Carlos Rogério Thiengo, analista de desempenho da base do Sao Paulo

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Com o desenvolvimento tecnológico e a formação de futebolistas, não há como atuar no alto rendimento desamparado das ferramentas de análise de jogo. É dessa forma que pensa Carlos Rogério Thiengo, analista de desempenho das categorias de base do São Paulo. E ele tem capacidade de traçar esse cenário com propriedade.

No grupo de trabalho do qual faz parte, Thiengo atua com muitos jogadores, e a tecnologia é uma aliada no processamento e na agilidade para oferecer informações à comissão técnica. O alvo é básico é a preparação desses futebolistas.

“Priorizamos o pré-jogo e também o controle da carga de treinamentos. Hoje, minha atividade no setor é na elaboração de relatórios, auxílio da coordenação técnica, etc.”, resumiu Thiengo, nesta entrevista gravada em vídeo no próprio Centro de Formação de Atletas Presidente Laudo Natel, em Cotia.

Mestre em Ciências da Motricidade pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Rio Claro – 2011), graduado em Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Bauru – 2006, Thiengo também possui experiência no ensino dos esportes coletivos (futebol e futsal).

No São Paulo, ele encontrou uma série de características que possibilitariam um estudo de sua pós-graduação: o histórico de formação de futebolistas do clube paulista, uma proximidade logística ao seu ambiente acadêmico e a propriedade de um centro referencial específico de jovens.

À Universidade do Futebol, o jovem profissional falou ainda sobre a influência do analista de desempenho na execução de atividades de treino e aprendizagem com a finalidade de incrementar a habilidade e a qualidade de um atleta que está se desenvolvendo e como é o intercâmbio de informações com os treinadores, preparadores físicos e o coordenador técnico.

TRAJETÓRIA ATÉ O SÃO PAULO FUTEBOL CLUBE

“Sou graduado em Educação Física pela Unesp, de Bauro, e em 2007 trabalhei no Caribe, onde fiquei quatro meses. Tive um vínculo com o futsal, mas meus estudos sempre estiveram ligados ao futebol”
(Carlos Rogério Thiengo)

 

POR QUE ESCOLHEU O SÃO PAULO COMO OBJETO DE PESQUISA?

“O São Paulo é um clube que tem um histórico de futebolistas de alto rendimento formados pela instituição nos últimos anos”
(Carlos Rogério Thiengo)

FUNÇÃO E COTIDIANO

“A transformação do setor se deu após meu ingresso no clube. Antes era algo muito relacionado apenas com as capacidades motoras do futebilistas, e desde o fim de 2011 para cá, decidimos ampliar as funções que estavam designadas”
(Carlos Rogério Thiengo)


PAPEL DO ANALISTA NA EXECUÇÃO DE ATIVIDADES DE TREINAMENTO

“Atividade do analista é extrair conseguir extrair a informação que realmente é significativa à comissão técnica”
(Carlos Rogério Thiengo)

INTEGRAÇÃO COM PROFISSIONAIS DA COMISSÃO TÉCNICA

“São Paulo tem um ambiente muito fértil nas categorias de base, algo propício ao trabalho multidisciplinar e interdisciplinar. Temos a possibilidade de sempre discutir os problemas que aparecem”
(Carlos Rogério Thiengo)


AÇÕES NO PRÉ-JOGO, NO JOGO E NO PÓS-JOGO

“Meu trabalho está na elaboração dos conteúdos que serão ministrados. Priorizamos o pré-jogo, além do controle das cargas de treinamento”
(Carlos Rogério Thiengo)


 

USO DA TECNOLOGIA ESPORTIVA: BRASIL X EUROPA

“O Brasil ainda engatinha em alguns processos da análise do jogo: muito do que é feito aqui está atrelado ainda ao modelo tradicional do scout e da quantificação, e não aos aspectos qualitativos”
(Carlos Rogério Thiengo)

PROPOSTA E DIRETRIZES DO MESTRADO

“Proposta foi fazer uma aproximação do autor que estuda os sabedores dos professores, o Tardiff, e a partir disso contextualizamos com o futebol”
(Carlos Rogério Thiengo)

Leia mais:
João Aroso, treinador adjunto da seleção portuguesa de futebol
Nelson Caldeira, treinador adjunto do SC Braga
Vinícius Eutrópio, treinador de futebol
Especial: treinadores estrangeiros – semelhanças e peculiaridades no comando de uma equipe
Rafael Vieira, analista de desempenho da seleção brasileira principal
Marcelo Xavier, gestor do Projeto Sector
Denis Iwamura, analista de desempenho do Santos
Eduardo Fantato, da ScoutOnline
Thiago De Rose, gerente de TI do Corinthians
Manuel Sérgio, filósofo
Entrevista: Rafael Benítez – segunda parte
Scout como um instrumento avaliativo do treinamento esportivo nas categorias de base do futebol
Estudo quantitativo da ação física velocidade em atletas juniores de futebol
Análise estatística do desempenho técnico em partidas do Campeonato Paranaense de 2009
Velhas bobagens táticas
Treino é jogo, jogo é treino
FootballSystem: juntando conhecimento e tecnologia
A ‘intensidade da qualidade’ e a preparação técnico-tática-física-psicológica do futebolista
Musculação, personal-training e periodização: o que Rui Faria diz sobre isso!
Alessandro Schoenmaker, preparador físico do FC Twente (Parte 1)
Alessandro Schoenmaker, preparador físico do FC Twente (Parte 2)
Michel Huff, preparador físico do FC Metalist
Paulo Cesar do Nascimento, treinador dos times sub-11 e sub-13 do Avaí
Sérgio Odilon, treinador da equipe sub-15 do Corinthians 
Marquinhos Santos, treinador da seleção brasileira sub-15
Augusto Moura de Oliveira, treinador da seleção feminina do Haiti  

Ricardo Perlingeiro, treinador das categorias de base da AS Roma

Diogo Giacomini, treinador do sub-17 do Atlético-MG

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso