Universidade do Futebol

Colunas

09/12/2015

Lealdade em números

Major League Soccer consegue medir a lealdade dos torcedores e, assim, trabalhar por melhores resultados

A LEALDADE dos fãs pode ser medidas em números. É o que diz uma recente matéria que aborda a evolução da relação do torcedor com a Major League Soccer e suas respectivas franquias (ver mais em: http://ticketingtoday.com/increase-fan-loyalty-by-the-numbers-using-data-to-drive-decisions/).

O processo passa pela aquisição de dados referentes ao comportamento do torcedor no recinto esportivo e análise de suas respectivas atitudes de compra no local, o engajamento em meio digital, monetização pelo valor adicionado em venda de ingressos, season tickets, assinatura de conteúdo e compra de produtos e customização de mensagens para cada fã que se relaciona com a liga e/ou suas franquias.

Clubes, como é o caso do Sporting Kansas City, foram capazes de aumentar em 28 vezes a quantidade de season ticket em cinco anos após a adoção de um sistema que permitiu analisar o comportamento do público.

O uso de ciência a favor de processos de tomadas de decisão em relacionamento com os fãs e definição de estratégias de marketing é usado ainda de maneira incipiente no país, apesar de se perceber alguns avanços isolados.

O que devemos ver na próxima década no Brasil é a ampliação de sistemas correlatos de inteligência que visam criar processos analíticos que permitam gerar informações capazes de otimizar a relação de lealdade dos fãs. Um processo similar ocorreu (ou vem ocorrendo) com a área técnica do esporte na questão da análise de desempenho. O termo se popularizou nos últimos anos e já não é mais visto como item de luxo nos principais clubes de futebol do país, mas sim como uma necessidade básica para a sobrevivência.

Cabe, por fim, ressaltar que este processo não é novo nas ligas profissionais de esporte nos EUA. Na Europa tal uso é claro na grande maioria dos principais clubes do velho continente. Por aqui, cabe observarmos as melhores práticas e agirmos com certa urgência… até porque lá fora já se coletou bastante informação sobre o nosso mercado. Não à toa que clubes, ligas e franquias do exterior estão cada vez mais de olho em fatias do mercado de consumo esportivo do Brasil!

Comentários

Deixe uma resposta