool-URU)] – 4 – Entrou?
Espárrago (Sevilla-ESP) – 4 – O meia pela esquerda tentou ajudar Rocha e dar um pé aos demais companheiros.
Pedro Rocha (São Paulo)- 5 – O verdugo foi atropelado por colegas medrosos e pelo arrastão holandês. O brilhante meia-armador não foi visto em Hannover.
Cubilla (Nacional) – 3 – Correr, o ponta-direita correu, e até pelos dois lados? Mas, como o Uruguai, em 16 rpm, e contra um Krol que não o deixou em paz.
Morena (Peñarol) – 3 – Para um dos maiores centroavantes uruguaios que vi? Não foi visto. Esquecido pelo time.
Roberto Porta – O técnico? Uma porta. Mas quem salvaria os uruguaios contra os holandeses? Como atleta, foi goleador pelas seleções do Uruguai e também da Itália.

ÁRBITRO – Karoly Palotai (Hungria) – 4. Anulou gol legal, não deu pênalti no fim, deixou o Uruguai bater o jogo todo.
 
Na próxima coluna, um dos melhores empates sem gols da história das Copas: Holanda 0 x 0 Suécia

Para interagir com o autor: maurobeting@universidadedofutebol.com.br

Comentários

Deixe uma resposta