Universidade do Futebol

Artigos

17/09/2013

Carreiras dos atletas no Brasil

Nota: o Brasil ocupa uma grande área ao longo da costa leste da América do Sul, cobrindo 8.514.876,599 km2 e compreende a quinta maior população do mundo – cerca de 200 milhões de pessoas. É o único país de língua portuguesa nas Américas. Desde a chegada dos portugueses em 1500, casamentos consideráveis entre os povos Indígenas, portugueses e africanos têm ocorrido em todas as regiões do país. A cultura brasileira também é influenciada pela Europa (por exemplo, Itália, Alemanha) bem como os imigrantes japoneses e árabes que moram no sul e sudeste do Brasil. Reformas econômicas de grande sucesso concederam estabilidade para a economia brasileira dando a tão sonhada estabilidade política do país e reconhecimento internacional.

Esporte: O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) foi fundado em 1914. Noventa anos depois, em 2003, o Ministério do Esporte (ME) foi criado para levar adiante a política nacional para o esporte. A Lei Agnelo / Piva tem assegurado o financiamento para os esportes olímpicos brasileiros desde 2001 através da atribuição de 2 por cento do rendimento bruto dos resultados de todas as loterias federais ao COB (85 por cento) e ao Comitê Paraolímpico (15 por cento). Atualmente, existem 30 confederações que correspondem aos esportes olímpicos e 23, que correspondem aos esportes não-olímpicos. Milhões de atletas praticam os seis seguintes esportes: futebol, voleibol, tênis de mesa, natação, atletismo e judô. O Brasil tem a seleção mais bem sucedida na história da Copa do Mundo da Fifa, com cinco vitórias no campeonato.

Pesquisa de carreira e assistência: assistência de carreira de atletas depende totalmente de financiamento público a nível federal, estadual ou municipal. A maioria dos programas se concentram na detecção de talentos, com apenas alguns que abordam o desenvolvimento pessoal, social e profissional dos atletas. A pesquisa de carreira emergente no Brasil sublinha a necessidade de criar programas de assistência, que preparem os atletas para as transições de carreira e se concentrem no seu desenvolvimento pessoal e profissional.

O contexto sociocultural do esporte no Brasil

Contextos culturais tem mostrado se cruzarem de forma dinâmica e mutuamente com as crenças, valores e expectativas dos atletas sobre esportes. Dado que essas características influenciam a carreira dos atletas, o presente capítulo tem como objetivo (a) descrever o contexto social do esporte no Brasil, (b) investigar a literatura científica brasileira sobre a carreira esportiva e transições de carreira a partir de uma perspectiva sociocultural, (c) identificar os programas de assistência de carreira para o desenvolvimento da carreira e as transições que estão disponíveis para os atletas, e (d) identificar os desafios futuros e suas implicações.

De acordo com Guazzenni (2000), o futebol é um componente primário de identidade nacional. No Brasil, a terra da ginga (uma mistura de alegria, dança, improvisação e criatividade como uma forma de atrair o adversário e fazer um jogo bonito), o futebol é estudado, discutido e experimentado, bem como simplesmente jogado – na verdade, argumenta-se que o futebol tem permitido que a sociedade brasileira apareça, se expresse e se revele (DaMatta, 1982). Esse contexto cultural não só está relacionado ao esporte, mas também convida para uma observação das dinâmicas sociais mais amplas em várias dimensões para compreender os processos de atletas brasileiros dentro de transições de carreira e aposentadoria.

Como um fenômeno de massa, o futebol criou raízes profundas com a fundação dos primeiros clubes de futebol no início da década de 1900 e promulgou tão rapidamente em todo o Brasil que Mira Y Lopes e Ribeiro da Silva (1969) declararam ser um patrimônio nacional, assim como o café , carros, gado e laranjas. Especificamente, o futebol era um produto para consumo interno, com a capacidade de atrair dinheiro estrangeiro.

Os autores também argumentam que os jogadores de futebol brasileiros foram o resultado de uma mistura de sangue latino e africano, samba e carnaval. Pouco tempo depois, os jogadores de futebol eram considerados artistas extremamente criativos. Uma piada comum sobre futebol é que o Ingleses inventaram, mas os brasileiros aperfeiçoaram.

Dentro desse sistema de valores, uma ênfase no talento, particularmente as características inatas, raras, únicas e exclusivas especificamente para cada jogador, tem sido parte integrante para o desenvolvimento do jogo de futebol. No entanto, essa ênfase no talento inato está relacionada ao fato de que os jogadores muitas vezes não conseguem antecipar a aposentadoria e, portanto, não se preparam para isso.

Em suas biografias de ídolos do futebol reverenciados, o imaginário nacional brasileiro destaca genialidade e improvisação como as duas características proeminentes e as chaves para o sucesso. A este respeito, os jogadores não precisam praticar muito, nem trabalhar duro, pois talento e criatividade são considerados bons o suficiente. De acordo com Helal (1997), chamar um jogador de futebol de um trabalhador é o mesmo que dizer que o jogador não tem talento, pois o talento puro, genuíno, inato, irreverente e brincalhão, não requer nem esforço, nem melhoria.

Os jogadores não precisam de muito treinamento ou fazer muito esforço, porque talento e genialidade são suficientes, assim, o caráter mítico do jogador de futebol tornou-se um dos trabalhos mais desejados de esportes profissionais no Brasil.

Da mesma forma, os fatores que influenciaram a progressão da carreira esportiva – incluindo a preparação de várias transições (por exemplo, se mudar para outro país), o desenvolvimento de outras habilidades profissionais, a transição para a vida após o esporte e entender o curto espaço dessas carreiras – são subestimados , embora não totalmente negligenciados. Os jogadores de futebol escolhem suas carreiras, mas eles não escolhem as circunstâncias ou o seu nível de sucesso.

Pelo fato das transições de carreira requererem atletas a lidar com as demandas e desafios ao longo de suas carreiras e também porque lidar com a eficácia depende do equilíbrio entre os recursos e obstáculos (Stambulova, Stephan & Ja¨phag, 2007), os jogadores de futebol brasileiros frequentemente carecem de preparação dentro de transições de carreira, por exemplo, de júnior para sênior, do amador ao profissional, e aposentadoria.

A falta de preparação no início da carreira, ao contrário das fases posteriores é ilustrada na afirmação de um ex-jogador que jogou na equipe campeã do mundo três vezes: "Nós não estávamos preparados para nada" (www.maismemoria.net). Esta breve declaração revela a falta de preocupação com as carreiras de jogadores em nível pessoal, profissional e social. Ele também sugere que o objetivo de muitos projetos esportivos realizados no Brasil é apenas para descobrir talentos para as equipes até que estes jogadores sejam vendidos no exterior (ou seja, para encontrar jovens jogadores qualificados e convertê-los em uma fonte de renda).

Dados publicados pela Confederação Brasileira de Futebol, mostram que o futebol profissional enviou 1.029 jogadores para equipes estrangeiras apenas em 2010; destes jogadores, 683 retornaram ao Brasil antes de completar sua primeira temporada no clube estrangeiro (www.cbf.com.br). As seguintes afirmações ilustram a falta de preparação que os jogadores profissionais tem sobre culturas estrangeiras: "Existem diferenças relativas à formação, clima, alimentação, formações táticas, a cultura de jogar, grama, bola, tudo, a adaptação é difícil.’ "Cheguei em Nova York, vestindo um terno tropical e uma gravata de seda e estava -14° C."

"Três meses depois de chegar na Europa, meu dinheiro acabou e minha solidão tornou-se muito grave. Eu não tinha amigos para conversar. Ao mesmo tempo, os meus colegas riam de mim porque eu não tinha o domínio da sua língua."

"Eu tive uma difícil adaptação, principalmente por causa do tempo frio e da língua, eu não conseguia marcar nenhum gol durante meses e estava deprimido."

"Eu não podia suportar a solidão ou me adaptar ao estilo de vida do país. Voltei um mês depois de sair: eu sentia falta do arroz e feijão" (Alcântara, 2006; Agresta, 2006; http://noticias.bol.uol.com.br/esporte/2011).

Criados para ‘brilhar’, a identidade profissional que os jogadores brasileiros desenvolvem os leva a definir o seu próprio valor em termos de participação no futebol e realizações, excluindo assim qualquer ideia de realizar outros papéis na vida. Para os jogadores de futebol profissionais que alcançaram fama e sucesso em nível nacional e internacional, a remoção dos holofotes, fãs e reconhecimento público é difícil, não só do ponto de vista financeiro, mas também a partir de perspectivas sociais e psicológicas.

Assim, a transição para a aposentadoria é problemática e complexa, como as seguintes declarações de ex-jogadores ilustram: ‘Perdi minha identidade como pessoa’; ‘A vida se torna muito triste depois de parar de jogar. Eu sinto falta de ser reconhecido, assinar autógrafos, viajar por todo o mundo com a equipe. Eu sinto ate falta da concentração antes dos jogos ‘;’ Ninguém considera ou está preocupado com este problema enquanto ainda esta na ativa, porque todo mundo pensa na velhice como algo muito distante, no entanto, eu enfrentei a aposentadoria, de repente, aos 36 anos de idade, que era algo que eu não queria’;’ Eu tive três jogos de despedida, cada um mais triste do que o outro ‘;’ Quando eu parei de jogar, meu corpo ficou tão frio que parecia que eu estava morto "(Agresta, 2006; Agresta, Brandão & Barros Neto , 2008a, 2008b).

Dado o seu lugar na sociedade brasileira, o futebol proporciona meios eficazes de experimentar a cultura brasileira. Esta cultura deu origem ao contexto rico e estimulante que fundamenta o genuíno estilo brasileiro de jogar futebol, uma verdadeira marca nacional que é reconhecida em todo o mundo. No entanto, embora as transições de carreira e aposentadoria atlética tenham sido tópicos de discussão por um longo tempo, eles não estão sendo considerados tanto por jogadores de futebol brasileiros ou pelos seus gestores. Esta situação leva à necessidade de consideração da questão que pressiona: ‘O futebol e um emprego sem futuro ou o futuro sem trabalho?

Estudos brasileiros sobre carreiras desportivas e transições de carreira

A pesquisa da literatura brasileira foi realizada utilizando as bases de dados SciELO, PsycINFO ® e CAPES1 e incluiu artigos publicados, bem como teses de doutorado e mestrado sobre esportes de desenvolvimento de carreira, transições de carreira e, em particular, a aposentadoria. Esta pesquisa foi restrita a estudos empíricos porque estávamos interessados em determinar o que os pesquisadores brasileiros mediram em relação a este assunto.

Os critérios de pesquisa incluíram: (a) a data de publicação 1991-2011, (b) os estudos com uma descrição detalhada dos métodos utilizados, (c) as variáveis correspondentes ao desenvolvimento de carreira no esporte e transições, bem como variáveis associadas, incluindo o significado dos esportes e suas aspirações, as influências primárias, oportunidades, e as decisões tomadas durante o curso de uma carreira esportiva, e (d) a análise qualitativa ou quantitativa de dados. Quatorze artigos científicos publicados e seis teses satisfizeram esses critérios de inclusão.

A primeira publicação sobre carreiras desportivas é a análise de Vieira, Vieira e Krebs (1999) sobre o tema do talento olímpico. Este estudo foi seguido por uma revisão de literatura por Brandão et al. (2000), e, em seguida, um outro estudo realizado por Vieira, Vieira e Krebs (2003) do desenvolvimento de talentos esportivos no Paraná (um estado da região sul do Brasil).

A aplicação de Bronfenbrenner (1995), do modelo ecológico permitiu Vieira, Vieira e Krebs (1999, 2003), abordarem o processo de desenvolvimento atlético como uma interação entre o ambiente e o indivíduo dentro de um contexto histórico específico. Este tipo de investigação centrou-se no talento atlético através de uma abordagem qualitativa, que englobava não apenas os indivíduos e seu ambiente imediato (ou seja, o microssistema), mas também as transições e transações dentro de um ambiente maior (ou seja, o macrossistema) que afetam o desenvolvimento dos atletas .

As características de ambos os atletas (ou seja, elementos que permitam um desempenho superior) e do contexto (isto é, programas estaduais e municipais / diretores / treinadores / parentes) e transições de carreira desportiva dos atletas significativamente afetados. Além disso, os atletas que permaneceram com sucesso nos esportes foram aqueles que receberam apoio financeiro do governo local. Moraes, Rabelo e Salmela (2004) discutiram o papel dos pais no desenvolvimento de jovens jogadores de futebol. Além disso, Cafruni, Marques e Gaya (2006) analisaram as carreiras de atletas do sul e sudeste do Brasil, e Peres e Lovisolo (2006) estudaram treinamento desportivo a partir da perspectiva dos atletas. Os estudos mencionados aplicaram abordagens qualitativas e analisaram os documentos para investigar o desenvolvimento de carreiras desportivas.

Agresta, Brandão e Barros Neto (2007, 2008a, 2008b) estudaram a aposentadoria atlética, incluindo o ciclo das relações entre ex-jogadores de basquete e futebol, as consequências físicas e emocionais da aposentadoria, e seus impactos econômicos e profissionais. Da mesma forma, Marques e Samulski (2009) analisaram a transição dos jogadores de futebol do amador ao profissional no que diz respeito à sua educação, infância, o contexto social e familiar, e planejamento de carreira. Samulski et al. (2009) investigou as transições de carreira dos ex-atletas de elite, Costa et al. (2010) descreveu os passos das transições de carreira de jogadores de futebol de elite e Rocha e Santos (2010) analisou o abandono durante a transição de júnior para o esporte de alto nível. Todos estes estudos mostraram que as associações desportivas concederam assistência financeira a alguns ex-atletas e que a aposentadoria é recebida com tristeza e resignação. A idade é o principal obstáculo para continuar a ser um atleta profissional.

Recentemente, Marques e Samulski (2009) analisaram as carreiras de jovens atletas brasileiros que pertenciam a equipes de elite durante a sua transição do amador ao profissional e concluíram que a maioria dos atletas teve dificuldade em conciliar a escola e horários de treinamento. A maioria dos jogadores começou a jogar futebol nas ruas, e suas famílias vieram de baixo nível sócio-econômico. Esses fatores alteraram substancialmente as relações sociais e planejamento de carreira de atletas, o último deles hoje em dia e mais frequentemente realizado por um agente de esportes (41,8 por cento).

Este estudo enfatizou a necessidade de clubes e federações desportivas estabelecerem programas de planejamento de carreira para os jovens atletas, que incluem a participação de suas famílias, agentes, gestores e técnicos. Brandao et al. (2000) também enfatizou essa conclusão. Samulski et al. (2009) analisaram ainda as transições dentro da carreira de seis atletas em diferentes esportes e descobriram que estes atletas tiveram dificuldades de conciliar os horários escolares e competição.

Costa et al. (2010) investigaram as principais características apresentadas no processo de transição de carreira esportiva em ex-jogadores de futebol. Os resultados indicaram que o apoio da família e as preocupações com o planejamento de carreira foram aspectos importantes durante o desenvolvimento atlético. Novamente, os dois estudos anteriores sublinharam a falta de apoio dos gestores do esporte sobre transições de carreira dos atletas e aposentadoria.

As primeiras duas teses de doutorado na carreira esportiva são aquelas por LF Vieira e JL L Vieira, que estudaram o desenvolvimento de jovens atletas talentosos (LF Vieira, 1999) e seu abandono (JLL Vieira, 1999), no Paraná. (2002), tese de mestrado de Rabelo analisou o papel dos pais no desenvolvimento de jovens jogadores de futebol. A tese de Vianna Junior (2002) investigou a influência dos pais no desenvolvimento de jovens atletas. Agresta (2006) analisou as causas e consequências da aposentadoria do esporte no basquete brasileiro e jogadores de futebol. Finalmente, Vissoci (2009) estudou a influência do contexto esportivo sobre a identidade dos jogadores de futebol.

Embora o número de estudos científicos e publicações nos últimos 12 anos seja bastante modesto, eles avaliaram atletas brasileiros de elite atuais e ex-atletas, assim, eles representam a cultura do esporte brasileiro. No entanto, destacamos que há um interesse escasso neste tópico entre os pesquisadores brasileiros associados a programas de pós-graduação de educação física, psicologia e psicologia do esporte. Quando esses programas foram contatados em 2011, apenas quatro dos 15 de doutorado e candidatos para o mestrado poderiam ser identificados como investigadores nesta área.

Programas de assistência de carreira no Brasil

No Brasil, a assistência de carreira para atletas depende totalmente do sistema público, nas esferas federal, estadual ou municipal e a maioria dos programas se concentra na detecção de talentos. Em 2008, o governo federal estabeleceu um plano de aposentadoria especial para os ex-jogadores de futebol que haviam conquistado a Copa do Mundo e estavam enfrentando problemas financeiros. No entanto, este programa excluía os atletas de outros esportes, e estava exclusivamente focado na situação financeira dos ex-atletas.

Em 2010, o Ministério do Esporte lançou dois programas: "Descoberta de talentos do esporte" e "Bolsa Atleta". O primeiro programa visa detectar jovens matriculados na escola que apresentam níveis de desempenho motor compatíveis com esporte competitivo e de alta performance. Uma vez localizado, os nomes desses jovens são inseridos em um banco de dados nacional, que está disponível para clubes, associações esportivas, federações e confederações nacionais. O último projeto fornece suporte e melhora as condições de vida para os atletas de alto rendimento que estão totalmente envolvidos em esporte, mas sem patrocinadores. No último programa, o governo paga uma bolsa mensal com base nos resultados que o atleta atingir (http://www.esporte.gov.br).

De todos os estados brasileiros, São Paulo investe mais pesadamente em projetos esportivos. Um desses investimentos é o ‘São Paulo Parasport’, no qual o secretario de Esportes e Lazer presta apoio financeiro mensal para os atletas com deficiência e desempregados. Além disso, o programa ‘Bolsa Atleta talento do Estado de São Paulo’ foi lançado em 2009 para melhorar as condições de treinamento e ajudar financeiramente 400 atletas e alunos matriculados em escolas públicas que obtiveram excelentes resultados em competições estaduais ou nacionais de alto desempenho (Governo do Estado de São Paulo, 2009, 9 de junho).

Dois programas financiados publicamente procuram apoiar ex-atletas com as suas dificuldades em entrar no mercado de trabalho após a aposentadoria. Um desses programas é o Programa de Carreira de Atletas (PCA), que se originou no primeiro Fórum Internacional dos Atletas, realizado em 2002. Desde aquela época, 23 Comitês Olímpicos Nacionais estão oficialmente envolvidos no PCA e aderiram a Adecco e ao COI.

O programa "Cidadania e Segurança Social" foi lançado em 2010, depois de uma iniciativa da Federação das Associações de Atletas Profissionais (FAAP), para ajudar os atletas na sua transição para a aposentadoria. Este programa visa beneficiar ex-atletas profissionais com idade superior a 55 anos que estão desempregados e não têm contribuído para a previdência social por mais de15 anos e oferece aos seus beneficiários direitos de previdência social totais concedidos pela lei, incluindo pensão-idade, tempo de contribuição e ajuda em caso de doença, acidente ou reclusão e morte. De acordo com o presidente da FAAP, este programa é importante porque "Muitos de nossos ex-jogadores são carentes e impedidos de ter uma vida digna" (FAAP, 2010, 26 de maio).

A Associação Brasileira de Psicologia do Esporte de São Paulo realizou um seminário internacional sobre transições de carreira do esporte em 2009 (ABRAPESP, 2009) para oferecer uma oportunidade para os atletas, ex-atletas, treinadores, dirigentes desportivos, psicólogos, médicos, educadores físicos e outros profissionais ligados ao esporte no Brasil para discutir e analisar as transições de carreira e formular políticas públicas. No final deste evento acadêmico, a "Carta de São Paulo de transição de carreira no esporte" foi criada para orientar as ações concretas e políticas públicas para formar e soluções para os problemas relacionados com a aposentadoria no esporte, no entanto, essas opções ainda não foram promulgadas .

Futuros desafios e implicações

O presente capítulo descreve as características da cultura do esporte no Brasil no que se refere às transições de carreira dos atletas e, principalmente, a aposentadoria. É evidente que os governos estadual e federal, bem como os clubes desportivos e associações, significativamente influenciam o planejamento de carreira dos atletas.

Portanto, há uma necessidade de cientistas e instituições esportivas criarem programas especificamente dedicados a aconselhar os atletas e prepará-los para as transições de carreira, investindo em serviços pessoais, sociais e profissionais de assistência de carreira. Além disso, as estratégias políticas conjuntas devem ser sistematicamente formuladas em relação ao microssistema brasileiro (atleta) e macrossistema (valores e crenças) e no âmbito da vida de desenvolvimento de atletas.

A análise dos estudos revisados sugere que, embora se espera transições de carreira, eles não estão livres de dor e preocupação, especialmente porque os atletas, em muitos casos, não estão preparados para estas situações. Para se ter mais sucesso nas transições, os valores que facilitam ou dificultam o sucesso das transições de esportes e os contextos em que os atletas estão direta ou indiretamente envolvidos devem ser examinados e, assim, melhor compreendido.

É evidente que a compreensão das transições de carreira em esportes requer, uma perspectiva histórica e dinâmica, concreta e não uma abordagem abstrata ou descontextualizada. Assim, os seguintes fatores são importantes para o futuro dos atletas: investimentos em pesquisa sobre o assunto; mais pesquisas sobre transições dos atletas brasileiros, especialmente em equipes estrangeiras, a fundação de um comitê especial vinculado ao Ministério da Saúde e do Comitê Olímpico Brasileiro, que inclui pesquisadores, gestores desportivos, treinadores e atletas, com o objetivo de discutir estratégias que possam facilitar as transições de carreira, melhorias no sistema de apoio público e privado, e um aumento da participação do governo para garantir a criação de programas para ajudar a aposentadoria atlética e facilitar a entrada de ex-atletas no mercado de trabalho.

Comentários

Deixe uma resposta