Universidade do Futebol

Artigos

07/12/2017

“A tecnologia de construção de campos nos EUA”

Os estádios de futebol nos EUA usam sistema de aquecimento para os campos

Nos EUA, tecnologia é sempre presente nos vários aspectos relacionados com o time de futebol. Não é de se surpreender que o mesmo se aplique à construção dos campos. Sistema de irrigação e drenagem é algo corriqueiro para campos construídos em todos os níveis de competição, desde o “middle school” (ensino fundamental) até o universitário e profissional.

No entanto, hoje em dia podemos ver a nova onda de tecnologia aplicada a essas construções: a tecnologia de aquecimento de campos. Como o clima nos EUA envolve estações de inverno e até primavera com temperaturas bem baixas, esse tipo de prática se faz necessária. Ao se olhar no mapa dos EUA, podemos passar uma linha horizontal que divide claramente os estados de clima ameno e os de inverno rigoroso. Na verdade, essa linha divide 2/3 do pais com invernos fortes e apenas 1/3 com invernos suave (os chamados “Southern states”).

Nesses estados ao sul, a preferência é de se “plantar” campos com gramas chamadas de “Bermuda grass”. Essa grama de origem Arábica é bastante popular para campos de futebol, pois possui um sistema de raízes profundo e assume uma postura de crescimento horizontal cobrindo o solo (ao invés de crescer para cima). Sendo assim, a grama Bermuda oferece um campo ideal para a prática de esportes como: futebol, golfe, etc, onde a bola precisa rolar com perfeição. Outra vantagem é que a Bermuda se regenera rapidamente e não exige grandes cuidados além de irrigação e temperaturas altas. E, esse é o problema para os estados mais ao norte dos EUA. Não só as temperaturas caem muito em certas épocas do ano (o que faz por exemplo a Bermuda ficar em estado dormente tornando-se marrom), mas há acumulação de neve na superfície em parte do ano.

Por isso, apesar de grande parte dos estados de inverno rigoroso usarem campos de grama sintética, há hoje em dia uma onda de utilização de sistemas de aquecimento de campo. Esses sistemas não só proporcionam a grama a ficar mais resistente a queda de temperatura, mas também permite ao solo a não “petrificar” com o gelo que se forma. Além disso, esses sistemas permitem ao campo derreter a neve que se acumula nas nevascas.

Os dois tipos mais comuns de aquecimento de campos são o de água aquecida e o sistema elétrico. Ambos funcionam com tubulação instalada abaixo da grama e emanam o calor, permitindo que o campo esteja em ótimo estado o ano todo. Exemplos desses campos são o do Denver Broncos (futebol Americano) e do Chicago Bears (basebol). Também o campo do time de soccer do Colorado Rapids (Invesco Field) usa dessa tecnologia. Nesse campo há mais de 33 mil metros de tubulação espalhada a 15 centímetros abaixo da grama, e acima de uma camada de areia e pedrinhas. A tubulação é fixa por uma grade de metal fino que segura o sistema no lugar, evitando que migre para cima com o passar do tempo.

Um terceiro (e mais recente) tipo de aquecimento é o de ar quente. Esse sistema permite inversão de fluxo de ar e pode servir como drenagem a vácuo ou como aquecimento ao impulsionar ar quente. Um exemplo de campo assim é o Safeco Field, do time de futebol Americano Seattle Mariners. Outro estádio com esse sistema é o BMO Field do time de soccer da MLS Toronto FC. Esses campos conseguem derreter até 35 centímetros de neve de um dia para o outro.

A única “desvantagem” desses campos é que o pessoal que cuida da grama tem que cortar o campo o ano inteiro, inclusive no inverno…

Comentários

Deixe uma resposta