Universidade do Futebol

NUPEF

31/12/2013

Análise da média de gols feitos e sofridos de bola parada entre os finalistas da Copa Libertadores 2013

No futebol, o principal objetivo do jogo é o gol, e este pode ser alcançado por diversas formas, sendo necessário buscar estratégias tanto para alcançá-lo quanto para impedi-lo.

Com a evolução tática e técnica do futebol, os jogos são decididos por detalhes, em que a “bola parada” se torna uma das principais alternativas para se obter vitórias e, consequentemente, títulos.

O termo “bola parada” ou fragmentos constantes de jogo engloba jogadas de escanteio, tiros livres, pênaltis e arremessos laterais.

Ao final de uma importante competição para as equipes sul-americanas, a Libertadores da América 2013, foi feita uma comparação entre Atlético Mineiro e Olímpia, os finalistas desta edição, a fim de observar a média de gols feitos e sofridos por jogadas de bola parada pelos dois clubes.

A equipe mineira na primeira fase da competição estava no grupo 3, ao lado de São Paulo, Arsenal de Sarandi e The Strongest. No grupo 8, os paraguaios tiveram pela frente o Newll’s Old boys, Universidad de Chile e Deportivo Lara.

O Atlético, que se classificou como melhor primeiro colocado da competição, com 15 pontos, enfrentou nas fases finais, até chegar na decisão o São Paulo, Tijuana e Newll’s Old Boys; Já o Olímpia, também primeiro colocado do seu grupo com 13 pontos, passou pelo Tigre, Fluminense e Santa Fé.

Em quatorze jogos, o Atlético marcou 29 gols, sendo que 5 foram feitos de bola parada, obtendo uma média de 0,35 gols de bola parada por partida. Nos mesmos quatorze jogos, dos 18 gols sofridos, 6 foram de bola parada, tendo, assim, a média de 0,42 gols sofridos de bola parada por partida.

A equipe do Olímpia, por sua vez, terminou a competição com 25 gols marcados e 12 sofridos, nos quais 11 marcados de bola parada e 2 sofridos, totalizando uma média de 0,78 gols marcados e 0,14 gols sofridos de bola parada por partida.

Durante as fases finais, a equipe paraguaia fez das cobranças de falta direta, o seu diferencial, marcando 3 gols decisivos, ao contrário do clube Mineiro que não marcou nenhum gol dessa forma , durante todo campeonato, mesmo tendo em seu plantel jogadores com características para esse tipo de jogada. Além disso, é importante destacar que os paraguaios tomaram apenas 1 gol de bola parada durante os 8 jogos dentro desta etapa da competição.

Com base nos dados encontrados, pôde-se perceber que a equipe do Olímpia alcançou uma média superior a do Atlético no quesito gols marcados de bola parada. Além disso, os paraguaios obtiveram uma média inferior ao do clube mineiro no quesito gols sofridos. Portanto, a equipe do Olímpia apresentou melhores resultados para variável analisada.

Entretanto, vale a pena ressaltar que no momento principal da competição, a decisão do jogo final, nos pênaltis, o clube Mineiro aproveitou melhor as cobranças de bola parada, vencendo a disputa por 4×3, se tornando campeão pela primeira vez do torneio.

Assim, através dessa breve análise, conclui-se que, para a equipe do Olímpia, a bola parada foi de extrema importância, tanto para a fase ofensiva, quanto defensiva do jogo. Já o Atlético, mesmo não se destacando dentro da variável analisada, se sagrou campeão, encontrando outras formas de alcançar o seu objetivo dentro da competição.

Referências:

Análise Tática- Bolas paradas- Campeonato Brasileiro de futebol de 2011. Disponível em: http://analisedefutebol.blogspot.com.br/search?q=bola+parada. Acesso em: 30 de julho. 2013.

Libertadores 2013- jogos e classificações. Disponível em: http://globoesporte.globo.com/futebol/libertadores/#/classificacao-e-jogos. Acesso em: 30 de julho. 2013.

Libertadores 2013- jogos e classificações. Disponível em: http://esportes.terra.com.br/futebol/libertadores/#/fase-3. Acesso em: 30 de julho de 2013.

Vídeos dos gols Fluminense e Grêmio no primeiro turno da copa libertadores da américa 2013. Disponível em: http://www.youtube.com/. Acesso em: 30 de julho. 2013.

Comentários

Deixe uma resposta