Universidade do Futebol

NUPEF

03/07/2013

Avaliação dos indicadores de performance no futebol

"Os indicadores de performance podem nos dar informações relevantes no processo de ensino-treino do futebol"

Quando se observa, por exemplo, um jogo de futebol pela televisão, algumas informações relevantes podem passar despercebidas, tanto pela falta de conhecimento acerca do jogo quanto pela imparcialidade com que as pessoas assistem a uma partida.

Para os treinadores e pesquisadores, tais observações se tornam importantes à medida que é interessante identificar ações relacionadas com a eficácia das equipes e as transferirem para a prática (GARGANTA, 1997).

No ambiente profissional, a observação de jogo pode fornecer importantes informações sobre os indicadores de performance da(s) equipe(s).

O termo "Indicadores de Performance" é definido por Hughes e Bartlett (2002) como uma combinação de variáveis que definem aspectos do desempenho. Atualmente, o uso da avaliação destes indicadores de performance é utilizado tanto para a análise individual do jogador e equipe quanto para comparações com equipes adversárias.

Assim, diversos fatores podem ser considerados como indicadores de performance, sendo os fatores relacionados aos aspectos técnicos e táticos mais estudados no futebol atual (REINA GÓMEZ; HERNÁNDEZ MENDO, 2012).

No que diz respeito aos aspectos técnico-táticos, alguns estudos têm realizado avaliações através da análise de jogo utilizando variáveis como a posse de bola, o número de gols a favor e contra, finalizações, passes, entre outros (HUGHES; BARTLETT, 2002; LAGO; MARTÍN, 2007; LAGO-BALLESTEROS; LAGO-PEÑAS, 2010).

Em um desses estudos, Lago-Ballesteros e Lago-Peñas (2010) avaliaram os indicadores de performance que diferenciaram os clubes melhores classificados dos piores na temporada 2008-2009 do campeonato espanhol. Os autores identificaram diferenças significativas entre os clubes no que diz respeito ao número de gols a favor, total de chutes realizados no gol, assistências e tempo de posse de bola.

As informações passadas no estudo citado ofereceram resultados interessantes para os profissionais da área,, mostrando que a avaliação desses indicadores podem fornecer informações relevantes para o processo de ensino-treino do futebol. No entanto, as avaliações dos indicadores de performance podem se tornar limitadas dependendo do instrumento de avaliação utilizado.

Os vídeos gerados pelos sistemas de televisão ou por empresas particulares de análise de jogo podem não transmitir com totalidade os eventos de uma partida, seja ocorrendo "cortes" dos jogos em determinados momentos para apresentação de uma repetição de jogada, ou seja, pelo foco da filmagem na bola, não permitindo que outras ações da partida sejam identificadas, como por exemplo, as movimentações dos outros jogadores no campo de jogo.

No Núcleo de Pesquisa e Estudos em Futebol da Universidade Federal de Viçosa (NUPEF/UFV), estão sendo realizados estudos nos quais são avaliados os indicadores de performance da seleção espanhola na Copa do Mundo de Futebol FIFATM 2010, identificando os aspectos técnico-táticos que vieram a definir o sucesso da equipe na competição. Alguns destes estudos estão publicados e podem ser consultados no site www.nucleofutebol.ufv.br.

Referências

GARGANTA, J. Modelação táctica do jogo de futebol – estudo da organização da fase ofensiva em equipas de alto rendimento. 1997. 312 p. (Doutorado). Faculdade de Ciências do Desporto e de Educação Física da Universidade do Porto, Universidade do Porto, 1997. 312 p.

HUGHES, M. D.; BARTLETT, R. M. The use of performance indicators in performance analysis. Journal of Sports Sciences, v.20, p.739-754. 2002.

LAGO-BALLESTEROS, J.; LAGO-PEÑAS, C. Performance in team sports: Identifying the keys to success in soccer. Journal of Human Kinetics, v.25, p.85-91. 2010.

LAGO, C.; MARTÍN, R. Determinants of possession of the ball in soccer. Journal of Sports Sciences, v.25, n.9, p.969 – 974. 2007.

REINA GÓMEZ, A.; HERNÁNDEZ MENDO, A. REVISIÓN DE INDICADORES DE RENDIMIENTO EN FÚTBOL. Revista Iberoamericana de Ciencias de la Actividad Física y el Deporte, v.1, n.1, p.1-14. 2012.

Comentários

Deixe uma resposta