Universidade do Futebol

GEPEFFS

05/10/2012

Métodos de ensino-aprendizado-treinamento no futebol e no futsal

A aprendizagem consiste na alteração de um comportamento. No contexto das modalidades esportivas coletivas, isso implica tanto em mudanças nos aspectos motores quanto em aspectos cognitivos do desempenho. Nessas modalidades esportivas, o processo de aprendizagem (treinamento) se torna um pouco mais complexo em razão da interação da resposta motora com a tomada de decisão (cognitiva).

Além disso, o desempenho esportivo, nessas modalidades, é executado em um ambiente aberto sob várias condições de oposição e cooperação, que aumentam bastante a imprevisibilidade do gesto esportivo. Esta característica do jogo tem de ser considerada no processo de ensino-aprendizagem e no desenvolvimento dos métodos de treinamento.

A aprendizagem do futebol é um tema que tem gerado muita polêmica entre estudiosos e treinadores, principalmente devido à existência de diversos métodos. Algumas indagações que envolvem esses métodos são: qual será o método que propicia melhor aprendizagem da técnica? A inteligência e a criatividade dos jogadores são aprimoradas da mesma forma por todos os métodos? Qual método provoca maior rapidez na aprendizagem de jogar o jogo?

Pensando nestas indagações, buscaremos abordar neste artigo, por revisão de literatura, os métodos utilizados no treinamento técnico e tático do futebol dividindo-os em três grandes classes: analítico, global e integrado.

Além de caracterizá-los, vamos também apontar suas vantagens e desvantagens. Dentro da literatura e da prática surgem diversos tipos de treinamento, com diferentes nomenclaturas, escolhemos dividir em três grandes classes para tentar facilitar a comparação entre os tipos de metodologia.

Método Analítico

O método analítico vem sendo muito utilizado desde a década de 60. A também chamada “série de exercícios” e “das partes” é caracterizada pela aprendizagem do jogo através das técnicas básicas e formas analíticas executadas sem a presença de adversário ou oposição, ou seja, as técnicas são fragmentadas e o processo de ensino-aprendizado se desenvolve em sequência, do simples para o complexo, buscando alcançar a técnica ideal (MATTA; GRECO, 1996; CORRÊA; SILVA; PAROLI, 2004; TONROLLER, 2004).

Vale destacar que a técnica ideal é aquela que possui um modelo, padrão aceitável, onde o técnico não pode negligenciar o princípio da individualidade, o estilo, no qual a execução de uma técnica sofre influência do padrão individual de realização do gesto (BOMPA, 2002).

Dentre escolinhas, categorias de base e o futebol profissional, o método analítico foi o método mais utilizado nos primórdios do treinamento técnico (LEITÃO, 2010). Nos dias de hoje ele é também muito difundido, como exemplo, Pinto e Santana (2005) encontraram esse método como o mais utilizado nas aulas de futsal.

O modelo analítico mostra-se eficiente em movimentos com alto nível de complexidade técnica (dificuldade) e baixo nível de organização (sequência das ações) (CORRÊA; SILVA; PAROLI, 2004). Pois a repetição sistemática dos movimentos sem oposição faz o aprendiz focar toda a sua atenção para o aprimoramento do gesto técnico. Alves e Souto (2009), e Armbrust, Silva e Navarro (2010) reportaram encontrar melhoras nos gestos técnicos do futebol com a aplicação do método.

Em contrapartida a falta de oposição na execução dos exercícios não estimula o desenvolvimento da capacidade cognitiva do jogador (tomada de decisão) e o nível de compreensão das relações/interações envolvidas num jogo (Graça e Mesquita, 2007) e (Leitão, 2010).

Apesar disto, Corrêa, Silva e Paroli (2004), e Silva e Greco (2009) encontraram efeitos semelhantes no desenvolvimento dos aspectos cognitivos dos jogadores de futsal do método predominantemente analítico em comparação a outros métodos (lembrando que o método predominantemente analítico também tinha grande carga de jogo).

Vantagens:

Costa (2003):
• Os fundamentos são aprendidos e treinados detalhadamente, sempre dentro do padrão técnico;
• As avaliações e correções são facilmente aplicadas;
• Permite individualizar o ensino das habilidades, respeitando o ritmo de aprendizado de cada aluno.

Canfield e Reis (1998):
• Possibilidade do domínio da técnica;
• Facilidade de organização da sessão de treino (aula).

Desvantagens:

Costa (2003):
• Desmotivante;
• Não há criatividade por parte dos alunos;
• Proporciona um ambiente monótono e pouco atraente;
• Não cria situações próprias do jogo (descontextualização).

Método Global

O método global ou “do todo” consiste na utilização de toda complexidade e dinâmica do conteúdo a ser aprendido (CORRÊA; SILVA; PAROLI, 2004; TONROLLER, 2004). Sua aplicação se dá através do jogo propriamente dito (TONROLLER, 2004). O ponto de partida é a equipe, que aprende a jogar através do deixar jogar (OLIVEIRA; NOGUEIRA; GONZÁLEZ, 2010).

A estrutura de ensino proposta pelo modelo global ao invés de enfatizar a aprendizagem de determinados fundamentos investe no desenvolvimento do jogo como um todo através da capacidade de descoberta pela prática.

O aprendiz aprende diretamente a partir da própria experiência, com o auxílio indireto do professor, mantendo, a rigor, o processo de aprendizagem por tentativa e erro. (RESENDE, 2007).

Tarefas com baixo nível de complexidade e alto nível de organização, o ensino-aprendizagem realizado pela prática do todo demonstra ser eficiente (CORRÊA; SILVA; PAROLI, 2004).

A utilização desse método, assim como os demais, demonstrou melhora na capacidade cognitiva do atleta, ou seja, no conhecimento tático (CORRÊA; SILVA; PAROLI, 2004). Já Andrade (2010) sugere que o método global não proporciona melhoras.

Vantagens:

Costa (2003):
• Desde cedo se pratica o jogo;
• A técnica e a tática estão sempre juntas;
• Permite a participação de todos os elementos envolvidos, como o movimento, a reação, percepção, ritmo e outros;
• Motivação.

Desvantagens:

Costa (2003):
• O aluno demora a ver seu progresso técnico, o que pode provocar desmotivação;
• Não proporciona uma avaliação eficaz sobre o desempenho do atleta;
• Não permite o atendimento das limitações individuais;
• Dificulta direcionar objetivos específicos para ser aprimorados com o treinamento.

No futebol, tradicionalmente, se utiliza a combinação dos métodos analítico e global, com a utilização de exercícios analíticos no começo da sessão de treinamento e jogo coletivo (método global) no final.

Esta combinação ainda é muito utilizada nos dias de hoje. Nessa visão, o método analítico e o método global são vistos como complementares. Isto é, o treinamento do jogo formal complementaria o trabalho feito analiticamente sobre o gesto técnico. Porém, sem uma integração dos tipos de exercício.

Método Integrado

O método integrado de treinamento no futebol tem como base uma concepção de método de ensino de jogos desportivos, o Teaching Games for Understanding. A capacidade cognitiva é o principal objetivo deste método (GRAÇA; MESQUITA, 2007).

A utilização deste método busca possibilitar que o atleta reconheça comportamentos táticos individuais, em grupo e coletivo de ataque e defesa, com a situação de jogo, distinga situações táticas corretas das inadequadas e crie uma solução da tarefa com o grupo, através da tomada de decisão (TIEGEL; GRECO, 1998).

Este método pode ser compreendido como aquele capaz de aproximar o treinamento a realidade do jogo por meio de jogos educativos. Pois os exercícios são organizados com propósitos didáticos e executados com objetivos previamente definidos e nele centralizado as aprendizagens pretendidas (GRAÇA; MESQUITA, 2007).

Ele também é chamado de estruturalista, pois a principal característica reside em criar modificações na estrutura do jogo, onde se reduz sua complexidade (número de jogadores, regras, tamanho do campo), porém sem alterar os componentes essenciais do jogo.

O método situacional, onde certas situações de jogo são treinadas com um dado enfoque, também pode ser compreendido como parte do método integrado, pois o mesmo tem como objetivo desenvolver as capacidades cognitivas de percepção, antecipação e tomada de decisão do jogador (MATTA; GRECO, 1996). Em alguns trabalhos, como de Oliveira, Nogueira e González (2010) e Tenroller (2004), podemos encontrar outras denominações para este método como jogos condicionados e método em série de jogos.

O treinador ao utilizar o método integrado deve ter atenção quanto à escolha de jogos adequados ao nível de aprendizado dos praticantes. Alunos com baixa capacidade técnica podem apresentar grande dificuldade na participação de alguns jogos reduzidos, portanto, cabe ao treinador selecionar jogos de maneira consciente.

Respeitando a individualidade do aluno, o método integrado pode ser aplicado em uma sequência de fases, com uma sequência crescente de complexidade (LOPES, 2006).

Vantagens:

Canfield e Reis (1998):
• Técnica e tática são assimiladas e desenvolvidas desde o início do processo;
• As atividades estimulam a resolução de problemas e desenvolvem e incentivam sua participação ativa no jogo.

Greco (2007):
• O método situacional reúne, indiretamente, as vantagens dos métodos analítico e global em uma forma simples, deixando de lado as desvantagens que os mesmos apresentam.

Desvantagens:

Canfield e Reis (1998):
• Processo ensino-aprendizagem mais lento;
• Construção de atividades depende da experiência do profissional.

Método Analítico x Global x Integrado

Muitos estudos estão sendo conduzidos com o intuito de verificar se existem vantagens da aplicação de um método em relação ao outro. Ainda não foi comprovada a eficiência de um método sobre o outro. Na sequência será mostrado um resumo de alguns estudos que tentaram realizar uma comparação entre os métodos.

Corrêa, Silva e Paroli (2004) avaliaram os métodos (analíticos, global, integrado e situacional) em adolescentes com média de 12,6 anos, durante 12 semanas, para verificar a capacidade cognitiva dos jogadores.

Os adolescentes foram divididos em quatro grupos e receberam o enfoque de treinamento de acordo com o método designado. Não foram encontradas diferenças após o período de treinamento em cada grupo e entre os grupos, sugerindo um efeito de treinamento semelhante entre os métodos empregados.

Silva e Greco (2009) encontraram em adolescentes entre 12-13 anos, que o método analítico apresentou melhoras em relação à inteligência de jogo, mas não em relação à criatividade tática. Já os grupos que utilizaram os métodos misto e situacional apresentaram melhoras significativas tanto para o desenvolvimento da criatividade tática como da inteligência de jogo.

Em um estudo descritivo, Pires (2002) verificou, em oito semanas, diferenças entre os métodos analítico e situacional. Os resultados mostraram que o método analítico foi melhor do que o método situacional para aprimorar a precisão na execução do passe, durante uma atividade fechada; a maior precisão no passe, em uma atividade fechada, não contribuiu para o mesmo êxito em uma situação real de jogo, apesar do grupo analítico também apresentar melhora na situação real de jogo.

O método situacional foi melhor para aprimorar a capacidade de tomada de decisão e execução em situação real de jogo, do atacante em posse de bola. E extremamente melhor no que diz respeito ao jogador atacante sem a posse de bola; durante uma situação real de jogo foi possível melhorar a precisão do passe, isto demonstrado em uma atividade fechada.

Conclusão

No processo de ensino-aprendizagem do futebol existem vários métodos com diferentes objetivos de trabalho. Quando você gasta todo o seu esforço tentando provar que um determinado tipo de método de ensino é melhor do que outro, você limita o que você pode aprender sobre o vasto e complexo processo de ensino-aprendizagem.

Não necessariamente a correta decisão vai corresponder a uma correta ação e saber executar um gesto técnico em uma situação descontextualizada nem sempre vai ser transferido para situação real de jogo.

Além disso, cada grupo de jogadores pode reagir de maneira diferente à aplicação de um exercício de treinamento. Assim a combinação dos diversos métodos parece ser a forma mais apropriada, tendo como ponto crucial o momento que deve ser introduzido um determinado tipo de exercício à sequência do treinamento.

Referências

ALVES, C.V.N.; SOUTO, A.S.A.P. Aprimoramento técnico das capacidades técnicas específicas do futebol através de exercícios analíticos em atletas de 8 a 15 anos. Educación Física y Deportes. Revista Digital, n.133, 2009.

ANDRADE, R.L. Influência dos processos de ensino-aprendizagem-treinamento no conhecimento tático processual no escalão sub-11 de formação do futebol. 2010. 65f. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Educação Física) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte.

ARMBRUST, M.; SILVA, AL.A; NAVARRO, A.C. Comparação entre método global e método parcial na modalidade futsal com relação ao fundamento passe. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, v.2, n.5, p.77-81, 2010.

CANFIELD, J.T; REIS, C. O Movimento Humano: Conceitos e uma História. Santa Maria: JTC EDITOR,1998.

CORRÊA, U.C.; SILVA, A.S.; PAROLI, R. Efeitos de diferentes métodos de ensino na aprendizagem do futebol de salão. Motriz, v.10, n.2, p.79-88, 2004.

COSTA, C.F. Futsal: aprenda a ensinar. Editora: Visual Books; Florianópolis/SC: 2003.

GRAÇA, A.; MESQUITA, I. A investigação sobre os modelos de ensino dos jogos desportivos. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v.7, n.3, p.401-421, 2007.

GRECO, P.J. Iniciação Esportiva Universal – Metodologia da Iniciação Esportiva na Escola e no clube. Belo Horizonte.UFMG, 2007.

LEITÃO, R.A. O método global integrado e o método analítico no futebol. 2010. Colunas.Disponível em http://www.universidadedofutebol.com.br/Jornal/Colu nas/Detalhe.aspx?id=11296. Acesso em 13 jul. 2011.

LOPES, A.A.S.M. Treinamento Integrado como intervenção pedagógica no ensino do futebol. 2006. 193f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade São Judas Tadeu, São Paulo.

MATTA, M.O.; GRECO, P.J. O processo de ensino-aprendizagem-treinamento da técnica esportiva aplicada ao futebol. Revista Mineira de Educação Física, v.4, n.2, p.34-50, 1996.

OLIVEIRA, I.S; NOGUEIRA, D.M.; GONZÁLES, R.H. Abordagens metodológicas parcial, global e os jogos condicionados como alternativa de treinamento para o futsal na seleção universitária masculina da universidade federal do Ceará. In: III Congresso Nordeste de Ciências do Esporte, 2010. Ceará. Anais… Ceará: Universidade Federal do Ceará, 2010.

PINTO, F.S.; SANTANA, W.C. Iniciação ao futsal: as crianças jogam ou aprendem para aprender ou aprendem para jogar? . Educación Física y Deportes. Revista Digital, n.85, 2005.

PIRIS, H.V. Análise comparativa entre o método analítico e o método situacional no processo de ensino/ aprendizado/ treinamento do passe no futebol. Educación Física y Deportes. Revista Digital, n.50, 2002.

RESENDE, A.L.G. Avaliação crítica dos modelos pedagógicos de ensino das habilidades táticas no futebol. In: XV CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DO ESPORTE, 2007. Recife. Anais… Recife: Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte, 2007. p.1-10.

SILVA, M.V.; GRECO, P.J. A influência dos métodos de ensino-aprendizagem-treinamento no desenvolvimento da inteligência e criatividade tática em atletas de futsal. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, v.23, n.3, p.297-307, 2009.

TENROLLER, C.A. Futsal: ensino e prática. Canoas: ULBRA, 2004.

TIEGEL, G.; GRECO, P.J. Teoria da ação e futebol. Revista Mineira de Educação Física, v.6, n.1, p.65-80, 1998.

Comentários

  1. uANDERSON DO NASCIMENTO bERNARODO disse:

    EXCELENE ARTIGO.

  2. Eu agradeço a Universidade de Futebol por tudo quanto faz para a modalidade de Futebol, pela investigação,ensino e divulgação dos conhecimentos científicos de futebol.

Deixe uma resposta para André Binda Casimiro Cancelar resposta