Universidade do Futebol

Rodrigo Barp

29/07/2014

De “humanas” para “exatas”

Volto a escrever, semanalmente, após um “longo inverno”. Tempo, esse, que também envolveu a tensão pré-Copa do Mundo e todo o mês de duração do evento.

Alcançou, também, é verdade, algumas semanas de ressaca, uma vez que o bombardeio de emoções, provocado pela intensidade e qualidade dos jogos na competição, associadas à energia positiva das torcidas nos lotados estádios padrão FIFA, fez muita sombra ao combalido futebol brasileiro.

Que já estava nas cordas, lutando pra tentar ganhar por pontos, até que veio o nocaute perpetrado pela Alemanha e os 7 a 1 na semifinal fizeram o “país do futebol” beijar a lona.

Esse golpe contundente provocou, em todo o país, enorme reflexão.

Quais as razões que levaram, como gosta de afirmar a CBF, o “país pentacampeão mundial”, a essa derrocada histórica?

Neste fim de semana, li, em um artigo da cineasta Flávia Moraes, a frase que resume, a meu ver, toda a perplexidade da qual fomos acometidos:

“O futebol, senhores, migrou das ‘humanas’ para as ‘exatas’.”

A frase ficou ressonando em minha cabeça. Ainda mais porque, no texto, a cineasta relata que percebeu que, lá onde estava, nos EUA, o futebol, agora, chegou mesmo – e vai ficar pra jantar, tomar um bom vinho e comer a sobremesa.

Algumas ruas calmas durante os jogos da seleção nacional, bares lotados, gente concentrada no jogo, comemoração efusiva. E audiência na TV batendo recordes e superando outros esportes tradicionais do país. Pra não mencionar o presidente Obama deixando de lado umas “guerrinhas” para assistir aos jogos desde a Casa Branca.

Bem verdade que alguns dos indicadores do futebol nos EUA tem chamado a atenção há alguns anos como tendência de crescimento: numero de praticantes na base; média de público da MLS; audiência de TV; contratação de ícones globais; resultados em competições internacionais; investimentos em formação e capacitação de profissionais nas áreas técnicas e de gestão.

A grande diferença, entretanto, está nos fundamentos da governança corporativa da MLS e da US Soccer Association (a CBF deles), que fez com que o esporte se consolidasse no país, a partir de 1994 e que, sem dúvida, garantirá o êxito da expansão nos próximos anos.

Muito planejamento e capacidade de execução.

Que, aliás, também são ingredientes da receita do sucesso do futebol na Alemanha. País, este, que leva vantagem, em comparação aos EUA, por já ter larga tradição cultural de envolvimento com o esporte. Isso favorece a reação química.

Ou seja, não é por acaso que os dois países constroem cenários semelhantes para que o futebol alcance patamares de excelência.

Pensando bem, não havia melhor adversário para nos derrotar, na Copa do Mundo e em casa, do que a Alemanha.

Imaginem se fosse a Argentina ou outro país latino? Tudo seria alçado ao imponderável, ao sobrenatural, ao religioso e ao dramático. Tal qual uma mistura de tango ou milonga com o samba, diriam que foi um golpe do destino…

Uma obra do acaso. Não a falta de planejamento ou de gestão executiva.

Como sentencia, brilhantemente, Flávia Moraes:

“Resumindo, com os mercados do Primeiro Mundo ditando as regras e tendências, lamento arriscar que o Brasil terá alguma dificuldade para ganhar o Hexa. Pernas alegres, fenômenos marrentos e dungas viscerais já não funcionam como costumavam funcionar. O planejamento venceu o improviso, o trabalho de grupo goleou o ídolo e a vitória do preparo emocional sobre a passionalidade foi avassaladora. Aliás, tudo indica que a emoção à flor da pele que tanto nos representa e da qual tanto nos orgulhamos, só atrapalha na hora da decisão.”

Corremos um sério risco de, já na próxima Copa do Mundo, encontrar os EUA numa esquina e ser nocauteado. 

Comentários

Deixe uma resposta