Universidade do Futebol

Nupescec

03/05/2008

A mudança no torcedor

A proximidade do Campeonato Brasileiro trouxe novamente a polêmica sobre o sistema de disputa. Aqui mesmo, na Cidade do Futebol, recentemente, o diretor da Globo Marcelo Campos Pinto discutiu o tema sugerindo mudanças. Normalmente, as ponderações contra o sistema de pontos corridos seguem carregadas de motivações muito mais relativas ao mau desempenho de um clube ou clubes de um estado do que à fórmula em si. A realidade é que o atual modo de disputa acaba sendo o mais justo e tem conseguido um efeito muito interessante: mudou o comportamento do torcedor brasileiro.

Acostumado apenas a enxergar o título como algo com valor, o fato é que os torcedores passaram a se interessar por outras posições na tabela de classificação. Seja porque o time fica com chances de Libertadores, Sul-Americana e a luta pela fuga do rebaixamento. Com isso, praticamente todos os jogos passaram a ter valor. O que o sistema antigo (todos eles) não permitia. No modelo antigo, o torcedor brasileiro, diferente de todo o resto do mundo, só sabia ver qualquer competição focado no primeiro lugar. Muito pelo contrário, agora já se passou a comemorar o segundo lugar, oitavo, a escapada da degola do rebaixamento.

Essa mudança é significativa, valoriza o campeonato e o torna atraente financeira e tecnicamente. Portanto, qualquer outro argumento que se apresente no momento, soa como desculpa para o fracasso de algum grande clube. Normalmente, quando vemos que algum clube ou que os representantes de algum estado (especialmente Rio e São Paulo) não vão bem, logo surgem os questionamentos na mídia sobre o sistema de competição. Não é possível que a parcialidade e interesses pouco esportivos encubram o valor significativo que representa essa mudança de comportamento do torcedor.

Até mesmo em termos de violência. Não é por acaso que o próprio comportamento das torcidas, como foi observado anteriormente, não chame a atenção dos críticos do sistema de pontos corridos. A partir do momento que todas as posições na tabela passaram a serem significativas, vale mais incentivar seu time do que brigar. Qualquer ato de indisciplina do torcedor podia interferir no mando de campo e, conseqüentemente, prejuízo na posição da tabela. O sistema de pontos corridos colocou o futebol pentacampeão do mundo dentro da modernidade da disputa.

O argumento de que favorece aos clubes mais bem estruturados, ao contrário do que pensam os críticos, só reforça a necessidade e valor do sistema de pontos corridos. É a premiação à competência dentro e fora de campo. E isso não pode deixar de ser prioridade em termos esportivos. Sorte sempre fez parte do futebol, mas não pode ser o critério prioritário como era no sistema do mata-mata. Portanto, se há algo a ser comemorado por todos nós que amamos e estudamos o futebol é o sistema de pontos corridos.

* Márcio de Oliveira Guerra é coordenador do Núcleo de Pesquisa em Comunicação, Esporte e Cultura da UFJF

Comentários

Deixe uma resposta