Universidade do Futebol

Mauro Beting

30/05/2008

Champions League

O nome comercial da Liga dos Campeões da Europa é grafado em inglês. Nada mais justo pelo que se viu em 2007-08. Três dos semifinalistas eram da ilha que não é mais uma ilha no futebol.
 
Os pais do futebol criaram o rebento, em 1863, e depois não souberam o que fazer com ele. Viram o entusiasmo por kops (arquibancadas) e pubs (bares), mas, bola boa, mesmo, não viam nos maravilhosos gramados ingleses. Vai ver que os campos eram lindos justamente pelo pouco contato da bola com a grama.
 
De tanto a bola voar nas quermesses da ligação direta defesa-ataque, nada além de carrinhos (os “tackles”) molestavam a grama.
 
Mas isso vem mudando. De modo silencioso (ou barulhento), desde o Liverpool do final dos anos 80, passando pelas grandes equipes multinacionais deste século. Ou melhor, desde 1992, com a criação da Premier League. Quando os ingleses reinventaram o negócio do futebol. Fazendo um entretenimento mais saudável, seguro, visível, rentável. E mais aberto. Em campo e fora dele.
 
Em Moscou, na enorme decisão entre Manchester United e Chelsea, apenas dez ingleses começaram o jogo. Dirigidos por um escocês e um israelense, regiamente pagos por um americano de origem russa e por um russo de origem (de dinheiro) desconhecida.
 
Dos dez ingleses titulares, alguns são típicos como Brown e Carrick. Mas outros como Lampard, Rooney, Terry, Ferdinand, Scholes, Joe Cole, Hargreaves e Ashley Cole, sem perder o sotaque, são cidadãos e jogadores planetários. Sabem jogar e entender um jogo que muda como hoje se muda de clube e de país.
 
 

CHELSEA: O 4-1-4-1 de Avram Grant: com a bola, Joe Cole e Malouda se
juntavam a Drogba, no ataque, virando um 4-3-3.
 
Mas o que há de mais britânico nisso reside no banco de reservas. Quase por usucapião. Usucampeão. Sir Alex Ferguson é manager do Manchester desde 6 de novembro de 1986. Na primeira temporada, chegou com a bola rolando, com um elenco de bom nível, mas indisciplinado. Terminou o campeonato inglês em 11º lugar. Contratou bem para a temporada seguinte e foi vice-campeão, nove pontos atrás do Liverpool. Mas não passou do 11º lugar em 1989. Na temporada seguinte, a pressão da torcida e da imprensa foi grande pela demissão de Ferguson. Em dezembro de 1989, depois de seis derrotas e dois empates, nem sir Alex imaginava que seria uma boa continuar em Old Trafford.
 
 
 
MANCHESTER: O esquema que começou a decisão contra o Chelsea. Ronaldo para
conter o apoio de Essien.
 
O que se imaginava seria o jogo da demissão, pela FA Cup, em 1990, contra o então forte Nottingham Forest, foi o da manutenção. O Manchester seguiu adiante e ganhou o primeiro título com Ferguson. Três anos depois de ter chegado ao clube. Mas ainda faltava o mais esperado. O título inglês, que o clube não conquistava desde 1967. E só foi ganhar em 1993, no primeiro ano da Premier League.
 
Perdão por me alongar em Ferguson. Mas só para dizer que o treinador que conquistou um mundial, duas Ligas dos Campeões da Europa, uma Copa da Uefa, dez títulos da Liga Inglesa, cinco FA Cup (a Copa da Inglaterra) e duas Copas da Liga ainda quer mais. Muito mais. E quer porque aprendeu a querer saber mais.
 
Ele e o francês Arsène Wenger, do Arsenal, mudaram a cara, o jogo, e o pebolim inglês. Veja o belo jogo do Manchester desde 2007. Ou melhor: veja os belos jogos das várias equipes de Ferguson. Mudam constantemente, mas sem mudar a tônica do jogo bonito, pelo chão, com técnica e velocidade, com Cristiano Ronaldo como winger à direita, ou à esquerda. Como meia-atacante atrás de um só centroavante. Como um dos atacantes. Como o melhor do mundo em 2008.
 
Um time que muda com os mesmos jogadores. Como todo o Manchester da bandeira Giggs. Um winger canhoto do 4-4-2 de totó que, hoje, joga dos dois lados, joga como meio-campista central (não “volante”, que isso não existe no United), que joga de atacante, que joga até atrás do atacante, como fez em Moscou, ao completar seu jogo 759 pelo Manchester, superando sir Bobby Charlton.
 
Se há um time que não joga por apenas uma cartilha é o do veterano, “ultrapassado” e “conservador” Alex Ferguson. Vinte e dois anos de Manchester. Lenda e prova vivas de que o bom trabalho merece continuidade. Ou até mesmo um não mais que razoável trabalho nos primeiros três anos.

Para interagir com o autor: maurobeting@universidadedofutebol.com.br

Comentários

Deixe uma resposta