Universidade do Futebol

NF-FMH

21/03/2012

Brincar na infância e o futebol

1 – A importância do brincar

Brincar é um comportamento inútil e ancestral na vida do homem, e por isso, muito importante no desenvolvimento humano. Todos os animais que têm uma infância prolongada (como é o caso da vida humana) têm necessidade de investir muito tempo de jogo livre durante a infância, ou seja, como uma ferramenta de aprendizagem e adaptação em situações inesperadas e imprevisíveis de natureza motora, social e emocional. Por isso torna-se fundamental que as crianças possam vivenciar atividades motoras de exploração (espontâneas) que promovam o jogo simbólico (faz de conta), o jogo social (relação com amigos) e o jogo de atividade física (corrida, fuga, perseguição, luta etc.). O contato com a natureza e a capacidade de confronto com o risco é uma competência fundamental na estruturação de uma cultura lúdica infantil.

2 – Para que serve a brincadeira

A investigação científica tem vindo a demonstrar que o comportamento lúdico durante os primeiros anos de vida tem muitas vantagens no desenvolvimento humano: na estrututação do cérebro e respectivos mecanismos neurais; na evolução da linguagem e literacia, na capacidade de adaptação física e motora; na estruturação cognitiva e resolução de problemas; nos processos de sociabilização e finalmente na construção da imagem de si próprio, capacidade criativa e controle emocional.

Brincar é adaptar-se a situações imprivisíveis, através de ações diversas na utilização do corpo em espaços físicos e na relação com os outros. Brincar em casa, na escola, na rua, etc. é um investimento garantido de saúde física e mental na vida adulta.

3 – O que mudou na vida das crianças?

As condições de vida social das crianças mudaram de forma radical nas últimas décadas. A falta de espaços livres na cidade, o desaparecimento da rua como local de jogo, a super proteção dos pais, a diminuição da margem de risco e a falta de tempo livre nas agendas de vida cotidiana das crianças, o controle desesperado, por vezes patológico, das suas energias em atividades estruturadas (formatadas), têm vindo a criar um progressivo sedentarismo e um analfabetismo motor nas culturas de infância nas sociedades modernas. Uma criança que não brinque de forma regular e sem constrangimentos em espaços, amigos e materiais não é uma criança saudável.

As crianças continuam a brincar como sempre o fizeram ao longo da história da humanidade. Hoje brincam é de maneira diferente. As novas tecnologias e os cenários de espaços virtuais são muito sedutores para atividades centralizadas na paisagem do uso visual e manual. No entanto as necessidades de adaptação biológica e social continuam as mesmas na vida do homem.

As crianças e jovens dos nossos dias estão sujeitos a estilos de vida muito diferentes do passado, nomeadamente na capacidade de construção adequada de reportórios lúdicos e motores, devido a uma diminuição progressiva de indepedência de mobilidade corporal e um aumento progressivo de constrangimentos sociais.

4 – O significado da prática do futebol na infância

O comportamento lúdico tem uma dimensão ancestral independente da cultura ou da situação geográfica. O brincar vive-se, experimenta-se e dificilmente se explica. A magia do jogo percorre todas as idades com situações e significados diferentes. Os pais brincam com os filhos e as crianças brincam entre si através de processos de transmissão de geração em geração.

A vida do homem explica-se pela criança que foi e pela qualidade e oportunidades de jogo que viveu. A procura do desconhecido e da imprevisibilidade é um risco que vale a pena jogar seja no plano físico, simbólico ou social. A prática do futebol na infâcia é uma realidade social e cultural. As crianças gostam do jogar futebol (na escola, no clube, em casa, etc.) porque faz parte integrante do seu contexto cultural. Através de prática espontânea ou organizada, as crianças vão aprendendo a dominar habilidades motoras fundamentais com bola, a desenvolverem a sua capacidade perceptiva e tomada de decisões adequadas e a percepcionarem dinâmicas coletivas que são fundamentais para o aperfeiçoamento de um reportório motor adequado ao sucesso desta prática desportiva.

Este saber motor fundamental no futebol infantil requer cuidados especiais das instituições desportivas e dos treinadores que recebem as crianças. O comportamento dos pais é também muito importante nesta triangulação de sucesso (ver Fig.1).

Qual o modelo, a estratégia e os objetivos da formação desportiva de crianças e jovens no futebol? Qual a compatibilidade com as tarefas escolares? Que qualidade de intervenção pedagógica, técnica e científica tem de ser assegurada por quem organiza e atua no processo de ensino e aprendizagem do futebol nos clubes desportivos ou organizações similares?

5 – As fases de aprendizagem no futebol infantil

A formação das crinças e jovens no futebol deverá seguir um modelo desenvolvimentista, isto é, centrado nas características de cada criança. As primeiras etapas são caracterizadas por uma abordagem exploratória, de jogo livre ou semi-estruturado de modo a assegurar a assimilação inteligente de estruturas motoras simples (habilidades motoras básicas) e descoberta das dinâmicas percepticas e sociais mais simples (fase de estimulação motora). Depois deverão ser experienciadas sequências mais complexas de jogo através de habilidades motoras de transição, de modo a dotar as crianças de um afinamento do seu reportório motor no futebol e a formação de uma cultura mais consistente de compreensão do jogo (fase de aprendizagem motora).

A terceira fase centra-se na consolidação de esquematizações motoras já aprendidas, através da prática do jogo, acompanhando o desenvolvimento da criança em todas as suas dimensões (motora, cognitiva, social e emocional). Nesta fase é muito importante aperfeiçoar elementos fundamentais e estruturantes da formação motora (ajustamento postural, lateralidade, equilíbrio, coordenação motora, percepção espacial e temporal, esforço físico e relação sóciomotora). É uma fase crucial de sedimentar comportamentos motores consolidados (fase de prática motora).

Quando for possível, pode, então, iniciar-se um período de afinamento das habilidades motoras específicas (técnicas consistentes) e elementos táticos de jogo (capacidade decisional) tendo em vista o aparecimento de um rendimento adequado ao sucesso desportivo (fase de especialização motora). Cada treinador terá uma observação sistemática e periódica das suas crianças, optando pelo desenvolvimento das fases adequadas de especialização motora (ver Fig.2)

 

 

6 – O Comportamento Parental

Existem seguramente muitos agentes de sociabilização influentes no processo de formação desportiva de crianças e jovens. É um processo complexo. No entanto, o comportamento dos pais tem uma importância decisiva no acompanhamento da formação desportiva dos seus filhos. Existem por vezes comportamentos inapropriados dos pais que interferem na estabilidade formativa das crianças e muitas vezes no trabalho quotidiano dos técnicos de futebol. Esta situação merece um destaque especial no estudo de caracterização de diversas posturas e comportamentos parentais.

Do nosso ponto de vista deverá ser dada uma maior atenção na formação dos pais quanto aos objetivos da formação do futebol na infância. Como pode ser visto na Fig.3, existem diversos perfis de comportamento parental (de pais desinteressados a pais fanáticos), que implicam estratégias de abordagem sobre esclarecimentos fundamentais do trabalho desenvolvido na formação no futebol infantil/juvenil. Caberá às instituições responsáveis definir as melhores formas de esclarecimento e formação sobre o futebol infantil, assegurando os direitos fundamentais das crianças sobre a prática desportiva.

 

7 – Conclusão

O artº 31 da Declaração Internacional dos Direitos da Criança (ONU) identifica o direito da criança ao jogo, ao tempo livre e à prática do desporto. Este direito fundamental da criança, quando equacionado na aprendizagem e prática do futebol, implica algumas considerações adicionais.

Deste modo, crianças deveriam ter o direito a:

1 – Expressar a sua individualidade;
2 – Serem tratadas como crianças /jovens;
3 – Participar independentemente do seu nível de habilidade;
4 – Jogar ou competir com os seus opositores em função de valores éticos fundamentais (Fair-Play);
5 – Decidir no qual ou quais desportos deseja participar;
6 – Participar na organização de programas desportivos (ser actor);
7 – Parar a atividade quando entender;
8 – Saber que o fracasso no desporto não é o fracasso da vida;
9 – Ter um treinador que seja competente nos planos pedagógico, técnico e científico;
10 – Condições de treino e competição adaptados à sua condição;
11- Exame e tratamento médico competente;
12 – Facilidades de espaços e equipamentos;
13 – Correto acompanhamento parental.

No caso do futebol infantil, necessitamos melhorar a formação de especialistas, adotar melhores estratégias de ensino-aprendizagem, produzir mais investigação e material técnico e pedagógico, definir modelos mais robustos de gestão e organização, apoiar a formação dos dirigentes, pais e outros agentes ligados à modalidade e melhorar a coerência entre tempo livre, escolar e desportivo na vida diária das criançs e jovens.

*Professor Catedrático da Faculdade de Motricidade Humana – Universidade Técnica de Lisboa

Comentários

Deixe uma resposta