Universidade do Futebol

NUPEF

06/02/2014

Como a impulsividade na tomada de decisão pode comprometer o comportamento tático dos jogadores de futebol

A tomada de decisão no futebol vem sendo abordada com maior ênfase nos últimos anos, devido à necessidade de respostas eficientes para a solução dos problemas advindos do jogo.

Uma das variáveis cognitivas que parece interferir na tomada de decisão é a impulsividade. A literatura indica que jogadores mais impulsivos tendem a tomar decisões mais rapidamente no jogo, mas, na maioria das vezes, com maior número de erros (GARGANTA; PINTO, 1994; LAGE et al., 2011).

Esta tomada de decisão impulsiva parece exercer influência sobre o comportamento tático dos jogadores de futebol. A literatura nos indica isso, uma vez que, a operacionalização dos princípios táticos do jogo está relacionada com os mecanismos motores e com o conhecimento tático dos jogadores (CASTELO, 1994). Segundo estudo, foi identificada a relação entre a impulsividade e o conhecimento tático processual de jogadores de futebol (CARDOSO; MACHADO; TEOLDO, 2013).

Neste estudo, realizado com jogadores de futebol das categorias de base, encontrou-se relação entre a impulsividade e a realização do princípio tático fundamental da mobilidade, na fase ofensiva. Neste estudo, jogadores menos impulsivos realizaram melhor este princípio tático, sendo um indicativo de que a impulsividade pode ser prejudicial em alguns momentos do jogo.

Entender como a impulsividade se relaciona com o comportamento tático de jogadores de futebol é interessante, uma vez que se pode direcionar o trabalho dos profissionais envolvidos a partir da avaliação desta variável. Por exemplo, sabendo que jogadores mais impulsivos têm maior propensão a tomar certas decisões, pode-se adequar a posição/função do jogador dentro de campo, ou realizar adequações no treinamento a fim de adaptá-lo ás necessidades dos jogadores.

Portanto, a avaliação da impulsividade dos atletas é importante principalmente no trabalho de base, onde os jogadores estão em processo de formação e podem focar seu aprendizado em funções em que podem render melhor. Além dos jogadores de base serem direcionados a jogar em determinada posição levando em consideração variáveis como capacidades físicas e variáveis antropométricas, a impulsividade pode ajudar neste processo, uma vez que parece influenciar na tomada de decisão dos atletas e consequentemente no rendimento do mesmo.

REFERÊNCIAS:

CARDOSO, F.; MACHADO, G.; TEOLDO, I. Relação entre impulsividade e comportamento tático de jogadores de futebol sub-11. Anais do XVIII CONBRACE. Brasília, 2013.

CASTELO, J. Futebol modelo técnico-táctico do jogo: identificação e caracterização das grandes tendências evolutivas das equipas de rendimento superior. Lisboa: Faculdade de Motricidade Humana, v.1. 1994. 379 p.

GARGANTA, J.; PINTO, J. O ensino do futebol. In: GRAÇA A.; OLIVEIRA J. O ensino dos jogos desportivos: Porto: Centro de Estudos dos Jogos Desportivos, 1995, p.97-137.

LAGE, G.; GALLO, L.; CASSIANO, G.; LOBO, I.; VIEIRA, M.; SALGADO, J.; FUENTES, D.; MALLOY-DINIZ, L. Correlations between impulsivity and technical performance in handball female athletes. Psychology, Irvine, v.2, n.7, p.721-726, out. 2011.

Comentários

Deixe uma resposta