Universidade do Futebol

Artigos

23/03/2016

Educação pelo esporte e UNICEF: o exemplo nota 10 da Fundação Barcelona

No contexto da educação pelo esporte, a inclusão social deve ser cada vez mais valorizada em diversas modalidades esportivas, a exemplo do futebol. Devem prevalecer as três máximas: ensinar o esporte a todos, ensinar bem o esporte a todos e ensinar mais que o esporte a todos. É importante haver o fomento de políticas públicas que possam cada vez mais assegurar o direito ao esporte para todos, em especial às crianças e aos adolescentes, como uma garantia constitucional prevista no Art. 5º da Constituição Federal da República Federativa do Brasil de 1988.

Todas as pessoas são iguais perante à lei. Deve haver uma igualdade de oportunidades, em especial às atividades voltadas à educação e ao esporte. Neste contexto, o papel do professor/treinador é essencial ao realizar atividades esportivas que possam desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes positivas dos meninos e meninas. De acordo com o Art. 4º do Estatuto da Criança e Adolescente (ECA), é dever do Estado, da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à educação, ao esporte, ao lazer, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.

Neste momento, as principais impressões, reflexões e perspectivas acerca da educação pelo esporte no Brasil são excelentes, sobretudo no tocante aos valiosos ensinamentos da Universidade do Futebol, que permanecerão sempre no meu dia a dia acadêmico, profissional e como cidadã brasileira. Principalmente, ao perceber que a solidariedade, o amor, o respeito e a inclusão social devem ser onipresentes nas brincadeiras e nos jogos das crianças e jovens, ao fortalecer a ideia do esporte como direito e na prática reiterada dos princípios da educação inclusiva, valorizando os aspectos didáticos do ensino dos esportes, sejam eles de rede e de campo, de invasão, luta e combate, atletismo e das atividades rítmicas, assim presentes em muitas escolas e instituições brasileiras e internacionais.

Portanto, sob a perspectiva do esporte e da educação em parâmetro global, a prática esportiva deve ser segura e inclusiva para as crianças e jovens, em especial aos alunos portadores de deficiência. Há alguns anos a Fundació F.C. Barcelona/España vem recebendo destaque para as mais diversas atividades de inclusão e de responsabilidade social. Todavia, são desenvolvidas inúmeras atividades recreativas para as crianças e jovens, especialmente o futebol, o basquete e a arte-educação por meio de desenhos e leitura de livros didáticos, além da motivação através da presença dos seus maiores ídolos no esporte, a exemplo do jogadores latino americanos Neymar Júnior (Brasil) e Lionel Messi (Argentina), cujas trajetórias pessoais e profissionais são igualmente inspiradoras e emocionantes.

A Fundació F.C. Barcelona é um exemplo nota 10! Pode e deve ser inspiração para demais instituições nacionais e estrangeiras no que se refere à teoria associada à prática da garantia inalienável do aprendizado esportivo, ao apresentar diversas abordagens tecnicistas e inovadoras para proporcionar aos alunos uma vivência mais completa da prática esportiva com foco não apenas nos resultados, mas nas relações interpessoais, ao haver a formação de cidadãos solidários e conscientes na atual conjuntura global.

Para ler o artigo na íntegra, basta clicar aqui

Comentários

Deixe uma resposta