Universidade do Futebol

Rodrigo Azevedo Leitão

22/09/2013

O futebol, os paradigmas, os métodos, os modelos, a lógica e o livro “Os números do jogo”

O futebol jogado no mundo todo, sofre, continuamente, transformações. Do mais distante ao mais próximo passado, da mais, até a menos tradicional cultura futebolística continente à fora, é fato que ao longo de sua história, o futebol – e mais pontualmente a maneira de jogá-lo – vem ganhando em organização, em sofisticação estratégica, e em elaboração coletiva.

Os sistemas de preparação desportiva futebolística estão cada vez melhores, os jogadores estão cada vez mais bem preparados, a análise do desempenho vem contribuindo cada vez mais para correções de rotas, a velocidade do jogo aumentou e os futebolistas vêm mostrando uma capacidade cada vez maior de tomar decisões exatas e rápidas.

Já escrevi outras colunas, aqui mesmo neste espaço, com intuito de chamar atenção para o fato de que a evolução do jogo de futebol, mais especificamente do "jogar futebol" traria (e traz) consigo a necessidade emergente e urgente de um entendimento mais qualificado sobre o jogo.

Ora, se o jogar futebol que concebemos e operacionalizamos nos treinamentos, é resultado da maneira que enxergamos e entendemos o jogo, nada mais óbvio do que a necessidade de enxergá-lo (o jogo) melhor e mais claramente.

É inegável o fato de que há mais de uma década, a busca pelo "enxergar melhor e mais claramente" tem trazido à tona uma série de conflitos – paradigmas foram, estão e serão quebrados. "Durante muito tempo, quatro palavras dominaram o futebol: "sempre foi feito assim".

O jogo bonito está arraigado na tradição. O jogo bonito agarra-se a seus dogmas e truísmos, a suas crenças e credos. O jogo bonito pertence a homens que não querem ver seu domínio ameaçado por intrusos que sabem que enxergam o jogo como ele realmente é.

Esses homens não querem que lhes digam que há mais de um século eles estão deixando de perceber alguns fatos. Que existe um conhecimento que eles não possuem. Que o jeito como eles sempre fizeram as coisas não é como as coisas devem ser feitas." (livro: "Os números do jogo", de Chris Anderson e David Sally – página 13)

Avançar a linha limite, que estabelece ideias, ideais, conceitos e verdades é avançar a barreira, que esconde atrás dela, um mundo novo e desconhecido.

Nunca é fácil passar por essa barreira. O certo, é que a maneira que escolhemos passar por ela pode determinar as dificuldades e resistências que encontraremos logo à frente.

Muitos são os caminhos que levam às vitórias. A história do futebol nos mostra isso muito claramente!

Não deveríamos brigar por métodos "A" ou "B". Não! Não deveríamos brigar por um modelo "C" ou "D". Precisamos entender no cerne o que o jogo, propriamente dito, a partir de sua inexorável lógica tem para nos dizer.

Vitórias podem ser alcançadas pelos métodos "A" e "B", mas também pelo "X", pelo "Y" ou pelo "Z"; equipes podem jogar bem a partir dos modelos "C", "D" ou "E" – mas indiscutivelmente jogos não podem ser vencidos e/ou bem jogados se o "jogar" – e logo, a preparação para o jogar – não estiverem em conexão, na essência, com o cumprimento da lógica do jogo.

A negação ou não compreensão sobre o passado (da preparação para o "jogar", e do "jogar" propriamente dito) trarão ilusões para o presente e dificuldades para o planejamento do futuro.

"Não dá para dizer que todas as tradições estão erradas. Os dados que hoje podemos reunir e analisar confirmam que parte daquilo que sempre se acreditou ser verdade é, de fato, verdade. Para além disso, porém, os números nos oferecem outras verdades, esclarecem coisas que não temos como saber intuitivamente e expõe a falsidade do "sempre foi feito assim".

O maior problema de seguir um tradição venerável e um dogma estabelecido é que ambos raramente são questionados. O conhecimento fica estagnado, enquanto o próprio esporte e o mundo em torno dele mudam." (do mesmo livro: "Os números do jogo", de Chris Anderson e David Sally – página 14)

Filosófico ou não, por hoje é isso!

Comentários

Deixe uma resposta