O Desporto tem violência, mas não é violento!

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

O desporto, mormente o futebol, é o fenômeno cultural de maior magia, no mundo contemporâneo (perdoem-me repetir tantas vezes esta frase!). Por isso, estudar e praticar o desporto permitem-nos uma convivência íntima com o “fato social total” (Durkheim). Num ponto, no entanto, poderemos todos convir: o desporto manifesta-se como um ritual de “violência simbólica”, ou de “guerra simbólica” e daí o ser uma prática que civiliza, que socializa, que procura limitar e canalizar, pelas regras que o distinguem, a agressividade que há dentro de nós, pois que o Homem é, de fato, o mais feroz de todos os animais, como as guerras o provam exuberantemente.

Por outro lado, todas as religiões têm uma tradição de violência: os budistas, os cristãos, os muçulmanos, os judeus, etc.; a ideologia bélica e tribal dos clubes, as “tropas de choque” que se destacam das claques organizadas – muitas são as formas de conflito que podem despontar do espetáculo desportivo. Muitas são as vezes (e cito agora palavras de José Gomes Ferreira) que o futebol “sangra o desespero do mundo”. Relembro os meus tempos de criança e de rapaz, quando os meus ídolos se chamavam “torres de Belém” e o Amaro e o Quaresma e o Rafael e o Matateu e o Di Pace e o José Pereira, o “pássaro azul”. Eram os meus ídolos, ou seja, as figuras número um das minhas predileções, se bem que o Peyroteo me despertasse um respeito que eu não sabia explicar. Um dia, perguntei ao Feliciano, defesa-cenreal do Belenenses: Como é que travava o Peyroteo? E ele, sem restrições e sem medo: “Quando o travava, era à porrada!”. E acrescentava, com palavras que tinham, para mim, uma inapagável ressonância: “Aquele gajo só à porrada se podia travar”. E eu ficava a pensar que o Peyroteo, temível rematador do Sporting Clube de Portugal, o mais alto e o mais forte dos “cinco violinos”, tinha dotes sobrenaturais. Ele foi um desses homens raros que se fez futebolista só para fazer sofrer a malta do meu tempo, que reinava, em Lisboa, nos reinos da Ajuda e de Belém. Nem ao almirante Gago Coutinho, que via subir vagarosamente a Calçada da Ajuda e que ligara, por via aérea, Portugal ao Brasil, nem ao Gago Coutinho, a pessoa mais importante que eu conheci “in illo tempore”, eu votava tamanho culto. Anos mais tarde, a Beatriz Costa confidenciou-me que foi o “senhor almirante” que a ensinou a ler…

Nietzsche publicou, em 1848, a genealogia da moral, onde se lê que “a história do homem é a história do seu fracasso” – fracasso que provoca inevitavelmente humilhações, ressentimentos, ódio e, como etapa última, a violência. São portanto (se o Nietzsche tem razão) humilhados, ressentidos, predispostos à violência alguns dos “agentes do futebol”. Contudo, observa-se, hoje, no desporto, um esforço constante, no sentido de promover a racionalidade, o senso crítico, a reflexão, a ética mesmo, no meio da lei da concorrência pela concorrência que o envolve e condiciona. E até da manipulação ideológica, quase sempre intolerante! São vários os fatores que fazem da nossa sociedade uma sociedade criminogénica: a exploração do homem pelo homem, o tráfico de droga, a prostituição e a criminalidade organizadas, a violência gratuita, a competição apresentada como a categoria estrutural do ser humano. Enfim, fatores suficientes para que o desporto que dela nasce seja tentado, aqui e além, a ser também “lobo do homem”. Elemento de um sistema que funciona sem outro objetivo do que a performance e o lucro, é o “vazio existencial” (V. Frankl) o que dele pode resultar. Por isso, há necessidade de um novo progresso desportivo, de um novo crescimento desportivo, de uma rutura com muito do que é passado e presente, no Desporto, que leve à emergência de novos possíveis e ao surgimento de um desporto de rosto humano. Para tanto e porque o Desporto não é, unicamente, uma Atividade Física, porque é verdadeiramente Motricidade Humana, ou seja, o Homem em movimento intencional – que se tente reencontrar, na prática desportiva, as dimensões humanas perdidas, designadamente a transcendência, que não é física tão-só, porque se refere ao humano na sua integralidade, incluindo o que nele é poesia e profecia e amor. O postulado da primazia da razão, donde surge o homem unidimensional em que o espírito se reduz à inteligência, dando ao olvido a fé, a poesia, o amor – parece definitivamente sepulto e não só pela filosofia, pelas ciências também.

No entanto, devemos reconhecer que resplende, nas regras e normas que regulam a prática desportiva, um laço intrínseco e inquebrável com a Ética, enquanto “matriz de bons costumes, boas práticas e um referencial de valores humanos, nos domínios do desporto”. O Código de Ética Desportiva, editado pelo Plano Nacional de Ética no Desporto (IPDJ-SEDJ), bem documenta e justifica a necessidade da ética, no desenvolvimento do Desporto: “Falar de ética no desporto é centrarmo-nos em valores que deverão estar presentes na orientação dos praticantes, em todos os agentes desportivos e no movimento associativo, de forma a que o desporto se possa constituir como um verdadeiro fator educacional, de integração e inclusão social, contribuindo para o desenvolvimento de todas as potencialidades humanas e consciencialização de todos os agentes que se relacionam quanto à respetiva responsabilidade, na observência de comportamentos leais e que possam servir de modelo positivo para os mais jovens”. E assinala que “são destinatários do presente Código todos os agentes que, de alguma formas, se relacionem com o desporto, taos como: praticantes, treinadores, árbitros, juízes, profissionais de saúde, dirigentes, jornalistas, educadores, encarregados de educação, entidades desportivas, empresários, espetadores e adeptos. Sendo certo que, na sua essência, os princípios da ética são transversais a todos os agentes do desenvolvimento desportivo” (pp. 9-10). Daqui se infere que o treino e as aulas da chamada educação física não deverão reduzir-se a conhecimento. De fato, a educação e o treino precisam do conhecimento, para poder inovar, mas não precisam menos de ética, para que o saber fique ao alcance de todos os excluídos. Na Sociedade do Conhecimento da Era da Informação, que é a nossa, ser excluído é ser, antes do mais, excluído do conhecimento. As ditaduras não temem o poder do desporto, mas dos desportistas que sabem pensar, quero eu dizer: que sabem descobrir, no analfabeto, o resultado da sociedade injusta. O Código de Ética Desportiva, atrás citado, só poderia publicar-se numa sociedade livre e democrática porque, nele, nem todo o conhecimento é absorvido pelas ciências, ou pelas ordens governamentais. Há, nele, saber e sabedoria e a vontade de uma frontal rejeição da &ldqu
o;colonização do mundo da vida” (Habermas).

A violência é uma constante estrutural ao longo da História? Mas não o é, no desporto. Nem estrutural, nem estruturante. “As práticas de violência, no universo das modalidades esportivas, existem, sim, contudo são mais de caráter pontual do que essencial (…). Em outros termos, pode-se dizer que são ocorrências secundárias – embora dignas de nota e a exigir providências das autoridades competentes – e não acontecimentos principais, ou seja, circunstâncias que definem a natureza, a lógica e o sentido da atividade” (Mauricio Murad, a violência e o futebol- dos estudos clássicos aos dias de hoje, editora FGV, Rio de Janeiro, 2007, pp. 170/171). Rendo homenagem sincera a todos os que, na alta competição, na educação ou no lazer fazem do desporto um modo de sermos-uns-com-os-outros, uma prática verdadeiramente necessária ao homem (e à mulher) do nosso tempo. Por amável convite do Dr. Fernando Gomes, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, assisti ao Football Talks 2015, onde revi e voltei a abraçar Manuel José (que no futebol egípcio, deixou indestrutível prestígio), João Alves (o das luvas pretas, lembram-se?), o Dr. David Sequerra (o selecionador campeão do primeiro europeu de juniores), o Dr. António Oliveira, João Pinto, João Vieira Pinto, Manuel Jesualdo Ferreira, José Augusto e António Simões (dois antigos jogadores da melhor equipa que eu conheci, no futebol benfiquista e no futebol português), enfim uma sucessão fulgurante de figuras inesquecíveis do nosso futebol. E todos, fosse qual fosse a sua cor clubista, pareciam irmanados por um mesmo sentimento de amiga compreensão e tolerância. Todos. Sem exceção. Numa preciosa lição que os desportistas autênticos sabem dar… 

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso