Universidade do Futebol

GEGF

02/03/2014

A tecnologia serve para quê?

O fato é que na era da informação, não existe dúvida de que sistemas de informação possuem um percentual grande na vida da maior parte da população, e a tecnologia faz parte da integração destas e sem dúvida é base para a gestão e governança de um clube de futebol.

Ultimamente, voltamos a falar muito no processo de cadastramento de sócios de clubes, não só por causa do benefício do desconto na aquisição de ingressos, como também na possibilidade de que um sócio possa fazer valer o seu direito de dar novos rumos aos seus clubes, como também na possibilidade de auferir outros descontos em produtos e serviços de várias marcas participantes de programas de benefícios, entretanto este processo, desde que foi lançado, tem-se mostrado que pode render ainda muito mais, comparando com o potencial divulgado de torcedores.

É claro que é um projeto bastante audacioso e talvez por isso, tenha demorado a ser implementado, mas é importante também que o parceiro tecnológico do lado do clube tenha experiência para conduzi-lo, e o processo seja exaustivamente testado, pois a partir de sua base de dados, são possíveis diversas integrações com outros sistemas, sejam eles de validações cadastrais, cobranças, ouvidoria, ações de marketing, etc. Não se trata somente de um simples cadastro, a informação relativa ao sócio começa a ter um valor inestimável para o Relacionamento (Informações demográficas, de consumo, suas preferências, renda, etc). Nos clubes que ainda não se adequaram, isto pode tornar-se um problema seríssimo.

É importante antes de mais nada, um processo de Benchmark para validar processos e a própria tecnologia para um cadastramento de sócios, espera-se uma ferramenta on-line e que permita todas as integrações sistêmicas com o legado já existente e com outros novos sistemas, por exemplo com o movimento “Por um futebol melhor”, o qual eu recomendo que se faça o cadastramento.

Outro ponto que deve ser visto com atenção, são as reclamações de sócios (Ouvidoria) e também no percentual de torcedores fora do seu estado de origem que cada vez tende a aumentar conforme pesquisas divulgadas. No Vasco principalmente onde mais de 71% de sua torcida está fora do estado de origem, o objetivo primordial, deve focar não só a possibilidade de novos sócios para contribuir com o clube, mas também no direito democrático de votar, através da internet.

A título de curiosidade, a relação de sócios fora do Rio é de aproximadamente 15% (baseado nos sócios aptos a votar no ano de 2011), e aquele sócio impossibilitado de se locomover mesmo no Rio também poderia participar. Será que com isso poderíamos esperar um aumento de participação em futuras votações?

Cabe ressaltar que o SC Internacional, o clube de maior número de sócios do Brasil, teve a última votação também através da Internet e o percentual de votantes através deste canal foi bem maior que o presencial, votaram sócios de 17 países diferentes. (clique aqui para ver este e outros detalhes). Provavelmente poderiam votar até do seu smartphone com pequenas adequações.

Vale a pena citar também a utilização de tecnologias que possibilitam fazer um “debate ao vivo”, através da internet com os prováveis candidatos; lembro que algo similar foi feito em 2011 pela Amovasco TV e outros parceiros, com a tecnologia do (USTREAM) mas, naquela oportunidade os candidatos estavam definidos em dias separados para responderem presencialmente questões pertinentes as suas campanhas.

A tecnologia evoluiu desde então, sendo possível hoje haver um debate, cada candidato ou mediador estejam aonde estiverem, sem desculpas de compromissos inadiáveis e ainda contando com a interação direta do eleitor, podendo ele se cadastrar antecipadamente ou até mesmo em tempo real.

Com o Hangout é possível fazer reuniões/apresentações restritas ou públicas ao vivo e seu conteúdo pode ser assistido através do Youtube e posteriormente armazenado lá mesmo. Com certeza ajudaria e muito ao eleitor distante saber mais sobre os candidatos, além da sensação de pertencimento e integração com o clube. Esta é só uma das possibilidades.

Apesar de não saber se foi transmitido ao-vivo e como foi feito na época, veja também um vídeo do Grêmio FPA. E acredite, os dois produtos tanto o HANGOUT quanto o USTREAM citados acima, são gratuitos.

Independente da tecnologia é bom frisar, que além da necessidade do estatuto estar apto para tal (veja o estatuto do Santos aqui página 25 que permite a votação também por correio), o mais importante deve ser o compromisso com a inovação, a credibilidade ,a devida transparência, e principalmente a equidade, sem o qual nada disto funcionará , não basta somente o profissionalismo.

Os três clubes citados acima (Internacional, Santos e Grêmio) estão entre os quatro de maior número de sócios e nenhum destes possui a mesma abrangência nacional do Vasco. Para uma boa percepção de “valor”, sugiro usar a quantia da mensalidade de sócios destes três clubes, multiplica-los pela quantidade de sócios no ranking do site Por um futebol melhor e depois novamente multiplicar por 13 meses.

Isto ajudaria a contratar algum craque ou segurar uma promessa da base?

*Wagner de Andrade Pedro é membro do Conselho Deliberativo (2011-2014) do CRVG, Administrador de Empresas, Pós-Graduado em Análise de Sistemas e Didática de Ensino Superior pela UNESA com MBA em Marketing pela COPPEAD-UFRJ, certificado pela FGV/FIFA/CIES em Gestão, Marketing e Direito no Esporte e executivo da área de Tecnologia da Informação. Atua ainda como diretor de Marketing e Comunicação da Cruzada Vascaína

Comentários

Deixe uma resposta