Universidade do Futebol

Entrevistas

06/12/2013

Bruno Baquete e Fernando Lázaro, do Corinthians

Em “Os números do jogo – por que tudo que você sabe sobre futebol está errado” (Editora Paralela, 352 páginas), Chris Anderson e David Sally estudaram, pesquisaram e mostraram uma série de informações que podem nortear o entendimento sobre o futebol. A obra, rica, não é simplesmente uma junção cansativa de estatísticas.

Fica claro no livro, a partir de uma série de exemplos, que os números podem reduzir drasticamente a margem de erro, mas as decisões vão seguir sendo tomadas por pessoas. E o comportamento humano, algo absolutamente relevante neste processo, é complexo.

No Corinthians, dados estatísticos e amparo tecnológico fazem parte da realidade do departamento de futebol profissional há mais de uma década. Mas foi efetivamente a partir de 2005 que essa esfera passou a ser olhada de um modo mais científico e menos empírico.

Àquela época, Fernando Lázaro iniciou um projeto na área de scout da equipe. Filho do lendário Zé Maria, o jovem profissional, formado em administração, tomou gosto pela função e se aprimorou. Hoje, ele é responsável por comandar o Cifut, Centro de Inteligência de Futebol do clube alvinegro.

Ao lado de Fernando, atuam mais cinco profissionais: Luís Felipe Batista, Ruy Henriques, Leonardo Baldo, Raony Thadeu e Bruno Baquete, colaborador da Universidade do Futebol e com passagem pelas categorias de base alvinegras.

Graduado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas, em 2010 e mestrando em Ciências do Desporto na mesma faculdade, Bruno foi analista de desempenho tático para técnicos e equipes de futebol e passou pelo departamento de formação de atletas do Paulínia e da Ponte Preta.

Ele se dedica ao estudo e à aplicação de uma metodologia pautada nas novas tendências do treinamento esportivo no futebol.

“Estamos um pouco distantes do cenário europeu. Lá há muita gente trabalhando, com as específicas funções definidas. Estamos ganhando corpo aqui no Brasil, uma realidade nova. Já estamos tentando buscar a excelência no departamento, que é fundamental para uma equipe. Precisamos minimizar os erros no momento avaliar e de contratar”, relata.

Gerente de futebol do Corinthians, Edu Gaspar, que foi jogador do Arsenal, da Inglaterra, é um dos que valorizam bastante o departamento comandado por Fernando. Nos Gunners, porém, a dimensão é muito maior. Mas um patamar que sempre foi sonhado e estimulado também por Tite, que deixará a comissão técnica a partir de 2014.

“Ele é um cara que, na área de análise, me fez crescer bastante. Era um contato intenso, alguém que utilizava todos os aspectos do departamento. Ele buscava imagens e vivia intensamente o futebol. Nos cobrava uma evolução diária. Trata-se de um cara detalhista, perfeccionista, que contribuiu muito para a evolução do nosso nível de trabalho”, revela Fernando.

Nesta entrevista em vídeo, a dupla corintiana fala mais sobre o núcleo de inteligência montado no Centro de Treinamento Doutor Joaquim Grava, como se dá a integração com a base e apresenta quais são os sistemas utilizados para selecionar, captar e prospectar novos talentos.

O analista de desempenho e sua relação com os jogadores

 

A análise de desempenho no Brasil, formação do profissional e a academia

 

Análise de desempenho: desenvolvimento e a integração base-profissional

 

Análise de Desempenho no Corinthians e o trabalho a longo prazo

 

Análise de desempenho: informações levantadas, Edu Gaspar e Sylvinho

 

O técnico Tite

Leia mais:
O futebol, os paradigmas, os métodos, os modelos, a lógica e o livro "Os números do jogo"
Tite, treinador do Corinthians
Paulo André, jogador do Corinthians (parte I)
Paulo André, jogador do Corinthians (parte II)
Carlos Rogério Thiengo, analista de desempenho da base do Sao Paulo
João Aroso, treinador adjunto da seleção portuguesa de futebol
Nelson Caldeira, treinador adjunto do SC Braga
Vinícius Eutrópio, treinador de futebol
Especial: treinadores estrangeiros – semelhanças e peculiaridades no comando de uma equipe
Rafael Vieira, analista de desempenho da seleção brasileira principal
Marcelo Xavier, gestor do Projeto Sector
Denis Iwamura, analista de desempenho do Santos
Eduardo Fantato, da ScoutOnline
Thiago De Rose, gerente de TI do Corinthians
Manuel Sérgio, filósofo
Entrevista: Rafael Benítez – segunda parte
Scout como um instrumento avaliativo do treinamento esportivo nas categorias de base do futebol
Estudo quantitativo da ação física velocidade em atletas juniores de futebol
Análise estatística do desempenho técnico em partidas do Campeonato Paranaense de 2009
Velhas bobagens táticas
Treino é jogo, jogo é treino
FootballSystem: juntando conhecimento e tecnologia
Rafael Pulcinelli, gerente corporativo de marketing da AmBev

Comentários

Deixe uma resposta