Universidade do Futebol

Manuel Sérgio

08/08/2013

A “Messidependência” do Barcelona e algumas considerações a propósito

O livro de Duncan Watts, Six Degrees: The Science of a Connected Age (New York, 2003) pretende ensinar que uma realidade social, mesmo em uma equipe de futebol (digo eu), deve compreender-se tanto pela maneira como os elementos de um todo se relacionam e ligam (neste caso, a tática) como pela importância que eles têm no funcionamento das redes que compõem o todo, ou o sistema de jogo.

A Ciência das Redes não se limita, portanto, às redes, mas também ao reconhecimento de que há redes e redes, ou seja, em termos futebolísticos, a tática também resulta das virtualidades de cada um dos jogadores.

Diz-se que o futebol é um jogo predominantemente tático. E assim é. Mas, uma boa tática, sem jogadores de excelência e motivados, pouco mais é que uma geometria sem eficácia. Quando nos ocupávamos de uma análise da equipe do Barcelona, até à saída do Guardiola, descobríamos o DNA desta equipe, na tática, interpretada de modo tão mecânico, tão interiorizada por cada um dos jogadores, que julgávamos que a tática, por si só, resolve os problemas de eficiência e produtividade de uma equipe.

Havia uma tão perfeita cognição distribuída (expressão que encontrei na Psicologia Cognitiva) de uma determinada tática, uma partilha tão equilibrada e sensata dos mesmos modelos mentais, que o Barcelona parecia imbatível. Já eram muitos os teóricos que escreviam livros onde matematicamente se tentava provar que o Barcelona não tinha par… hoje e sempre!

Creio que fui eu (passe a imodéstia), em língua portuguesa, e há mais de 30 anos (veja o meu livro Filosofia das Atividades Corporais, Compendium, 1981), que adiantei a hipótese de descobrirmos na Educação Física um produto do dualismo antropológico cartesiano, ou seja, onde ressoavam as palavras de Galileu: "a natureza está escrita em linguagem matemática" e, porque o corpo era natureza tão-só, os números determinavam cabalmente as atividades corporais.

Galileu é o pai da física moderna, que Descartes aceitou respeitosamente, e portanto, no entender do autor do Discurso do Método, o corpo humano não passava de matéria mecanicamente em movimento. A Educação Física nasce, no século XVIII, a idade por excelência do racionalismo, na cultura ocidental, com as taras próprias do racionalismo (de que só em meados do século XX entrou de libertar-se). Portanto, no Barcelona, a tática, matematicamente assumida e mecanicamente praticada, parecia a "causa das causas" dos seus êxitos.

Depois da Liga dos Campeões, de 2012/2013; depois da superioridade incontestável do Bayern, sobre o Barça, nas meias-finais – não pode dizer-se que os jogadores da Catalunha esqueceram a tática, mas que queriam e não podiam, enquanto os alemães queriam e podiam.

Do que venho de escrever se infere que, numa equipe de futebol, o Homem está antes de tudo o mais. O que, muitas vezes, falta ao futebol não é de ordem tática – o que lhe falta, muitas vezes, é a dificuldade, neste tempo onde o mais publicitado se resume ao imediato e ao fragmentário, é a dificuldade, dizia, de pensar o Homem, o que ele é e sente e ama, antes de tudo o mais.

Ora, o Barcelona parece, hoje, uma equipa, onde a lesão física do Messi é tão extensa e profunda como o cansaço físico, psiquico e psicológico dos seus colegas de equipa. O treino ideal, para o Barcelona, hoje, é não treinar e escutar, com atenção, as análises dos jogadores ao momento menos feliz que atravessam.

Depois, a liderança do Guardiola não pode substituir-se com adjuntos, nem com os adjuntos dos adjuntos, mas com treinadores de grande sabedoria (que é mais do que saber) que os jogadores admirem e respeitem e que lhes proponham valores que os jogadores sintam a subir do mais íntimo de si mesmos. No meu modesto entender, a grande revolução a fazer no futebol reside aqui: praticá-lo, como se não se pudesse viver sem a sua prática.

Vergílio Ferreira, no seu livro Pensar, afirmou: "Escrevo porque o encantamento e a maravilha são verdade e a sua sedução é mais forte do que eu (…). Escrevo para tornar visível o mistério das coisas. Escrevo para ser. Escrevo sem razão" (pp. 35-36).

No dia em que o Ronaldo, o Messi, o Lewandowski, o Ribéry e o Robben "jogarem para ser", serão de certo melhores jogadores e, na constituição das redes, ajudarão ao nascimento de um futebol diferente… para melhor!

O meu amigo Gonçalo M. Tavares tem este poema: "É uma parede com afetos (o corpo)/ Mas, a coragem e o silêncio não são anatomia". Nem tática…

 

*Antigo professor do Instituto Superior de Educação Física (ISEF) e um dos principais pensadores lusos, Manuel Sérgio é licenciado em Filosofia pela Universidade Clássica de Lisboa, Doutor e Professor Agregado, em Motricidade Humana, pela Universidade Técnica de Lisboa.

Notabilizou-se como ensaísta do fenômeno desportivo e filósofo da motricidade. É reitor do Instituto Superior de Estudos Interdisciplinares e Transdisciplinares do Instituto Piaget (Campus de Almada), e tem publicado inúmeros textos de reflexão filosófica e de poesia.

Esse texto foi mantido em seu formato original, escrito na língua portuguesa, de Portugal.

Para interagir com o autor: manuelsergio@universidadedofutebol.com.br

Comentários

Deixe uma resposta