Universidade do Futebol

Cespef

29/08/2007

Influência da idade na seleção de atletas para a categoria sub-15

Muitos critérios são utilizados na seleção de atletas para integrarem equipes de competição nos clubes de futebol. Devido à grande exigência do esporte em relação à força física e condições fisiológicas aprimoradas dos atletas, a grande parte dos treinadores e preparadores físicos têm demonstrado uma tendência em dar preferência a atletas nascidos no 1º semestre do ano, por considerar estes mais qualificados. A diferença de idade entre indivíduos de um mesmo grupo etário ou “ano-acadêmico” é chamada de idade relativa e sua conseqüência é chamada de Efeito da Idade Relativa – EIR(Musch e Grondin, 2001).

No esporte competitivo observa-se muitas vezes que indivíduos nascidos no início do ano competitivo predominam numericamente sobre aqueles nascidos no final do ano competitivo. Tal fato torna-se mais evidente em categorias de base, sendo que conforme há um avanço na faixa etária em categorias profissionais, tais freqüências tendem a modificar, ou seja, o EIR torna-se menor. Diferenças na idade relativa próxima de 12 meses podem resultar em significativas variações antropométricas dentro de um mesmo grupo (Helsen et al, 2005). Entendemos que em categorias de base as diferenças advindas da idade relativa, sejam de ordem física ou cognitiva, podem levar ao favorecimento da performance final, inclusive por um produto da maior motivação. Neste contexto, a competência observada e a motivação extrínseca acabam por favorecer a adesão à prática esportiva, bem como pode incorrer em frustração e conseqüente abandono quando o jovem atleta sente-se desfavorecido em relação aos seus companheiros.

Em estudo realizado com 16 equipes infantis (sub 15) de clubes profissionais do Brasil, foi possível verificar a tendência das equipes em selecionar seus atletas a partir da idade cronológica, dando preferência a atletas nascidos no 1º semestre, supondo que estes terão condições físicas e técnicas mais aprimoradas.

Foram observados 320 atletas, categoria Infantil (sub 15), com idade de 14,69 ± 0,35 anos, participantes da Copa Brasil sub 15 de futebol.

Após aplicação da análise estatística, os resultados demonstraram que existe uma forte tendência em selecionar as equipes convocando atletas nascidos preferencialmente no 1º semestre do ano equivalente a categoria; no caso deste trabalho, a categoria Infantil (sub 15). De acordo com a Tabela 1, dos 320 atletas das 16 equipes participantes da competição, 261 são nascidos no 1º semestre, enquanto 59 são nascidos no 2º semestre. Entre os atletas considerados titulares e reservas, houve diferença significativa nos percentuais entre o número de atletas nascidos no 1º e 2º semestre, sendo 81,8% dos titulares e 81,2% dos reservas nascidos no 1º semestre, enquanto que somente 18,2% dos titulares e 18,8% dos reservas são nascidos no 2º semestre, comprovando a tendência das equipes em selecionar atletas nascidos preferencialmente no 1º semestre.

Tabela 1:

Semestre Idade (anos)
  Titular Reserva
1º Semestre 14,80 ± 0,16 14,81 ± 0,16
n (261) 144 117
% 81,8* 81,2*
2º Semestre 14,15 ± 0,26 14,01 ± 0,32
n (59) 263)) esses atletas al de pessoas classificadas poriç 32 27
% 18,2* 18,8*
n total (320) 176 144

Considerando a idade cronológica, podemos observar de acordo com os resultados que a grande tendência das equipes é realmente trabalhar com atletas considerados mais velhos, ou seja, nascidos no primeiro semestre. Os atletas utilizados neste trabalho são atletas de equipes consideradas as melhores do país nesta faixa etária, justamente por ser esta competição considerada como Campeonato Nacional da categoria. As equipes têm se baseado no fator idade para selecionar os atletas, por considerar que os atletas mais velhos têm uma tendência a serem mais desenvolvidos fisicamente, com condições fisiológicas mais aprimoradas, a ponto de se tornar um fator de desequilíbrio durante uma partida.

Outro fator importante a ser levado em consideração é que a fase do pico do estirão de crescimento ocorre por volta dos 14 anos nos meninos, fase na qual mudanças bruscas ocorrem em todo o organismo, exigindo um cuidado maior na preparação desportiva geral dos atletas situados nesta faixa etária.

Por não considerar estágio maturacional, novos estudos estão sendo realizados para elaborar uma conclusão mais precisa baseada na idade cronológica, maturacional e desempenho, visto que fases agudas do desenvolvimento maturacional podem estar em diferentes velocidades de crescimento em atletas de mesma idade cronológica.

Bibliografia

HELSEN, W.F; WINCKEL, J.V. e WILLIAMS, M. The relative age effect in youth soccer across Europe. Journal of Sports Sciences, 23 (6), 629-36, 2005.
MUSCH, J e GRONDIN, S. Unequal competition as an impediment to personal development: a review of the relative age effect in sport. Developmental Review, 21, 147-67, 2001.

Outras leituras sugeridas

BOUCHER, J.L. e MUTIMER, B. The relative age phenomenon in sport: A replication and extension with ice-hockey players. Research Quaterly for Exercise and Sport, 65, 377-
81, 1994.
MALINA, R.M. Physical growth and biological maturation of young athletes. Exercise and Sport Sciences Reviews, 22, 389-434, 1994.
REILLY, T; WILLIAMS, A.M; NEVILL, A. e FRANKS, A. A multidisciplinary approach to talent identification in soccer. Journal of Sports Sciences, 18, 695-702, 2000.
VAEYENS, R; PHILIPPAERTS, R.M. e MALINA, R.M. The relative age effect in soccer: A match-related perspective. Journal of Sports Sciences, 23 (7), 747-56, 2005.
WILLIANS, AM e REILLY, T. Talent identification and development in soccer. Journal of Sports Sciences, 18 (9), 657-67, 2000.

Comentários

Deixe uma resposta