Universidade do Futebol

Entrevistas

12/07/2013

Dan Minutillo, treinador do Leland High School

Como atingir um balanco ofensivo e defensivo? Essa questão norteou o bate-papo entre a equipe da Soccer Coaching International, revista holandesa que é parceira da Universidade do Futebol, e Dan Minutillo, treinador da equipe masculina do colégio Leland High School, em San Jose, Califórnia, nos Estados Unidos.

Com 23 anos consecutivos de experiência no futebol, Minutillo já trabalhou com todas as idades, também no futebol feminino. Ele possui o diploma National da NSCAA (National Soccer Coaches Association of America), entre outras licenças do Estado, e é o autor do best-seller "Treinamento baseado na formação tática".

“Treinadores de grandes times de futebol, como Barcelona, Real Madrid e Arsenal lutam para encontrar e manter o jogo de ataque e defesa balanceados. Isso pode ser medido por uma série de comparativos estatísticos analisados, tais como gols pró e gols contra, ganhos de posse com base na tomada de decisões, etc.”, compara o gestor técnico de campo de uma agremiação amadora.

Nesta entrevista, Minutillo, que escreveu e publicou diversos artigos científicos ("O jogador correndo sem a bola”; “Pliometria”; “Velocidade de jogo”; “Motivação para o jogador”; “Diferenças entre ser técnico de clube e escola”), falou sobre princípios operacionais do jogo e o que está por trás das pequenas táticas de grupo.

Universidade do FutebolO que significa equilíbrio ofensivo?

Dan Minutillo – Equilíbrio ofensivo significa que a equipe não tem mais jogadores comprometidos para frente no campo quando no ataque e, ao perder a bola, tem de recuperar para defender fora de equilíbrio ou com numeros inferiores aos rivais. Equilíbrio defensivo significa que a equipe tem mantido – ou rapidamente recuperou – a forma e a organização e se comprometeu com jogadores suficientes. Os jogadores também podem ficar atrás da bola quando a equipe está atacando em uma transicao lenta, no caso de a bola ter sido perdida.

Equilíbrio defensivo promove a livre circulação dos jogadores de ataque durante o ataque, mas o equilíbrio ofensivo não necessariamente influencia o equilíbrio defensivo.

 

Introdução aos Aspectos Táticos do Futebol: faça agora mesmo o curso online da Universidade do Futebol

 

Universidade do FutebolO que é o balanço ofensivo e defensivo, e como ele é atingido por uma equipe?

Dan Minutillo – Balanço ofensivo e defensivo é uma manobra tática, não importa qual a formação é usada para garantir que a equipe jogue com jogadores para frente o suficiente para proporcionar oportunidades de gol, mas com o jogadores em uma posição atrás do bola para garantir que a oportunidade de gol não é apresentada aos oponentes depois de uma perda de posse resultante da má tomada de decisão contribuindo para a ineficácia ofensiva e equilíbrio defensivo.

Usando o Arsenal como exemplo, no início de 2012-2013, comentaristas e especialistas de televisão alegaram que a equipe tinha uma defesa muito permeável. Eles mencionaram que como a defesa não era sólida, o clube não ficaria entre os quatro primeiros na Premier League, a fim de qualificar-se para Liga dos Campeões da Europa.

Conforme o time comandado por Arsène Wenger aproximou-se do 4º lugar, os especialistas disseram que os mesmos defensores da equipe tinham "intensificado" e mais efetivamente assumiram as suas responsabilidades na defesa. O que na realidade aconteceu é que Wenger mudou o sistema de jogo para criar equilíbrio ofensivo e defensivo na parte final da temporada.

Wenger percebeu que a linha alta usada pelo Arsenal no ataque era facilmente explorada na transição rápida, pois o equilíbrio ofensivo e defensivo durante o jogo não era bom. Havia muitos jogadores posicionados no ataque, ou os jogadores apoiando o ataque foram mal posicionados (em equilíbrio) para lidar com a transição.


Especial: entrevista com Arsène Wenger

 

Universidade do FutebolE como esse tipo de problema pode ser resolvido?

Dan Minutillo – De algumas maneiras. Por exemplo: adicionando mais velocidade em apoio ao ataque, substituindo jogadores mais rápidos em posições mais profundas na formação para os jogadores mais lentos.

Outra possibilidade é manter uma linha mais profunda de defesa ao atacar, com um ataque alto, mas com menos jogadores.

Utilizando o método do Barcelona de pressionar imediatamente o homem com a bola, dobrando a marcação sobre ele, e colocando os jogadores em torno da bola cortando todas as opções de passe curtos é uma opção interessante. Nesse caso, a luta é por recuperar a bola de volta rapidamente para evitar a rápida transição pelo adversário.


O todo é mais do que a soma das partes ou o jogo Barcelona-Santos

 

Universidade do FutebolComo é que cada uma destas soluções potenciais mencionados ajudam a equilibrar uma equipe de muita potência, com uma defesa sólida, de modo que o jogo rápido de transição por um adversário não resulte em uma ameaça?

Dan Minutillo – Primeiro, devemos considerar a formação, o sistema de jogo dentro desta formação, o que inclui: grandes táticas de grupo (como posicionamento tático para meio campistas ou zagueiros, por exemplo); táticas de grupos pequenos (os jogadores imediatamente em torno da bola); e táticas individuais, no caso, a mudança pessoal do jogador (substituição) e das táticas defensivas individuais.

Em não se considerando um sistema de jogo dentro de uma formação escolhida (apenas olhando para uma formação), um esquema em linha jogando no 3-4-3, é mais fácil para se tirar vantagem contra (em transição), do que, digamos, em um 4-3-2-1. Por quê? Porque o 3-4-3 é naturalmente mais “pesado”, deixando mais espaço nas laterais atrás da linha de defesa, deixando assim menos jogadores “globais” para lidar com a transição do que no 4-3-2-1.

Novamente, ausente de um sistema de jogo para contrariar este problema, o mesmo pode ser dito para o 4-3-3 e o 3-5-2, possivelmente, quando comparado com um 4-3-2-1 ou mesmo um 4-2-3-1. Mais jogadores estão naturalmente disponíveis para formar uma linha de defesa ou em interceptar o contra-ataque mais rápido.

Em seguida, ausente de um sistema para o contrário, com o 4-3 (sete jogadores disponíveis para lidar com a transição) ou 4-2 (seis jogadores disponíveis para lidar com a transição), esta deixa ainda três ou quatro jogadores altos o suficiente para atacar em qualquer formação.


O que você sabe sobre jogos reduzidos e adaptados no futebol? Qualifique-se agora mesmo! Clique aqui.

 

Universidade do FutebolAinda falando sobre os sistemas balanceados de jogo dentro de uma formação, o que são as grandes táticas de grupo?

Dan Minutillo – Vários sistemas de jogo podem ser utilizados dentro de qualquer formação para atingir um ataque e uma defesa equilibrados e de evitar uma ameaça na transição. Grandes e pequenas táticas de grupo são formas orientadas para jogar o jogo em qualquer formação para equilibrar ataque e defesa no ataque.

Uma tática de grupo grande, segurando uma linha de defesa mais profunda no ataque, pode ser acompanhada de uma variedade de maneiras. Se a formacao escolhida exige uma defesa em linha, então simplesmente deixe a linha no ataque um pouco mais profunda, com mais espaço entre os jogadores no meio-campo e a linha de defesa para a bola. Na transição, os jogadores já estarão em posição para marcar os jogadores de ataque, sem ter que se recuperar rapidamente. Uma defesa em linha mais profunda serve como uma rede de segurança, tornando-a mais difícil de penetrar, e muito mais fácil de lidar com a transição.

A linha mais profunda de defesa também pode ser utilizada em qualquer formação, usando um líbero, mais profundo do que os outros defensores, ou reposicionando outros jogadores (zagueiros centrais) a poucos metros atrás para dar profundidade e cobertura. Esta profundidade adicional ao defender também o torna mais difícil de penetrar em transição.

Universidade do FutebolE as pequenas táticas de grupo?

Dan Minutillo – Em qualquer formação, até mesmo no 4-3-3, usando uma alta linha de ataque, mas com menor número de jogadores pra frente, uma pequeno tática de grupo que vai deixar mais jogadores um pouco mais rápidos para pressionar, fazer cobertura e marcação em transição.

Quando o adversário ganha a bola, menos jogadores no terço do ataque permite que mais jogadores possam marcar de modo mais profundo, o que pode ser feito, não importa qual formação é usada. Como exemplo, em um 4-3-3, os atacantes abertos ficam retraídos deixando um atacante (para frente) em cima, ou, como Messi faz sempre, o atacante poderia ficar retraído, solto no espaco entre a defesa e o gol, mais profundo durante o ataque, com os atacantes abertos mais pra frente. De qualquer forma, haverá mais jogadores atrás da bola na transição.

Outro pequena tática de grupo usada pelo Barcelona é a regra de seis segundos na transição. Uma vez que Barcelona perde a bola, um jogador imediatamente a pressiona, outro jogador dobra, em seguida, adicionando pelo menos um terceiro. Isso resulta em todos os outros jogadores perto da bola cortando linhas de passe, ou formando um bloqueio ao redor da bola para que não saiam, sem nem uma interceptação ou um passe. E para que o passe seja feito para trás, ou então para que a bola saia de campo, eles tentam fazê-lo no prazo de seis segundos, depois de perder a bola.

Já as táticas individuais que contribuem para o desempenho da equipe são vitais. Velocidade na defesa e nas alas sempre servem para neutralizar ataque na transição. O passe de saída para o jogo de transição é mais amplo. Para um ala que carrega a bola até o campo adversário e para o espaço, geralmente há mais espaço nas laterais de fora durante o jogo e as alas são geralmente os “demônios” de velocidade de uma equipe. Mover uma bola de uma pressão no meio para a ala, e então rapidamente levá-la ao ataque, ou fazer o passe para o atacante pivô, ou para o grupo de atacantes, é a essência do jogo de transição, especialmente depois de um chute ao gol.


Confira especial da Universidade do Futebol sobre trabalho desenvolvido nas categorias de base dos clubes brasileiros

 

Universidade do FutebolHá alguma explicação para esse princípio?

Dan Minutillo – Pela própria natureza do ataque, mais jogadores da equipe atacante estão à frente após um chute a gol. Se este chute a gol pela equipe atacante é salvo pelo goleiro, isso geralmente cria uma boa oportunidade para o goleiro iniciar rapidamente a transição saindo jogando de trás ou entao com um chutão pra frente.

Concentrando-se primeiro no chutão, uma linha mais profunda de defesa ou de um líbero mais retraído vai ajudar a impedir o ataque. Se o goleiro tenta sair jogando de trás para começar a transição, linhas mais profundas, com alas rápidos (atacantes e meio campistas) terão a mesma finalidade. Outra tática individual para desacelerar a transição é substituir e colocar um zagueiro muito rápido para conseguir correr com o atacante ou substituir e colocar mais velocidade nas alas ou no ataque para evitar a transição. Velocidade irá deixar o marcador voltar e marcar rapidamente, desacelerando o ataque, no um contra um.

Forçar a marcação para fora ou pela lateral é outra tática defensiva individual, que ajuda a evitar a ameaça de transição. Na maioria dos casos, os técnicos irão encorajar os jogadores a mostrar ou guiar o primeiro atacante onde tenha ajuda para um companheiro, de modo que o primeiro atacante é encurralado, e a bola pode ser retomada criando um 2 contra 1. No entanto, no caso de transição, é melhor forçar o primeiro atacante para fora, longe do gol.

*Tradução: Thales Peterson

Leia mais:
Entrevista: Helio D’Anna, treinador de futebol
Entrevista: Thales Peterson, coordenador e treinador do FC Golden State
Entrevista: Andrea Sebben, psicóloga intercultural (Parte 1)
Entrevista: Andrea Sebben, psicóloga intercultural (Parte 2)
Especial: treinadores estrangeiros – semelhanças e peculiaridades no comando de uma equipe
A organização do futebol nos EUA
Como o norte-americano vê as chances da seleção dos Estados Unidos na Copa do Mundo de 2010
O futebol ‘semi’ universitário nos Estados Unidos
Conselhos para os que querem trabalhar com futebol nos Estados Unidos
O futebol feminino nos Estados Unidos
O futebol universitário nos EUA – temporada de 2009: parte 2
Saiba como ser técnico de futebol nos EUA
Toon Gerbrands, diretor geral do AZ Alkmaar
Kemal Alispahic, treinador da seleção do Tadjiquistao
Maurice Steijn, treinador do ADO Den Haag
Hidde Van Boven, treinador do sub-13 do VV De Meern
Wim van Zeist, instrutor técnico do De Graafschap
Reinier Robbemond, treinador da equipe sub-13 do AZ Alkmaar
Jefta Bresser, ex-treinador da academia de jovens do PSV Eindhoven
Ron Jans, treinador do SC Heerenveen
Aleksandar Rogic, assistente técnico da seleção principal de Gana
João Aroso, treinador adjunto da seleção portuguesa de futebol
Roberto Landi, treinador da seleção da Libéria

 

Comentários

Deixe uma resposta