Universidade do Futebol

Artigos

20/12/2013

Como evitar dor no joelho na prática desportiva

Hoje, vou abordar um tema bastante comum na rotina do ortopedista. Pacientes que nos procuram com a queixa de DOR NO JOELHO.

A articulação do joelho é a maior do corpo humano, sendo responsável pela sustentação e absorção de impacto nos membros inferiores. Ela suporta a maior parte do peso corporal na posição em pé. Para se ter uma ideia, quando você está andando, o joelho é submetido a uma carga equivalente a 2 vezes o seu peso. Quando você corre, ele é submetido a 5, às vezes 6 vezes seu peso. Por estas razões, esta articulação é muito exposta a lesões e devemos ter um cuidado todo especial com esta.

Nos consultórios de Ortopedia, é bastante comum a queixa de dor no joelho. Sua causa pode ser, em linhas gerais, por traumatismo e degeneração ou desgaste. Outras causas incluem infecções, doenças metabólicas, tumores e alterações congênitas. As lesões por trauma ocorrem nas práticas desportivas, principalmente no futebol, vôlei e tênis. Nestas, observamos lesões dos meniscos, ligamentos e cartilagem.

Nas quedas e acidentes de carro ou moto, são mais comuns as fraturas. As doenças degenerativas têm início na cartilagem da patela e nos meniscos e evoluem para a artrose. Elas têm uma forte relação com o envelhecimento, sobrepeso, obesidade e sedentarismo. se você está com excesso de peso, vai sobrecarregar o joelho devido à carga que este precisa sustentá-lo ao ficar em pé e andar. Ficar sentado muito tempo sem movimentar o joelho também é prejudicial, já que o movimento beneficia o líquido sinovial, que auxilia a nutrição das células da cartilagem.

Os desportistas e praticantes de atividades físicas também estão sujeitos a problemas nos joelhos. Além dos traumatismos, eles costumam sofrer sobrecargas. Isto ocorre em dois extremos da atividade física: atletas de nível competitivo e desportistas sem condicionamento físico. Os atletas profissionais, por estarem sempre treinando e competindo, sofrem mais lesões. Aqueles que estão iniciando ou retornando às atividades físicas após longos períodos de sedentarismo também apresentam problemas.

Existe também o chamado "atleta de fim de semana", que fica a semana inteira trabalhando, sem fazer nenhuma atividade física tenta compensar isto no final de semana. Não funciona. Os estudos mostram que para ter uma boa saúde é preciso regularidade nos exercícios, sendo que os trabalhos aeróbicos devem ser feitos num período mínimo de 40 minutos, 4 vezes por semana.

Os esportes de impacto são os maiores causadores destas lesões. Alguns estudos mostraram, por exemplo, no futebol, uma incidência de 18% de lesões no joelho, 33% no tornozelo e 15% no pé. Na corrida, ocorrem lesões nos joelhos, pernas e pés. Uma das melhores formas de prevenir estas lesões, que geralmente ocorrem por sobrecarga, é atentar para os calçados, especialmente na corrida. Superfícies duras e irregulares como o asfalto exercem maior sobrecarga sobre os joelhos. Correr em esteiras de academia causa menos impacto, sendo melhor para quem está retomando a atividade ou está acima do peso.

Recomendamos também usar tênis com amortecimento, independentemente da superfície. É interessante também observar como você pisa. Existem 3 tipos de pisada: neutra, pronada e supinada. A pisada neutra é a normal, com os tornozelos e pernas retos em relação ao pé e ao solo. A pisada pronada é com os tornozelos desviados "para dentro". Ela é vista em pés planos ou "chatos". A pisada supinada é oposta à pronada, sendo com os tornozelos "para fora". Ela é vista em pés cavos. A pisada também é vista indiretamente ao observar qual lado do calçado se gasta mais com o tempo. Atualmente, a maioria das lojas de artigos esportivos, vendem este tipo de calçado, de acordo com a pisada. Se não souber seu tipo de pisada, procure um ortopedista.

Tenho orientado os pacientes que me procuram orientação para prevenir dores nos joelhos a alternarem os tipos de exercícios. Não recomendo fazer atividades de impacto como a corrida todos os dias ou em dias sucessivos. Ou você descansa pelo menos um dia ou alterna com natação ou ciclismo, se deseja fazer exercício aeróbico.

No ciclismo, tome sempre cuidado com a postura. alguns estudos mostraram que no ciclismo indoor ( Spinning ), 30% das lesões ocorrem na região lombar e 27% nos joelhos e pernas. a principal causa da má postura é o mal posicionamento do banco da bicicleta.

A musculação ajuda a prevenir lesões nos joelhos, já que a musculatura fortalecida diminui a sobrecarga sobre as estruturas internas do joelho, sobretudo as cartilagens e os meniscos. É sempre bom ter cuidado com os exercícios de agachamento, as cadeiras extensoras e o leg press, pois elas podem sobrecarregar a cartilagem da patela e o tendão patelar.

Muitos pacientes que fazem musculação, especialmente as mulheres. Muitas têm apresentado tendinopatia ou tendinite e condromalácia ou condropatia patelar. Esta última é uma degeneração da cartilagem patelar que precede a artrose. Importante também é alongar a coxa. A condromalácia patelar pode ocorrer devido a um desequlíbrio muscular entre o quadríceps, músculo anterior da coxa, e os isquitibiais, músculos posteriores da coxa. O papel do profissional de Educação Física para acompanhar a execução e frequência destes exercícios é fundamental na preveção destas lesões.

As mulheres estão mais sujeitas a dores nos joelhos que os homens. Alguns estudos mostram que a condromalácia patelar, por exemplo, ocorre 2 vezes mais nas mulheres. Isto ocorre porque a mulher possui a bacia mais larga, levando a um desalinhamento nos joelhos, alterando a excursão da patela na hora de realizar os movimentos de flexão e extensão.

O uso de salto alto é muito prejudicial aos joelhos. Com o salto, o corpo fica mais pra frente e isto sobrecarrega muito o joelho, principalmente a região anterior. O problema é convencer algumas mulheres a "descer de andar". ou a frequência do uso do salto. A recomendação é usar um salto mais baixo ou uma anabela. O ideal é não ultrapassar 2 cm. Difícil convencer, não? Mas é necessário.

Em relação ao tratamento, atualmente, existem diversas modalidades. Inicialmente, podem ser feitos medicamentos antinflamatórios, condroprotetores, fisioterapia e até infiltração, além das medidas preventivas já discutidas. Na fase de dor, o repouso é fundamental. Insistir em treinar com a articulação inflamada e dolorida pode desencadear uma lesão que não existia ou agravar uma pré-existente. No insucesso do tratamento conservador, fica indicada a cirugia.

O tratamento não é objeto desta postagem, mas lembro aqui da importância do profissional de Fisioterapia. Existem diversas técnicas cirúrgicas para as doenças do joelho, como as cirurgias por vídeo ou artroscopias, já abordadas neste blog, as osteotomias para corrigir os desalinhamentos, cirurgias de transplante e enxerto de cartilagem e as artroplastias ou substituições das articulações com próteses de material metálico com cimento ósseo.. Esta última é indicada na artrose avançada e grave do joelho, principalmente em idosos quando limitação e incapacidade importantes.

Na prevenção como no tratamento, seja perdendo peso, seja fazendo exercício físico, as mudanças de hábito são determinantes para esta articulação tão importante. Estas medidas podem evitar a desconfortável experiência de passar por uma cirurgia. Sempre conte com um bom ortopedista, profissional de Educação Física e fisioterapeuta. Siga suas orientações e nunca hesite em tirar suas dúvidas.

Comentários

Deixe uma resposta