Universidade do Futebol

Gustavo D’Avila

05/12/2013

Agressividade e expulsões: o que fazer?

 No futebol, o comportamento agressivo de alguns atletas podem prejudicar uma equipe e consequentemente os resultados dentro e fora de campo dentro da temporada.

O comportamento agressivo por parte dos atletas, variam conforme as intenções dos participantes e das regras e do comportamento do árbitro.

Quantas vezes uma equipe acabou sendo derrotada numa partida em que atuava melhor que o adversário, mas ao perder um atleta em campo por motivo de expulsão acabou não resistindo a superioridade numérica? Nem sempre a máxima do futebol de que “um time em inferioridade numérica muitas vezes joga melhor e vence a partida”, funciona não é mesmo?

Os clubes precisam estar atentos com a questão da agressividade no futebol e consequentemente precisam imprimir ações preventivas para garantir a boa conduta de seus atletas dentro e fora de campo.

Os principais fatores para o surgimento de comportamentos agressivos nos jogos são:

• Local do jogo;
• Importância do jogo;
• Nível de rendimento dos jogadores;
• Placar do jogo;
• Posição e tarefa tática do jogador;
• Comportamento do árbitro;
• Comportamento dos técnicos;
• Quantidade e comportamento dos torcedores.

Dependendo da forma significativa da importância emocional que o jogo representa para cada jogador, o comportamento agressivo e violento no futebol. Caso os atletas apresentem este comportamento agressivo durante uma partida de futebol, os torcedores também serão estimulados a apresentarem comportamento violento contra o árbitro e isso cria um clima emocional de violência na partida.

Cabe aos clubes aplicarem algumas recomendações para o treinamento esportivo que possam contribuir no controle dos comportamentos agressivos dos atletas, tais como:

• Os treinadores e atletas devem aprender a respeitar os princípios éticos e os valores humanos, por exemplo, respeitar as regras esportivas e a saúde do adversário;

• O treinador deve evitar ou diminuir a pressão do sucesso e do rendimento sobre seus atletas, especialmente no trabalho com crianças e atletas jovens;

• Os profissionais que lidam com o desenvolvimento do comportamento humano devem orientar os treinadores e atletas como utilizar técnicas de relaxamento e controle do estado emocional;

• O treinador deve representar um modelo positivo tranquilo, seguro e controlado de comportamento;

• O treinador deve procurar desenvolver boas relações interpessoais com seus atletas e criar um bom clima emocional no treino e na competição;

• O treinador e os executivos do futebol devem desenvolver boas relações com a mídia e informar a imprensa de forma objetiva e construtiva sobre o trabalho no clube e sobre os resultados de cada competição.

E você, amigo leitor? Em sua opinião, vale a pena investir na prevenção ou é melhor arriscar perder jogos importantes e pontos preciosos nas competições?

Comentários

Deixe uma resposta