Universidade do Futebol

Artigos

26/05/2013

Iniciação esportiva – aspectos positivos e negativos da especialização esportiva precoce no futebol

As Modalidades Esportivas Coletivas, desde a sua origem, têm sido praticadas pelas crianças e adolescentes dos mais diferentes povos e nações. Sua evolução é constante, ficando cada vez mais evidente seu caráter competitivo, regido por regras e regulamentos (Teodorescu, 1984).

Entre todas as Modalidades Esportivas Coletivas praticadas com bola, o futebol é a mais apaixonante e que exige combinações mais complexas do sistema neuromuscular. Sua história ou pré-história inicia na Ásia, primeiro na China, com o chamado Tsú Chu, umas das primeiras referências ao jogo praticado com as mãos e com os pés, e, depois na era medieval, no Japão, com o nome de Kemari (Rose Junior, 2006).

Na sociedade contemporânea, o futebol tem se mostrado um fenômeno de grande relevância sociocultural e é, também, amplamente vivenciado pelo brasileiro em seu cotidiano e ressignificado a partir de sua institucionalização e de sua apropriação pelos diversos grupos sociais. (Valentin; Coelho, 2005).

Filgueira e Schwartz (2007) diz que no Brasil o futebol é um fenômeno cultural que cativa e impressiona pela sua grandeza, cuja prática tem crescido rapidamente, envolvendo um número significativo de participantes, desde a infância até a vida adulta. O futebol é para os brasileiros, sem dúvida, mais do que um esporte: uma paixão que faz parte da cultura.

Muitos jovens brasileiros sonham em um dia poder ser um atleta profissional de futebol, na intenção de unir a paixão que sentem pelo esporte à perspectiva de um futuro melhor para si e suas famílias , com isso passam a praticá-lo vendo-o como um caminho mais rápido de conseguirem sucesso e independência financeira.

Para isso, muitos acabam recorrendo às escolinhas de futebol para se aperfeiçoarem nas técnicas desse esporte e assim adquirirem a formação necessária que possa levá-los um dia a ser um atleta profissional.

O que antes era "privilégio" de prefeituras e clubes, hoje está sendo explorado, por agências, ex-atletas e clubes nas formas de escolhinhas de futebol .

Scaglia (2006), mostra que as escolinhas ganharam espaço com a expansão imobiliária que acabou provocando o desaparecimento de muitos campos de várzea existentes nas médias e grandes cidades brasileiras. Implantadas como alternativa para a formação de novos atletas para o futebol brasileiro, as escolinhas fizeram com que o futebol, que antes era jogado de forma aberta e espontânea nos campos de peladas espalhados pelo Brasil, passasse a ser praticado em locais quase sempre fechados – muitos deles sob a responsabilidade de ex-atletas – que viram nisso uma oportunidade de poderem repassar aos seus alunos o que aprenderam dentro do futebol, e também uma forma de explorarem lucrativamente essa atividade.

Não é o suficiente que alguém tenha jogado futebol para ser um técnico deste esporte (Lembrando que existem profissionais altamente capacitados que foram atletas e tornaram-se excelentes treinadores , posteriormente em equipes profissionais), no que se refere ao treinamento ou trabalho com crianças.

É necessário, também, que este profissional conheça sobre o que Zakharov (1992) citado por Gomes e Machado (1999) chama de períodos sensitíveis do treinamento, que são os períodos etários em que as influências específicas de treino no organismo humano provocam elevada reação de resposta, que assegura os ritmos consideráveis de crescimento da função em treinamento; que ele tenha conhecimentos suficientes sobre a anatomia da criança; que possua boa preparação psicológica e amplo conhecimento específico; é preciso ter noções das etapas de desenvolvimento desportivo até atingir a fase adulta competitiva; e que ele saiba com aproveitar as fases de desenvolvimento da criança.

Este trabalho levando em consideração o crescente numero de escolhinas de futebol e o numero elevado de profisionais que se interessam pela area ocupa-se de criar subsídios aos profissionais que atuam na área do ensino/ treinamento de futebol para crianças.

Há intenção aqui não é, entretanto, formar uma única maneira de treinamento para essa faixa etária. Mas, sim, fazer com que os profissionais que dele tomarem conhecimento, sejam levados a refletir sobre os treinamentos, buscando outros caminhos, auxiliando o desenvolvimento não só do futebol – levando até a realização de estudos futuros, uma vez que há pouca literatura sobre o tema.

Especialização Esportiva Precoce

A Especialização Precoce (EP) é um processo que vem sendo a tempos discutido por especialistas em treinamento esportivo, e consequentemente no meio futebolístico.Para Personne (1987) "iniciação esportiva precoce" é a atividade esportiva desenvolvida antes da puberdade, caracterizada por uma alta dedicação aos treinamentos (mais de 10 horas semanais) e principalmente por ter uma finalidade eminentemente competitiva.

Já Kunz (1994), referindo-se a "treinamento especializado precoce", entende que este ocorre quando crianças são introduzidas antes da fase pubertária a um processo de treinamento planejado e organizado a longo prazo , que se efetiva em um mínimo de três sessões semanais com o objetivo do gradual aumento do rendimento, além da participação periódica em competições.

Para Krebs (1992), a especialização se da quando o atleta tem um sistema de treinos levados a picos máximos de sua capacidade, acompanhados de competições de nível elevado, havendo um relacionamento em tempo quase que integral entre o técnico e o atleta.

Iniciação Esportiva no Futebol

Para aprender a jogar um esporte qualquer, uma criança deve ter a oportunidade de experimentar um número grande de situações. Cada situação dessas será responsável pela abertura de um grande número de possibilidades, sendo que, cada possibilidade dessas, quando for experimentada, poderá abrir outras tantas.

Ao final de um longo processo, o acervo de possibilidades motoras, intelectuais, sociais, morais, e assim por diante, disponível no jovem que se formou nesse esporte, será imensamente mais amplo que no jovem formado em uma equipe ou escolinha que lhe impôs um sistema de superespecialização (Freire, 2002).

O primeiro fator a ser considerado são as fases de desenvolvimento físico da criança. Existe uma série de transformações ou mudanças da estrutura física da criança na faixa de idade da iniciação no futebol, compreendida nas chamadas categorias menores de 07 á 13 anos de idade.

É importante considerar, na iniciação esportiva, a idade biológica, o nível de coordenação motora e o grau de inteligência para a elaboração das atividades a serem desenvolvidas pela criança, a fim de contribuir com o maior número de vivências motoras possíveis.

Na formação de base, todas as coisas devem ser aprendidas por experiências as mais diversificadas possíveis (Freire, 2002). Haveria outro caminho a seguir no desenvolvimento esportivo que não esse percorrido tradicionalmente, que inclui, nos casos extremos, especialização precoce, contusões, limitações da inteligência, excessos de treinamento?

Claro que há, e foi seguido por vários excepcionais atletas do futebol, entre eles, Garrincha, Pelé e Maradona, que aprenderam enquanto brincavam, como qualquer criança de vida normal. Fossem nossos técnicos esportivos melhores observadores, encontrariam nesses fenômenos esportivos a orientação mais segura para suas pedagogias (Freire, 2002).

A prática do futebol, na iniciação esportiva, se manifesta através do jogo, nas diversas manifestações lúdicas que podem ser instituídas na aprendizagem do futebol.

O jogador de qualidade é aquele que vivencia um número enorme de possibilidades e, para cada situação do jogo, ele encontra a melhor. O jogador de hoje tem poucas possibilidades, imposta por rotinas exaustivas e limitadas, portanto, formando um jogador de pouca qualidade, o que torna o jogo de menor qualidade com movimentos estereotipados, sem qualidade. Por isso, estamos cada vez mais frequentemente vendo jogadores de baixo nível técnico e equipes de péssima qualidade.

Aspectos Negativos Da Especialização Esportiva Precoce

Aspectos físicos

Negrão (1980) alerta para os danos físicos que podem ser ocasionados pelo esporte altamente competitivo praticado em idade precoce. O trabalho muscular intenso excessivo, associado a sobrecarga emocional que a competição provoca, pode ocasionar perturbações no desenvolvimento normal da criança, principalmente no ritmo do crescimento em altura e no desenvolvimento somático, funcional e intelectual.

O esporte competitivo implica treinamentos específicos de cada modalidade, o que poucas vezes vem ao encontro das necessidades fisiológicas da criança. Para Negrão (1980), crianças só podem suportar esforços reduzidos, fisiologistas renomados, são unânimes em afirmar a importância de treinamento aeróbico para crianças.

Nahas (1980) diz ainda que,quando a intensidade e a frequência das atividades competitivas são grandes e extrapola o ambiente escolar e grupal, exigindo da criança um grau de especialização incomum para a idade em que se encontra, passam a existir dúvidas consideráveis sobre se os benefícios para um desenvolvimento ótimo são importantes bastante para se desprezarem os perigos de lesões e traumas psicológicos (às vezes irreparáveis) .

As possíveis consequências de se especializar a criança precocemente estão diretamente ligadas ao fato de se adotar, por longo período de tempo, uma metodologia incompatível com as características, interesses e necessidades dela. Logo, os possíveis efeitos podem não se manifestar diretamente, mas no decorrer de temporadas (Santana, apud Ramos e Neves, 2008)

A respeito disso, Kunz (1994) apud Ramos e Neves (2008), diz que os maiores problemas que um treinamento especializado precoce provoca sobre a vida da criança e especialmente seu futuro, após encerrar a carreira esportiva, podem ser enumerados como:

a) formação escolar deficiente, devido à grande exigência em acompanhar com êxito a carreira esportiva;

b) a unilateralização de um desenvolvimento que deveria ser plural,

c) reduzida participação em atividades, brincadeiras e jogos do mundo infantil, indispensáveis para o desenvolvimento da personalidade na infância.

Santana (2005) apud Ramos e Neves (2008), acrescenta mais alguns riscos da especialização precoce na criança:

a) stresse de competição: que se caracteriza por um sentimento de medo e insegurança, causado principalmente por conflitos oriundos de uma prática excessivamente competitiva. A criança, neste caso, tem medo de errar, sente-se insegura e com a auto-estima ameaçada;

b) saturação esportiva: que se manifesta quando a criança apresenta sinais de desânimo (enjôo) e desinteresse em continuar a prática do esporte. Sente-se, assim porque o praticou em excesso e quer abandoná-lo.

Teixeira (1981) diz, durante nossa longa vivencia esportiva, o que chamamos de "síndrome da saturação esportiva". Indivíduos que iniciaram muito cedo a pratica esportiva especializada são acometidos por essa síndrome, caracterizada por certa aversão pelo esporte que praticam, exatamente naquele momento em que deveriam praticá-lo com mais intensidade (adolescência).

Também é bastante discutido o fato estarem desde muito cedo especializados em determinada função, no caso dos jogadores de futebol, limitando–os a uma posição específica dentro da equipe, o que, certamente, pode limitar suas possibilidades de ação no futuro.

Exemplo bem característico deste acontecimento é o fato de muitos treinadores optarem por relacionar alguns jogadores, que se apresentam em estágios de crescimento mais avançados que a média para a categoria, para jogarem exclusivamente de atacantes aproveitando da maior força adquirida com o crescimento.

Porém, mesmo com todo êxito conseguido na juventude, muitos destes jogadores falham em idades mais avançadas por não serem capazes de atuar contra jogadores que apresentam níveis de força equiparados ou mesmo superioresuma realidade nas idades mais avançadas e nos profissionais.

Aspectos Positivos da Especialização Esportiva Precoce

Segundo Estigarriba (2005), a criança na prática esportiva vivência a cooperação, o convívio social, desenvolve o respeito pelos outros, a competitividade sadia, o espírito de equipe, disciplina e a persistência.

Nunes e Gonçalves (2008) entrevistaram os professores das instituições que participaram do campeonato: Copa Bahamas de Futsal 2007 e de acordo com a opinião dos entrevistados, são apresentados como aspectos positivos fundamentais em uma competição: o entrosamento, a convivência, o lúdico, o espírito de grupo, a coletividade, o respeito às regras, a integração, a participação, a responsabilidade e o aprendizado que se tira com a vitória com a derrota.

Mostrando-se assim que o esporte ou a prática esportiva nas categorias de iniciação é muito mais do que competir, que ganhar e perder, é ter motivação, é viver momentos, e fazer amigos, além de desenvolver o físico e o bem-estar.

Considerações Finais

A iniciação ao futebol é ideal para adquirir habilidades coordenativas motoras básicas. A princípio, o treinamento técnico deve objetivar a aprendizagem de movimentos, e não o gesto técnico específico do futebol.

Deve-se lembrar que a criança é levada à prática do influenciado pelo meio e aspirando tornar-se um atleta profissional de futebol. Mas, para que isto aconteça, deve-se considerar que este pequeno atleta não pode ser submetido ao mesmo processo de formação técnica e competitiva dos adultos.

O trabalho feito com crianças deve ter a adaptação adequada para ela, considerando seu desenvolvimento, além de respeitar também os seus interesses. Gomes e Machado (1999)

WeineckK (1991) diz que no período dos 09 aos 12 anos, a criança encontra-se na primeira infância escolar (09 anos) e infância escolar tardia (10/11 e 12 anos). Este período de tempo compreende a época de melhor aproveitamento para a aprendizagem dos gestos esportivos sem, entretanto, propor a formação especificada de gestos.

Isto explica-se pelo fato de que a criança nesta idade já passou por um período de aprendizagem multilateral e plurificado, formando uma ampla gama de movimentos generalizados, que formam uma base consistente para o aprendizado de movimentos com maior teor técnico.

A estratégia ou planejamento tático deve ser simples sem muitas variações de jogo (defensivas e ofensivas), podendo ser em forma de jogos reduzidos com elementos e objetivos essenciais ao jogo formal.

Para concluir, lembramos que a criança não é um adulto em miniatura e que o professor além de sua tarefa técnica, também deve ter responsabilidade pedagógica com o futuro da ciança a ele confiado.

Bibliografia

ESTIGARRIBIA, R. C. Aspectos relevantes na iniciação ao futsal. Dissertação (Monografia em Educação Física e Ciência do Desporto da Pontifícia) – Universidade Católica do Rio Grande do Sul, (PUCRS). Porto Alegre: 2005.

FILGUEIRA, F. M.; SCHWARTZ, G. M.. Torcida familiar: a complexidade das interrelaçõesna iniciação esportiva ao futebol. In: Rev. Port. Cien. Desp., v.7, n.2, 2007. p.245-253.

FREIRE, João Batista. Pedagogia do Futebol. 2. ed. Campinas: Autores Associados (Coleção educação física e esportes), 2003.

FREIRE, João Batista. A especialização precoce no esporte. De Corpo Inteiro. decorpointeiro.com.br

KREBS, R. J. Da estimulação à especialização: primeiro esboço de uma teoria da especialização motora. Kinesis, v. 9, 1992, p. 29-44.
NUNES J.A.B, GONÇALVES A.C.L. Revista Digital – Buenos Aires – Año13 – N° 120 – Mayo de 2008 http://www.efdeportes.com/

KUNZ, Elenor. Transformação didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Unijuí, 1994

MACHADO AA; PRESOTO, D. Iniciação esportiva: seu redimensionamento psicológico. In: BURITI, M. A. (Org.). Psicologia do esporte. 2. Ed. Campinas: Alínea, 2001. p. 19-48.

NAHAS, Markus Vinícius. A competição e a criança. Comunidade Esportiva, Universidade Federal de Santa Catarina (Centro de Desportos), p. 2-5, 1980.

NEGRÃO, Carlos Eduardo. Os mini-campeões. Caderno de Pesquisa – Laboratório de Avaliação da Escola de Educação Física – USP, São Paulo, (34), p. 28-33, ago. 1980.

NUNES ,Julianna de Alcantara , GONÇALVES, Ana Carla Leite, Especialização Precoce no Futsal – Vantagens e Desvantagens, Revista Digital – Buenos Aires – Año13 – N° 120 – Mayo de 2008 in http://www.efdeportes.com/

RAMOS AM,NEVES RLR,A iniciação Esportiva e a Especialização Precoce à Luz da Teoria da Complexidade.Revista Pensar a pratica. Vol.11, Nº 1 Janeiro-Junho 2008 p.1-8

ROSE JUNIOR, D. Modalidades Desportivas Coletivas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

SANTANA, Wilton Carlos de. Iniciação esportiva e algumas evidências de complexidade. In: SIMPÓSIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS DO SUL DO BRASIL, 14., 2002, Ponta Grossa. Anais… Ponta Gros-sa: Universidade Estadual de Ponta Grossa, 2002. p. 176-180.

____. Uma proposta pedagógica para o futsal na infância. Disponível em: . Aces-so em: 27 jul. 2005.

SCAGLIA, A. J. O Futebol que se aprende e o futebol que se ensina. Dissertação de Mestrado. Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, 1999.

TEODORESCU, L. Problemas de teoria e metodologia nos jogos desportivos. Lisboa: Livros Horizonte, 1984.

VALENTIN, R. B., COELHO, M. Sobre as escolinhas de futebol: processo civilizador e práticas pedagógicas. Motriz, Rio Claro, v. 11, n. 3, p.186-197, 05 set. 2005.

ZAKHAROV, A. Ciência do treinamento desportivo. Adaptação científica Antonio Carlos Gomes. Rio de Janeiro: Grupo Palestra Sport, 1992.

WEINECK, J. Biologia do esporte. Traduzido por Anita Viviane. São Paulo: Manole, 1991.

Comentários

Deixe uma resposta