Universidade do Futebol

Artigos

03/02/2020

Aplicação do running anaerobic sprint test no futebol

Uma das maiores evolução do futebol moderno diz respeito ao aumento substancial e progressivo da intensidade do jogo. Corridas de alta velocidade (sprints) são essenciais para a performance do jogador¹. Uma pesquisa realizada no campeonato alemão aponta que os sprints foram as ações que mais se repetiram antes das situações de gol da temporada 2007/08². Destacando a importância em realizar sprints no futebol, surge então o grande desafio de avaliar e monitorar os atletas na sua especificidade.

O Running Anaerobic Sprint Test (RAST) é um protocolo de avaliação física bastante utilizado para mensurar a potência anaeróbia em jogadores de futebol de campo. Desenvolvido por pesquisadores da Universidade de Wolverhampton Reino Unido, o RAST consiste na realização de 6 sprints máximos numa trajetória de 35m, sendo cada sprint sucedido por 10s de recuperação passiva. Os parâmetros obtidos através da aplicação do RAST são: potência máxima (W/KG), potência média (W/KG) e índice de fadiga(W/S)³.

 

Para que os resultados do teste sejam de grande acurácia, é necessário que se utilize um sistema de cronometragem de tempo preciso, pois, o tempo total que cada atleta leva para percorrer os 35m determina os valores do resultado final do teste.

Na literatura científica encontramos diferentes ferramentas para quantificar o tempo de realização de cada sprint durante a aplicação do RAST, como cronômetro manual, fotocélula (imagem 1), Global Position System (GPS), sistema de análise de movimento, aplicativos de celular (My Sprint) e câmeras de vídeo.

Outro teste bastante disseminado na literatura para avaliar o condicionamento anaeróbio dos atletas é o Wingate, no entanto, a aplicação do teste supra máximo de Wingate é um tanto quanto questionável e pouco reprodutivo para a especificidade do futebol. Levando em consideração que o futebol é um esporte que tem a corrida como a principal ação motora, e o teste de Wingate é realizado em ambiente laboratorial estando o atleta realizando o sprint em um ciclo ergômetro.

Sabemos que os testes de campo são os que mais reproduzem ações realizadas na especificidade do esporte. Este viés também legitima a avaliação através do RAST. Pois, a sua aplicabilidade pode acontecer em campo de grama, estando os atletas vestindo calção, camisa, meião e chuteira.

Portanto, o RAST é validado e importante para detecção e acompanhamento dos estágios de potência anaeróbia em jogadores de futebol. Sua reprodutibilidade é simples desde que o avaliador tenha um bom manuseio do cronômetro manual (levando em consideração que este é o equipamento mais barato para quantificar o tempo de sprint).

 

*Mestrando em Educação Física – Faculdade de Educação Física e Dança (UFG)

 

 

Referências Bibliográficas

1- LOTURCO, I. et al. Maximum acceleration performance of professional soccer players in linear sprints: Is there a direct connection with change-of-direction ability? PLoS ONE, v. 14, n. 5, 2019.

2- FAUDE, O.; KOCH, T.; MEYER, T. Straight sprinting is the most frequent action in goal situations in professional football. Journal of Sports Sciences, v. 30, n. 7, p. 625– 631, 2012.

3- DE ANDRADE, V. L. et al. Reproducibility of Running Anaerobic Sprint Test for soccer players. Journal of Sports Medicine and Physical Fitness, v. 56, n. 1–2, p. 34– 38, 2016.

4- BANGSBO, J – Quantification of anaerobic energy production during intense exercise – Medicine Science Sports Exercise, 30 (1) 47-52, 1998-b.

 

Comentários

Deixe uma resposta