Universidade do Futebol

Rodrigo Barp

14/01/2013

Imagina o legado da Copa

A frase "imagina na Copa" já se tornou célebre. Em redes sociais, na publicidade de cerveja patrocinadora do evento. Em particular, para se questionar e desafiar a capacidade de entrega do Brasil perante aquilo que se comprometeu e aquilo que prometeu.

Ironizar é o tom. Mais um motivo foi dado para que se ironize como o país do futebol trata o maior evento mundial desse esporte em oportunidade para construir um legado também social.

A Associação das Prostitutas de Minas Gerais irá oferecer cursos de inglês para suas filiadas. E também de português. A intenção é melhorar a competitividade em tempos de Copa e poder atender bem os clientes.

Sabe-se que o turismo sexual é um dos maiores problemas que o Brasil enfrenta, uma vez que, no Nordeste, principalmente, a exploração infantil nesse segmento é flagrante. Não deveria ser o legado e imagem que deveríamos projetar para o mundo.

A Escola Friedenreich, uma das melhores do Brasil, iria ser destruída também, no complexo do novo Maracanã, para virar estacionamento do estádio. Houve mobilização social intensa, que fez com que o tombamento da escola impedisse, até agora, a demolição.

O Museu do Índio, também localizado no mesmo complexo, será demolido. Índios que moram no local resistem, até o momento, à reintegração de posse pretendida pelo Governo do Estado do Rio de Janeiro.

Ainda, no mesmo espaço do novo Maracanã, a iminente demolição do estádio de atletismo Célio de Barros, centro de formação e de prática esportiva importante para a comunidade.

Parece que a discussão séria e consistente com a sociedade sobre o legado da Copa não foi importante ao longo destes anos de preparação para o evento.

Se é que houve tal discussão. Tudo indica que foi algo impositivo, tendo o Estado Brasileiro a Fifa como bode expiatório de plantão, para lhe imputar a culpa sobre a obrigatoriedade de seguir os famosos "cadernos de encargos".

Visitei uma comunidade alemã, distante 70 km de Curitiba, neste fim de semana. Lugar muito agradável, com bons serviços de gastronomia e algo de turismo rural e de aventura. Um colono entusiasmado da região contava sobre seus planos de ampliar o restaurante que mantém, "por que, imagina na Copa, ano que vem, a quantidade de turista que vai ter aqui".

O diálogo entre os governos e a população, sobre causas e consequências da Copa do Mundo, foi muito pobre. Isso provoca discrepância de expectativas. Ou se critica demais a realização do evento no país. Ou se exalta demais.

Típico de um país ainda pobre em democracia.

Para interagir com o autor: barp@universidadedofutebol.com.br

Comentários

Deixe uma resposta