Universidade do Futebol

Artigos

15/08/2014

Futebol é para todos, brilhar é para poucos

Esporte com maior numero de praticantes no mundo e que desperta a paixão, mexe com a emoção e muitas vezes acaba afastando o lado racional de seus admiradores. Houve uma época que se tornar jogador de futebol de um grande clube brasileiro, chegar à seleção era o grande sonho de meninos, desde os mais pobres até aqueles com uma condição financeira mais favorável, (Jacobs e Duarte 1996), que não é diferente dos dias de hoje, porém acrescenta se o sonho de jogar em grandes clubes europeus, o que é passivelmente fácil de ser entendido pelo que proporciona o futebol, benefícios, conforto, altos salários, regalias e estabilidade financeira, não só para os craques, como acontecia antigamente.

Devido a fatores já abordados como a paixão pelo futebol, existe os benéficos a saúde, qualidade de vida, interação social, cada vez é maior a procura pela iniciação esportiva através de escolinhas de futebol, segundo( Scaglia 1996), a consequência disso é o aumento das escolinhas de esporte em geral, vôlei, basquete, handebol, que acolhem desde os primeiros anos da infância até a adolescência, e naturalmente o futebol tem a maior procura.

Na iniciação esportiva capacidades e habilidades podem ser desenvolvidas através das escolinhas de esporte, através de uma boa periodização. O primeiro fator é o desenvolvimento físico, através de atividades que possam contribuir com o maior número de vivências possíveis, sempre levando em consideração elementos individuais como a coordenação motora, fatores cognitivos de cada criança para a elaboração de atividades, as atividades recreativas que trabalhem aspectos coordenativos, de tempo espaço, lateralidade, já capacidades como força e velocidade podem ser desenvolvidas com bola em forma de jogo, porém para ( Negrão 1980), crianças só podem suportar esforços reduzidos, fisiologistas são unânimes em afirmar a importância de treinamento aeróbio para crianças, a coordenação motora tem que ser trabalhada exaustivamente e por todas as fases, pois é fundamental para desenvolvimento de técnicas esportivas, bem trabalhada, a coordenação motora acelera o aprendizado da técnica esportiva, em relação a aqueles cujo o repertório de movimentos é limitado e cuja coordenação é deficiente( Weineck, 1999).

Partindo para a parte técnica, que é fundamental para qualquer esporte, os fundamentos básicos tem que ser trabalhados com especificidade e variedade de exercícios e situações diferentes, passe, domínio, condução, drible, chute, cabeceio, desarme, essas habilidades trabalhadas com frequência, nota se uma boa evolução individual dentro da limitação de cada um.
Fator importantíssimo e muito discutido na iniciação esportiva no futebol, o fator psicológico, como é sua formação, sua base de princípios e valores, acompanhamento de pais, (Figueira&Swartz 2007), afirmam que a presença dos pais em treinos, jogos desperta algum tipo de reação na criança/adolescente, alguns se sentem bem com a presença deles, outro não, então fatores como o relacionamento que tem ou teve com os pais, modo que foi criado, lembranças, acontecimentos, fatos que marcaram sua vida, tudo isso pode exercer influência direta sobre a atleta, seu modo de agir, do inicio da atividade física até as competições, muitos pais ao invés de passar tranquilidade, são os mais desequilibrados e muitas vezes sonham mais que a criança e adolescente.

Seguindo para os aspectos táticos, tem que ser desenvolvidas de diferentes maneiras em diferentes fases, através de mini jogos a jogos que exijam responsabilidade dentro da partida, em mini campos até os de padrão oficial, o principal fator a ser desenvolvido é o senso de responsabilidade, o entendimento que durante o jogo, treino, todos tem diferentes responsabilidades e que para o bom rendimento da equipe todos tem que cumprir suas funções, ainda de acordo com( Greco e Brenda 2001), os aspectos táticos estão diretamente relacionadas aos fatores cognitivos, técnicos e físicos.

A prática do futebol traz benefícios físicos como o aumento da potência muscular das pernas, estimula a velocidade, a coordenação motora e a visão periférica, além da diminuição da gordura corporal, crianças e adolescentes que praticam o futebol apresentam um perfil lipídico mais favorável em relação aos que não praticam (Bergeron, 2007), ainda praticado por adolescentes dentro do limite do organismo traz benefícios cardiovasculares, respiratórios, musculares, esqueléticos, cartilaginoso e endócrino.

O futebol também traz muitos benefícios sociais, em muitos casos pode ser a grande herança deixada pelo esporte à aqueles que praticaram durante a infância e adolescência, ainda segundo( Paes 2002), o esporte é pedagógico e educativo, pois cria obstáculos e desafios, convívio com regras, relacionamento com diferentes personalidades, e até educativo a partir do momento que sua prática não for uma obrigação e sim um prazer.

Tudo isso é possível de ser trabalhado e desenvolvido, mas como explicar o talento natural, a vocação de alguns poucos para o futebol, segundo ( Freire, 2006), apresentam maiores habilidades devido talvez a experiências vividas, talvez fatores genéticos, quem sabe ambas as coisas permitam que os mesmos apresentem mais facilidade que outros na pratica do futebol.
Em um grupo de 20 a 30 alunos todos trabalham em um espaço com as mesmas condições, com bolas iguais, com o mesmo professor, então porque um desenvolve muito mais do que o outro? Existem poucos artigos a respeito, porém o que é certo é que ninguém ensinou aos grandes talentos fazer coisas geniais, raciocinar na frente dos demais, prever alguma situação a frente dos demais, ninguém ensina, forma ou prepara um diferente, ele já nasce.

Conclusão

Podemos acreditar que o futebol é maravilhoso para o desenvolvimento físico, psicológico, cognitivo, social, por isso é cada vez maior o fluxo nas escolinhas de futebol, além do prazer, dos inúmeros benefícios, ele traz um desenvolvimento técnico – tático considerável dentro da limitação individual de cada um de seus praticantes, porém nenhum trabalho por mais qualificado e estruturado que possa ser supera a vocação, o talento natural, inúmeros fatores terão influência no futuro de todos seus praticantes, porém não existe outro maior que esse, só os que possuem tem possibilidade de alcançar o sucesso, algo que não se explica de onde vem e porque se desenvolve em tão poucos, porém nem todos conseguem ter essa visão, então é natural que desperte sonhos de crianças, adolescentes, pais, familiares, amigos.

O futebol é para todos, brilhar é para poucos!

Bibliografia

Alves C. Lima, R.V.B, impacto da atividade física e esportes sobre o crescimento e puberdade das crianças e adolescentes. Revista Paulista de pediatria, São Paulo, v.26, N. 4, pagina383-391, dez. 2008.

Bergeron, M.F, Improving health through youth sports:Is participation enough? New directions for youth development. San Francisco V.6, N.115, Pag.22-41. Oct 2007

Figueira F.M & Schwartz, G M. Torcida Familiar: A complexidade das inter relações na iniciação esportiva no futebol. Rev.Port.Ciên.Desp. Agosto 2007, vol.7, Numero 2, Pag.245 à 253.

Freire, João Batista – Pedagogia do Futebol, João Batista Freire – 2 Ed. Campinas – SP

Greco, Pablo Juan, Benda, Rodolfo Novelino(org), Iniciação Esportiva Universal 1: Da aprendizagem motora ao treinamento técnico, 1º reimpressão, Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2001.

Jacobs, Claudia Silva, 1966, Futebol exportação e Scaglia, Alcides José, Escolinha de Futebol, Uma questão pedagógica, Campinas, Motriz, 1996.

Negrão, Carlos Eduardo, Os mini campeões, caderno de pesquisa, laboratório de avaliação da Escola de Ed. Física – USP, São Paulo, pag.28-33, Agosto 1980.

Weineck, Jurgen. Treinamento Ideal, 9º Edição, São Paulo, Manole, 1999. 

Comentários

Deixe uma resposta