Universidade do Futebol

Entrevistas

17/05/2013

Émerson Ávila, treinador do sub-20 do Corinthians

“Alguns males vem para o bem”. O batido ditado pode não ser facilmente interpretado por muitas pessoas no esporte, mas um treinador em especial se apega a ele para reconduzir a carreira que tem ligação com o ambiente acadêmico, a experiência à frente de equipes de base, de times sem grande expressão no cenário nacional e até de uma coordenadoria técnica.

Procurado pelo Corinthians para assumir o time sub-20, Émerson Ávila resolveu aceitar o desafio de regressar a um departamento de formação de atletas e viver em um centro novo para ele. E, claro, renovar a mente e o espírito depois de um duro golpe quando acumulou inúmeras tarefas na CBF.

Integrante do então novo grupo de trabalho montado por Mano Menezes, que tinha em Ney Franco o coordenador das categorias de base, Ávila foi designado para tomar conta da categoria sub-17. Marquinhos Santos seria o técnico do sub-15.

Desde que Ney, na primeira semana de julho do ano passado, deixou o posto para assumir o São Paulo, assim como Marquinhos, que retornou ao Coritiba, Ávila reuniu por quase um semestre o trabalho de ambos. Em janeiro, no Sul-Americano sub-20, ele participou da péssima campanha que acabou culminando em sua saída – o Brasil era tricampeão consecutivo do torneio e foi eliminado ainda na primeira fase. Agora, dois meses depois, a oportunidade de retomar a trajetória vitoriosa.

“Resolvi aceitar o convite do Corinthians por se tratar de um clube muito grande, com apelo popular imenso. E mesmo se tratando de um time de base, entendi que estar em São Paulo poderia ser um caminho muito bom para a minha carreira”, revelou Ávila.

Nascido no dia 16 de julho de 1967, em Belo Horizonte, o profissional se formou em Educação Física em 1992. Comandou a equipe principal do Cruzeiro em duas oportunidades e atuou como auxiliar técnico por quatro anos, sendo também coordenador técnico em determinado período.

Ávila tem ainda passagens pelo Ipatinga (2007), quando garantiu, junto à equipe, o acesso à série A do Campeonato Brasileiro; Barueri (2008), e o Boavista (2009). Pelo sub-17 da seleção brasileira, faturou o Campeonato Sul-Americano de 2011.

Agora, no Corinthians, o objetivo é aproveitar a estruturação promovida pela cúpula alvinegra, que tem, nas palavras do presidente Mário Gobbi Filho, o andamento do Centro de Treinamento para a base como uma das missões mais relevantes.

“Isso será um salto muito grande no setor. É importante para se ter sempre boas equipes e peças que possam repor o elenco. O último grande ídolo do Corinthians proveniente das equipes de formação foi o Dentinho. Temos de aumentar este fluxo e fornecer mais jovens bem formados para o departamento de futebol profissional”, acrescentou.

Nesta entrevista concedida à Universidade do Futebol, Ávila falou também sobre aspectos do seu treinamento, a integração “limitada” com os outros treinadores e qual é o problema apresentado por boa parte das agremiações brasileiras formadoras de futebolistas.

Ouça o bate-papo na íntegra:

Comentários

Deixe uma resposta