Universidade do Futebol

Artigos

15/01/2013

Categorias de base: logaritmo de sucesso

O estudo realizado demonstra que a dificuldade dos clubes de São Paulo em revelar jogadores está diretamente relacionada à falta de um modelo estratégico e profissionais capacitados para exercerem funções nas categorias de base. O problema pode ser comprovado à análise do trabalho dos clubes de futebol como Corinthians, Palmeiras e Portuguesa. Esses clubes renomearam profissionais para cargos que antes nunca haviam ocupado e, por esse motivo, são encontradas falhas no futebol amador.

O primeiro passo para obter bons resultados nas categorias de base, é nomear profissionais especializados para os cargos, seja de coordenador, coordenador técnico ou diretor técnico. É essencial que o clube contrate uma pessoa gabaritada, com noções sobre gestão de futebol e, sobretudo, saiba lidar com jovens atletas, como assim fez o Desportivo Brasil, Red Bull Brasil e São Paulo. Administrar as categorias de base exige que o profissional tenha vivência e especializações em processo gerencial.

Dado o primeiro passo, os demais se tornam mais fáceis. O bom profissional deve iniciar o planejamento estratégico, ou seja, as diretrizes de seus trabalhos nas categorias de base. É fundamental que ele tenha um prazo de aproximadamente quatro anos, para que os resultados possam ser observados e que não mudem durante o seu percurso. O recomendável é que haja uma atualização do projeto a cada seis meses ao menos, por causa da rotatividade do futebol, e sejam apenas adequações e nunca uma mudança drástica.

Outro item essencial para o sucesso no futebol amador é a comunicação. É indispensável a conversa entre os profissionais das categorias de base e os profissionais da equipe principal. Uma vez a cada mês, pelo menos, deve haver reuniões para que a base possa explanar seus problemas e ouvir do time profissional quais são suas necessidades para poder supri-las. Essa comunicação facilita o conhecimento entre os dois setores e abre um leque de possibilidades ainda maior para que o técnico profissional observe os atletas da base em jogos-treinos, amistosos e outros trabalhos de avaliação.

A comunicação não se priva apenas no relacionamento com a equipe profissional. Ela deve ser cultivada de maneira exemplar também entre todas as categorias da base. O São Paulo faz um trabalho bem estruturado quanto a isso (leia mais no capítulo "Estrutura e Métodos de trabalho dos clubes de São Paulo"). Uma vez por semana, profissionais se reúnem e trocam experiências sobre a metodologia. Isso é importante para que todos os setores estejam bem ramificados e não haja erros de comunicação. A comunicação, relacionamento e interação é a base para o sucesso.

O bom relacionamento também deve ser levado para fora do clube. Isto é, deve-se prezar por uma comunicação cordial e ética com outros clubes – isso pode facilitar futuras negociações. Este ponto, inclusive, foi discutido em um seminário na Confederação Brasileira de Futebol (CBF) inédito, idealizado por Ney Franco e René Simões em abril de 2012. No encontro, foi acordado um plano ético, em que os times não mais negociarão com atletas sem antes consultar o clube, além de calendário de competições específicas para categorias. Isso deve expandir também a relação com a imprensa, já que ela é responsável pela dissipar a marca do clube.

Voltando ao plano estratégico, o clube deve definir seu modelo de jogo. Essa filosofia ainda é difícil de ser entendida por clubes brasileiros e entre os aqui pesquisados apenas o São Paulo e Red Bull Brasil o possuem. O modelo de jogo vai definir quais são as características do time dentro de campo e quais atletas são qualificados para fazer parte do elenco. O exemplo mais claro é o trabalho que tem sendo feito no Barcelona, da Espanha. Se observado todas as categorias do clube catalão, todos os times jogam em único modelo e não há diferenças para o profissional, mesmo tendo no principal, talentos como Lionel Messi. O resultado? Uma equipe que era tida até 2011 como imbatível e atletas de carreira duradora no clube, como é o caso de Xavi Hernández, que é formado e está há mais de 20 anos no Barcelona.

O modelo de jogo vai minimizar a necessidade de o clube em gastar cifras astronômicas para contratar jogador do exterior e correr o risco dele não dar certo no futebol brasileiro. Com a base fortalecida, raramente o clube vai precisar ir ao mercado contratar e, quando for, já terá as características ideais do jogador que ele precisa negociar para enquadrá-lo à necessidade do treinador. Uma prática muito comum no futebol brasileiro é o treinador depender de apenas um jogador e montar um esquema tático todo em cima dele. Quando isso acontece, a probabilidade de a equipe fracassar aumenta. Vide o exemplo do Palmeiras com o chileno Jorge Valdivia. O clube repatriou o meia em 2010, depois de boa passagem em 2007 e 2008, por aproximadamente R$ 13,7 milhões e dois anos depois ele sofreu uma série de lesões (ao total são dez). Consequência, o time sofreu com a falta de um camisa 10, já que não havia nenhum atleta substituto com as mesmas características.

Outro ponto também que deve ser planejado, é a avaliação de cada garoto de maneira individual. É impossível avaliar os garotos como um todo, sendo nenhum ser humano é igual ao outro e têm as suas particularidades. Isso atribuído, cabe ao clube decidir se traçará um plano de carreira ou não. Em alguns casos, o próprio agenciador do atleta é quem faz, mas se o clube optar por fazê-lo deve analisar o momento do jogador e, conforme o desempenho durante o ano ir acrescentando ou diminuindo metas para a carreira deste futuro atleta. Um case de sucesso é o que Santos conseguiu com Neymar. O Santos obteve patrocinadores para bancar o salário do atacante, estender o vínculo, atribuir uma multa milionária no contrato e, o mais importante, segurá-lo no Brasil mesmo com sondagens de clubes poderosos do exterior.

A participação em competições também deve ser pensada. Não é recomendado, aceitar o convite de uma federação um mês antes de o torneio começar. O clube já precisa estar organizado e ter o calendário como uma das suas diretrizes no planejamento estratégico. Deve-se pensar na visibilidade da competição, duração, custos e se irá desgastar ou não seus jogadores. Os torneios internacionais – ao menos um ao ano – têm prestígio e dão a possibilidade de expor a imagem (algo que precisa ser trabalhado paralelamente com o departamento de marketing). Uma possível perda de título não deve destruir um planejamento e sim servir de alerta para otimizar o trabalho.

Além da gestão, o clube precisa investir em uma boa estrutura para obter bons resultados nas categorias de base. Um bom planejamento e uma boa estrutura devem andar juntos, nunca investir apenas em um setor. A partir do momento que você lida com atletas em formação, e principalmente garotos na fase da adolescência, é indispensável o investimento em assistência social e acompanhamento psicológico. As fantasias do futebol, convívio longe da família e pressão por resultados serão bem controlados se houver tais investimentos.

Os clubes de São Paulo ainda estão despreparados para trabalhar com suas categorias de base. Enquanto o pensamento empresarial não foi colocado em prática, eles vão sofrer com a falta de retorno de seus investimentos. Espero que o presente trabalho possa contribuir para a discussão do desenvolvimento de um novo modelo administrativo para as categorias de base.

Referências bibliográficas

AMARAL, P.R.T; THIENGO, C.R; OLIVEIRA, F.I.S. Os motivos que levaram jogadores de futebol amador a abandonarem a carreira de jogador profissional. Marília, 2007. Disponível em:. Acesso em: 20.mar.2012

ANDRADE, Carlos. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 20.jul.2012

ANSAI, Lais Yuri. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 17.jul.2012

ARMONIA, Afonso Luiz. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 14.set.2012

ASSOCIAÇÃO Brasileira de Agentes de Futebol. Disponível em: . Acesso em: 24.mar.2012

BENINI, Paulo André. O jogo da minha vida: histórias e reflexões de um atleta. São Paulo: Leya. 2012.

BRASIL. Nações Unidas. América Latina e Caribe tem maior desigualdade social do mundo, alerta PNUD. São Paulo, 2012. Disponível em:. Acesso em: 12.maio.2012

CAMPOS, Rosângela Soares. Estudo Comparativo das Habilidades Motoras e Cognitivas em Praticantes de Futebol de Diferentes Locais de Prática. Curitiba, 2004. Disponível: . Acesso em: 19.mar.2012

CARVALHO, Rodrigo Figueiredo. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 17.jul.2012

CASSINI, Giovanni Alfonso. Obtenção de resultados eficazes na formação de jogadores nas categorias de base dos clubes de futebol: do fraldinha ao profissional. São Paulo: Pléiade. 2007.

CERTEAU, Michel de. A Escrita da História. São Paulo. Forense Universitária. 2000.

COUTO, Anahy. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 29 ago. 2009.

DIAS, Gabriel. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 04.jul.2012.

FERREIRA, Fernando Pinto. Valor de Mercado da Seleção Brasileira. Curitiba, 2012. Disponível em:.Acesso em: 16.mar.2012

FERREIRA, Fernando Pinto. O Valor de mercado dos Campeonatos Estaduais: São Paulo. Curitiba, 2012. Disponível em: .Acesso em: 16.mar.2012

FERREIRA, Fernando Pinto. 1º Painel Pluri Futebol 2011 – Estudo de Mercado. Curitiba, 2011. Disponível em: .Acesso em: 16.mar.2012

FERREIRA, Regiane. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 29.ago.2009.

GÓES, Lucas. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 17.jul.2012

LAZZARI, Fábio. Copa São Paulo, a vitrine do futebol brasileiro. São Paulo: Arte Poze, 2005.

LE GOFF, J; LAUDURIE, L.R; DUBY, G. A Nova História. Rio de Janeiro. Lugar da história. 1977.

LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre. História Novos Problemas. Rio de Janeiro. Livraria Francisco Alves Editora. 1995.

Lei 12.395/11. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 2011. Disponível em: . Acesso em: 10.set.2012

Lei de Incentivo ao Esporte. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 2006. Disponível em: . Acesso em: 07.set.2012

Lei Pelé. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1998. Disponível em: . Acesso em: 15.ago.2012

Lei Zico. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1993. Disponível em: . Acesso em: 16.ago.2012

LIMA, Antônio .Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 03.jul.2012

LINO, Luis Roberto. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 26.jul.2012

MARQUES, Marilene Oliveira Marques. Futebol: Perspectiva de Inclusão e Ascenção Social. Uberaba. Disponível em . Acesso em: 19.mar.2012

MUZA, Claudinei. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 04.jul.2012

PAIXÃO, Renan dos Santos. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 17.jul.2012

PALMEIRAS. Sociedade Esportiva. Balancete de Verificação encerrado em 29/02/2012. São Paulo, 2012. Disponível em:
. Acesso em: 14.abr.2012

PORTUGUESA. Associação de Futebol Oficial. Talentos da Lusa: Resultado de Avaliação – Escolas de Futebol Talentos da Lusa. São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 18.abr.2012

RIBEIRO, Arnaldo. Inocência perdida. 31ª Copa São Paulo, p. 64-67, fev.2000

SANCHEZ, Andrés Navarro. Sport Club Corinthians Paulista: Relatório de Sustentabilidade de 2011. São Paulo, 2011. Disponível: Acesso em: 15.mar.2012

SANTOS, Roberto Antônio. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo. 03.jul.2012

SÃO PAULO. Futebol Clube. Relatório da Diretoria. São Paulo, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14.abr.2012

SILVA, Sandra. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 04.jul.2012

SIMÕES, René. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 14.set.2012

SOARES, Rodrigo Giraudon Monteiro. Entrevista concedida a Gabriela Chabatura. São Paulo, 04.jul.2012

TEICH, Daniel Hessel. De onde eles vieram. São Paulo, 2002. Disponível em . Acesso em: 19.mar.2012

WANDER, Edson. O que há por trás da fala dos jogadores de futebol?. Goiânia, 2006. Disponível: . Acesso em: 8.abr.2012

Comentários

Deixe uma resposta