Universidade do Futebol

Publif

26/08/2011

Meu filho, craque de bola?

“Já nasceu com a bola no pé…”.

“Observa meu filho…”.

“Não é porque eu sou pai dele, não, mas é um craque de bola, joga muito…”.

“Ele só precisa de uma oportunidade…”.

“Não entendi por que o técnico tirou ele de campo, estava jogando tão bem…”.

“O treinador não gosta dele…”.

“Panelinha, aqui só joga filho de diretor…”.

“Aqui pra jogar tem que pagar…”.

Essas frases, ouvidas nos corredores das escolinhas de futebol e mais tarde nos centros de treinamento das categorias de base dos clubes, indicam a trajetória que a grande maioria dos garotos percorre no mundo da bola. Afirmativas corriqueiras e frequentes dos pais que, inconscientemente, pressionam os seus filhos e, na maioria das vezes, querem que os filhos sejam aquilo que eles não foram.

Durante esta fase de iniciação esportiva e descoberta os objetivos dos pais com relação aos filhos não devem superar os aspectos voltados para recreação, saúde e convívio. Se tornar um jogador de futebol, um atleta de alta performance, fica para um segundo plano, deve ser consequência e não finalidade.

Devemos repensar as nossas atitudes sobre cobrança e responsabilidade que jogamos precocemente nos ombros dos nossos filhos “atletas”. O momento deve ser formativo e educativo, e eles devem conviver com o esporte de forma prazerosa, lúdica, sem rótulos e cobranças.

Como bem diz o meu amigo e especialista em iniciação esportiva, professor Fabrício Moreira Filgueira, a criança é um ser em formação e não um pequeno adulto.

Fica aqui o alerta para os pais (me incluindo também): não queiram se realizar profissionalmente na figura de seus filhos. Cabe a nós a função de informar, educar e apoiar. A vontade e a escolha do caminho profissional a ser seguido deve ser deles.

Comentários

  1. mario disse:

    É verdade meu amigo Eduardo Zanello. Nós que somos profissionais do futebol, e formadores,muitas vezes ficamos tristes ou aborrecidos com a atitude de certos pais,e aí vai uma grande parte deles, que querem de qualquer forma ver seu filho um atleta do futebol.Chegam ao extremo de chegarem para matricular na escola de futebol um garoto de oito anos por exemplo, e a primeira pergunta é: Aqui tem avaliação para a base?Vem empresário olhar e avaliar os garotos?.Na cabeça dele, (Pai), ali não está uma criança, que vai se iniciar na prática esportiva. Ali está um futuro atleta, sem se importar se a criança irá se socializar, se a criança irá explorar o lado lúdico, se a criança vai daqui a dois, três anos continuar a praticar futebol, ou se vai querer mudar de prática esportiva.Temos uma tarefa árdua para que consigamos por na cabeça dos pais, porque incluo as mães também porque tem momentos que essas são piores que os pais nesse aspecto.Que a sua criança, e não um adolescente ou adulto, está sendo matriculado ali na escola de futebol, para que possa ter uma iniciação nesse esporte tão envolvente chamado futebol.Daí vem a cobrança em cima do garoto, o menino no campo participando ludicamente das aulas de futebol, e eles/elas, na arquibancada a gritar e cobrar da criança coisas que ele não sabe fazer, o que muitas vezes causa revolta na própria criança, que prefere abandonar um esporte em que talvez ele venha a ter no futuro uma identidade, por conta de tanta cobrança de um pai que se frustra, por não ter sido um jogador de futebol, e transfere tudo para o filho, ou de uma mãe que em sua estreita visão só enxerga cifrões em sua frente, e aquele garoto será a salvação financeira da família. Este é um assunto muito complexo, e teria que escrever páginas e mais páginas de histórias que vivenciamos diariamente nesse mundo da bola, um abraço.

  2. Roberto Machado disse:

    Prezado, meu filho joga em escolinha desde dos 5 anos de idade, hoje 9 anos e 11 meses, ele é canhoto, onde ele joga chama realmente atenção, na sua informação achei importante, veja meu caso meu filho hoje está na escolinha do Santos aqui em Natal, acontece que o Santos vai ter uma peneira para dar um desconto de 100% na escolinha, falei que não precisava fazer porque ele vai ser avaliado na escolinha, mais ele quer fazer pediu que o deixasse fazer, a peneira são 15 minutos por faixa de idade ele vai fazer SUB 11, queria que você me desse uma dica acontece que como você falou no seu comentário, acha que devo deixar ele fazer? o que você acha quando as pessoa falam do meu filho jogando bola não sou eu o pai, mais as pessoas de fora que falam, como devo proceder já que os senhores vivem no meio do futebol.. Hoje ele esta no SUB 10 da escolinha do Santos, no meio dos meninos ele chama atenção realmente,…por favor se puder me responder através do meu email..

  3. pq disse:

    Seu filho é federado? é titular na equipe ? está entre os 8 melhores atletas do time ? Se não é nada das perguntas anteriores, não insista..

Deixe uma resposta