Universidade do Futebol

Entrevistas

24/08/2012

Jaime Morente Sánchez, treinador da base do Granada

Na bela e histórica cidade de Granada, situada na ensolarada Andaluzia, à beira da Serra Nevada, um clube de 83 anos, com a ajuda da Udinese, da Itália, passou por uma recente e notável ressurreição. O resultado? Sensacionalmente, a equipe subiu da quarta divisão da Espanha para a primeira em poucos anos.

O Granada FC está realmente crescendo e florescendo em todas as áreas, e isso é especialmente evidente nas categorias de base, que foram reestruturadas e rejuvenescidas por um jovem treinador com muita visão para o futuro. Trata-se de Jaime Morente Sanchez

Em contraste com a abordagem de jovens sub-17 na Holanda, por exemplo, Jaime trabalha principalmente dentro do princípio e do modelo da Periodização Tática, metodologia desenvolvida por Vítor Frade em Portugal e que teve em José Mourinho um dos principais dissipadores.

Nos últimos anos, o futebol espanhol se tornou uma das forças mais dominantes na Europa e no mundo, com as conquistas nacionais e dos clubes, refletindo no brilho de tantos atletas revelados nos departamentos amadores locais.

Agora, equipes, ambientes de aprendizagem e desenvolvimento que produziram esses excelentes jogadores espanhois tornaram-se ponto de referência e ambição para as demais escolas.

No “cadete” do Granada, uma marca especial é a capacidade tática e técnica, juntamente com o condicionamento físico, que normalmente só é adquirido através da maturidade. Algo que segue a linha, em se considerando as devidas proporções, da “cantera” do Barcelona.

A Soccer Coaching International, parceira da Universidade do Futebol, viajou para a Andaluzia e se reuniu com Jaime Morente Sánchez e sua comissão técnica para falar sobre as realizações e a visão para o futuro.

“Com a subida do Granada para a La Liga, o clube tem real aspiração e ambição”, revelou o treinador de 25 anos.

 

 

Universidade do Futebol – Fale primeiramente sobre sua formação acadêmica e a trajetória no futebol profissional.

Jaime Morente Sánchez – Minha especialidade é definitivamente o futebol. Eu terminei o curso de Licenciatura em Educação Física que se centrou na modalidade, e eu ainda colaboro regularmente com a Universidade de Granada.

Faço palestras sobre esportes a estudantes e futuros treinadores em diversas áreas, desde corredores de mountain bike ate jogadores de beisebol, treinadores de hóquei e sem mencionar o grande número de futebolistas.

Com cada aluno eu foco no aspecto de treinamento físico. E também trabalho na Faculdade de Ciências do Esporte realizando pesquisas em diversas áreas.

Aliado a tudo isso, mantenho minha posição como treinador do Granada nesta temporada.



Jaime Morente, além de treinador do time sub-17, colabora regularmente com a Universidade de Granada: integração com o ambiente acadêmico

 

Universidade do Futebol – O que representou o retorno da equipe principal do Granada à primeira divisão do futebol espanhol depois de 35 anos?

Jaime Morente Sánchez – Devido à promoção da equipe profissional do Granada, o clube tem real aspiração e ambição, e queremos manter este nível com os jovens jogadores com mais talentos para chegarem à equipe profissional.

Para facilitar isso, precisamos de sistemas de formação e treinamento, algo que eu senti falta desde o início e realizei algumas mudanças. Agora o processo está totalmente instalado e funcionando.

A direção é conferida com uma visão de formação dos jovens jogadores que nem sempre tem sido prioridade aqui. Para mim, isto é iniciado, ou se baseia na maneira como você procura jogar, sendo a ultima instância o produto final.

Mesmo durante a temporada passada na segunda divisão, o jogo de bola longa ainda era o favorito. Agora queremos apresentar um futebol mais atraente, com um modelo padrão para treinar e jogar. E isso é particularmente enfatizado com a base.

Jogar futebol organizado por trás, sair jogando com paciência e tendo várias opções, baseado no jogo com tabelas, priorizando uma série de movimentos e mudanças de posição e ainda utilizando o campo e os espaços de forma otimizada.

Pretendemos realizar isso com os juvenis, jogando na formação no 1-4-2-3-1, com o uso de muitas variantes e dinâmicas dentro do nosso estilo de jogo.

 


 

 

Universidade do Futebol – Algumas pessoas costumam criticar a queda de desempenho da equipe sub-17 do Granada fora da Andaluzia. Qual é a explicação?

Jaime Morente Sánchez – Não é uma desculpa, mas às vezes os nossos jogadores têm dificuldades para o seu melhor desempenho nos campos maiores, e este é particularmente o caso na região de Málaga, onde quase todos os clubes têm campos muito longos, até o tamanho máximo, mas muito estreitos.

Esse fator não ajuda os nossos objetivos e o estilo desejado de jogar. Às vezes, quando as coisas não estão indo bem, os jogadores voltam para aquele padrão de “bola longa” muito rapidamente.

Mesmo quando os resultados são ruins, o objetivo permanece o mesmo durante toda a temporada.

Universidade do Futebol – De que modo a Periodização Tática está presente em sua metodologia de treinamento?

Jaime Morente Sánchez – Trabalhamos dentro desse princípio e dentro de um cronograma anual vamos cobrir a grande quantidade de facetas da nossa forma de jogar, o estilo de jogo e os componentes táticos importantes.

Nós treinamos tudo como um todo: técnica, tática e condicionamento físico, bem como os aspectos sociais e psicológicos. Todas as habilidades que um jogador de futebol deve ter são processadas em uma programação que abrange todo o ano e tem de ser seguida.

Este é o objetivo, acima e além dos resultados, e trabalhamos sempre para melhorar a equipe como um todo.

Na verdade, eu diria que Periodização Tática é a construção, intensificação e otimização da forma de jogar, com a parte do jogo representando determinados sistema e visão, em que você produz as potenciais qualidades dos jogadores, deixando a equipe crescer com qualidade e esperando obter bons resultados para satisfazer aqueles que creem que isso é importante.
 

 



Bruno Pivetti, preparador físico do Audax São Paulo e autor do livro “Periodização Tática: o futebol arte alicerçado em critérios”

 

Universidade do Futebol – O que você destacaria na sua equipe? Que tipo de ações de treino são bem representadas em jogo?

Jaime Morente Sánchez – Em Periodização Tática, quatro momentos-chave no futebol são executados toda vez. São eles: a organização defensiva, a organização ofensiva e então as duas fases de transição, quando, sem a posse e ganhando a posse, e de posse e perdendo a posse.

Em cada treinamento, os momentos-chave devem ser visíveis em algum lugar e deve ser dada atenção pelo treinador, mesmo que seja em um nível mínimo.

Ao dar atenção para esses aspectos em um nível mais profundo de aprendizagem e realmente incorporando essa filosofia, eles se tornam mais atentos às suas tarefas e funções.

A melhoria das qualidades de toda a equipe e de todos os indivíduos em todos os quatro momentos-chave é o foco de longo prazo. E mesmo se os resultados são ruins, este permanece o principal objetivo do treinamento durante toda a temporada.


A essência tática (e/ou complexa?) do jogo de futebol

 

 

Universidade do Futebol – Como se define a estratégia de trabalho da sua equipe?

Jaime Morente Sánchez – Trabalhamos passo a passo, construindo gradualmente para o desempenho ótimo e para um melhor estilo de jogo. Com organização defensiva, damos uma atenção extra à pressão dos meio-campistas e atacantes o tempo todo, que serve para desenvolver seu jogo taticamente.

Então, melhorando a tática, melhora-se também a técnica, o conhecimento tático e a velocidade de execução dos jogadores. Isso servirá para desenvolver o aspecto tático da organização defensiva e obter a equipe a pressionar para jogar.

Dentro dessa maneira de trabalhar, é importante levar em consideração o calendário correto de sessões de treinamento, as diferentes tarefas e funções dos jogadores e da correspondência adequada de exercícios.

Um lateral-direito ou esquerdo que tem que cobrir toda a faixa do campo não vai ter sempre que participar de alguns outros aspectos do jogo. Assim, por exemplo, digamos que você quer melhorar a colaboração dos dois zagueiros centrais e dos dois volantes e sair jogando mesmo sob pressão do adversário com mais facilidade. Este aspecto e estes jogadores seriam o foco. Então, nós adicionamos a ênfase condicional e específica da posição que o jogador precisa e você tem uma receita para o sucesso.


Um por todos, todos por um: a complexidade do jogo e do futebol

 

Universidade do Futebol – Você deve considerar, também, a especificidade de cada atleta, seja em relação ao aprendizado, seja no que se refere ao próprio desempenho, correto?

Jaime Morente Sánchez – Claro. Seria conveniente se os jogadores fossem todos iguais e aprendessem com o mesmo método e no mesmo grau, mas na verdade quão chato e desinteressante que seria imaginar todos os jogadores sendo os mesmos?

Assim que nós tratamos todos de forma diferente, como indivíduos, adaptamos o que fazemos e treinamos. Alguns aprendem e desenvolvem de formas variantes, enquanto outros se esforçam como os outros não fazem. Por isso temos que ser muito cuidadosos para não treinar demais os jogadores; tanto no sentido físico, quanto cognitivamente, sobrecarregando os processadores de aprendizagem.
 

 

Ter um esquema tático bem definido garante sucesso a uma equipe? Faça agora mesmo o curso Introdução aos Aspectos Táticos do Futebol

  

 

Universidade do Futebol – Que tipo de feedback a comissão técnica passa aos jogadores? Há uma boa integração entre os gestores técnicos de campo?

Jaime Morente Sánchez – Nós usamos análise de vídeo para avaliar o desempenho e continuar a evoluir os nossos sistemas de reflexão no âmbito da formação dentro da Periodização Tática. Esta fornece um recurso muito útil e uma referência para o acompanhamento de aprendizagem e desenvolvimento, e é igualmente, se não mais importante para os jogadores, do que para a comissão técnica.

Com meus assistentes Pablo Peribanez e Cristobal Fuentes, coletivamente realizamos um constante desenvolvimento e crescimento para a equipe. Estamos sempre revendo nossos objetivos acordados, acrescentando aspectos mais táticos e ajustando as condições para os planos individuais de aprendizagem, para maximizar as habilidades potenciais dos jogadores.

O papel do treinador é fundamental, certificando-se de intervir apenas quando necessário e apropriado, mantendo um bom relacionamento com os jogadores, comunicando a eles o caminho certo.

Como treinador que trabalha com a Periodização Tática, é preciso garantir que os objetivos se mantenham em foco, assegurando simultaneamente a inclusão de todos os outros princípios de técnica, habilidade e treinamento dos aspectos multifuncionais.
 

 

O Novo Preparador Físico do Futebol: faça agora mesmo o curso online da Universidade do Futebol. A primeira aula é gratuita!

 

 


TREINAMENTO SEMANAL DO SUB 17 DO GRANADA CF

Segunda-feira
LIVRE


Terça-feira

explosão (treinamento) 16:30-19:00

aspecto ofensivo / defensivo:
• sessão de vídeo no ginásio
• realização dos erros e interpretação com o grupo
• correção de erros e rever objetivos e acordos
• relaxamento
• treinamento no campo

Formas e tarefas:
• correção dos erros, treinamento de situações
• treinamento da organização ofensiva da equipe toda em um jogo grande
• 4×4 +1: quatro jogam pressionando contra cinco, foco sobre a organização defensiva
• pequenos jogos 5 x5, 3×6 minutos (4 times), foco na organização ofensiva
• usar pausas e descanso ativo
•volta a calma padrão

Condicionamento físico:
estimulação específica da capacidade explosiva / recuperação

Quarta-feira
LIVRE

Quinta-feira
Duração 18:50-21:00

aspecto ofensivo / defensivo:
• exercícios de posse de bola
• pressionar a partir dos atacantes na defesa
• transição ataque-defesa
• transição da defesa para o ataque
•saindo jogando de trás pelas laterais
• Kantelen en knijpen

Formas e tarefas:
• 5×5 +1: cinco jogam pressionando contra 6, 4 x 3 minutos
•intensidade da defesa 6 x 6 + 6
•8×8 saindo jogando pelas laterais 3 x 7 minutos, variação: largura / profundidade
•avaliação da estratégia defensiva
•usar pausas e descanso ativo
• volta a calma padrão
condicionamento físico: resistência

Sexta-feira
Ativação 18:50-21:00

aspecto ofensivo / defensivo:
• olhar o relatório de “scout” do adversário
•exercícios de explosão
•finalização / treinamento mental
•avaliação ofensiva / tática defensiva
• estratégia defensiva / ofensiva
• continuações de jogos

Formas e tarefas: exercícios de coordenação, 2 séries de 5 repetições
• explosão; finalização após uma ação (3 x 4)
• treinamento da pressão defensiva no oponente, 2 blocos de 10 minutos
• discutir a estratégia para: escanteio e faltas defensivas e escanteio, faltas, pênaltis (decidir o que, onde e quando)
• recuperação ativa
• volta a calma padrão
condicionamento físico: velocidade de reação, capacidade de aceleração, coordenação motora e coordenação como um todo


Sábado

LIVRE

Domingo
Dia do Jogo


 

*Tradução: Thales Peterson

Leia mais:
Maurice Steijn, treinador do ADO Den Haag
Hidde Van Boven, treinador do sub-13 do VV De Meern
Wim van Zeist, instrutor técnico do De Graafschap
Reinier Robbemond, treinador da equipe sub-13 do AZ Alkmaar
Jefta Bresser, ex-treinador da academia de jovens do PSV Eindhoven
Ron Jans, treinador do SC Heerenveen
Aleksandar Rogic, assistente técnico da seleção principal de Gana
João Aroso, treinador adjunto da seleção portuguesa de futebol
Roberto Landi, treinador da seleção da Libéria
Vinícius Eutrópio, treinador de futebol
Especial: treinadores estrangeiros – semelhanças e peculiaridades no comando de uma equipe
Rafael Vieira, analista de desempenho da seleção brasileira principal

Alessandro Schoenmaker, preparador físico do FC Twente (Parte 1)
Alessandro Schoenmaker, preparador físico do FC Twente (Parte 2)
Michel Huff, preparador físico do FC Metalist
Paulo Cesar do Nascimento, treinador dos times sub-11 e sub-13 do Avaí
Sérgio Odilon, treinador da equipe sub-15 do Corinthians 
Marquinhos Santos, treinador da seleção brasileira sub-15
Augusto Moura de Oliveira, treinador da seleção feminina do Haiti  

Ricardo Perlingeiro, treinador das categorias de base da AS Roma

Diogo Giacomini, treinador do sub-17 do Atlético-MG
Manuel Sérgio, filósofo
Rafael Benítez – segunda parte

Comentários

Deixe uma resposta