Existe um modelo de jogo ideal para ganhar jogos?

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O Modelo de Jogo se configura como um arcabouço de referências que orienta os jogadores nos momentos de ataque, defesa, transição ofensiva e defensiva. Acredito que isso já é bem claro para vocês.

Por muito tempo dediquei meus esforços para entender os conteúdos do modelo e aperfeiçoar os comportamentos táticos da minha equipe.

Após certo tempo de estudo e observação prática dos conteúdos táticos, comecei a me indagar sobre a funcionalidade do modelo em relação ao cumprimento da lógica do jogo e consequentemente à vitória.

Assim iniciei uma reflexão sobre a existência de um Modelo de Jogo ideal para a vitória.

Pesquisei, li, discuti, perguntei e comecei a formar algumas ideias, que eram colocadas a prova em cada jogo que observava.

Sempre que algumas certezas iam sendo construídas, algumas partidas me mostravam que ainda estava longe das respostas que buscava…

Olhei muito para o modelo e “dissequei” equipes em seus mínimos princípios, sub-princípios, sub-princípios dos sub-princípios…

E eis o que eu encontro?

Que precisava olhar fora do quadrado em que me encontrava…

Mas, como assim?

Comecei a observar (com a ajuda dos meus mestres, já que sem eles o caminho seria muito mais difícil) que o modelo para muitas equipes era o fim em si mesmo e não uma ferramenta para o cumprimento da lógica do jogo.

Isso significava que a equipe não jogava o jogo, mas cumpria princípios!

Isso muda tudo!

O jogo é jogo e precisa ser jogado, já o modelo não é jogo e não necessariamente precisa ser cumprido.

Pense sobre isso!

O modelo não é o fim.

O modelo pode e deve contribuir para o cumprimento da lógica do jogo, mas ele não resume tudo e também não é nada!

O modelo se configura como uma parte importante no processo de formação de uma equipe vencedora, vide o caso do Barcelona que tem um modelo bem definido, porém que não é o fim.

O Barcelona não joga para cumprir seu modelo, mas para exaltar a cultura catalã, mostrar um futebol bonito, apresentar uma filosofia de jogo e, é claro, para ganhar.

Veja que isso muda a forma de olharmos para os princípios.

Precisamos olhar para fora do quadrado e ver que acima das referências existem muitos outros conceitos que se integram complexamente.

Mas dentro de tudo isso, será que existe um modelo de jogo ideal?

Existe!

Mas qual?

O que fará nossas equipes jogar o jogo e resolver melhor e mais rápido os problemas da lógica!

Isso é um modelo ideal? Ou um modelo circunstancial?

Até a próxima!

Para interagir com o colunista: bruno@universidadedofutebol.com.br
 

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso