Universidade do Futebol

Eduardo Barros

24/12/2011

O jogo jogado com a cabeça

Sabiamente, o treinador Rodrigo Leitão mencionou em sua última publicação para a Universidade do Futebol que a esperada vitória do Barcelona sobre o Santos começou bem antes do apito inicial.
Deve ser com este pensamento, o de vencer o adversário antes do início do jogo, que a atual gestão do Figueirense tem pensado o futebol.

Representado no VIII Footecon por Renan Dal Zotto, diretor de marketing, e Marcos Moura Teixeira, diretor de futebol, o clube deu mostras por que em tão pouco tempo saiu da segunda divisão do Campeonato Brasileiro e de uma campanha mediana no estado para, no ano seguinte, brigar pelo título do Campeonato Catarinense, sendo a equipe com melhor pontuação nos dezoito jogos do primeiro e segundo turnos e, principalmente, disputando ponto a ponto uma vaga (que escapou na última rodada) para a Copa Libertadores da América, no torneio nacional.

Na palestra realizada no fórum, Renan e Marcos apresentaram as ideias, iniciadas há vinte meses (abril/2010), que têm como objetivo ascender o Figueirense da quinta para a terceira força do Sul do Brasil, num período de cinco anos.

Quando a atual gestão assumiu o clube, mapeou o cenário e detectou um grave problema que acomete diversas equipes do futebol brasileiro: a imensa maioria do elenco não tinha seus direitos econômicos vinculados ao Figueirense, logo, uma das maiores possibilidades de receita para um clube, o jogador, estava nas mãos de agentes que utilizavam a equipe catarinense para exposição dos seus “produtos”.

Para reverter este quadro, iniciaram sete grandes planos de ação indicados a seguir: investimento em capital intelectual, geração de novas receitas, alinhamento político, inteligência competitiva, parcerias, sistemas de apoio e planejamento estratégico.

Com processos bem delimitados e a criação de uma Matriz de Indicadores que posiciona a equipe no futebol do Sul do país, nesses vinte meses, o Figueirense deu largos passos em direção ao cumprimento de sua meta.

A Matriz de Indicadores é composta pelos itens: estádio próprio, centro de treinamento, posição no ranking da CBF, receita com produtos licenciados, média de público, ranking da Conmebol, posição no Campeonato Brasileiro série A, títulos e quantidade de dívidas no curto, médio e longo prazo. Comparada a outras equipes da região, atualmente, o Figueirense está atrás de Inter-RS, Grêmio-RS, Atlético-PR e Coritiba-PR.

Dos planos de ação estabelecidos, o planejamento estratégico em relação às categorias de base compreende a criação do Projeto Jovem Furação. Este projeto, além do desenvolvimento do jogador dentro das quatro linhas, pretende capacitá-lo para lidar com a fama, manter uma boa imagem, ter capacidade de adaptação à mudança, realização dos seus objetivos financeiros e definição de um planejamento pós-carreira.

Já no que tange o departamento profissional, a montagem do elenco passa a ter critérios mais rigorosos que, como ponto de partida, preconizam os direitos federativos e econômicos de um atleta ao Figueirense.

Outros critérios para fazer parte de uma das vinte oito peças julgadas pela gestão como suficientes para uma temporada (acreditem, soube de uma equipe que iniciará a temporada 2012 com 51 atletas no elenco profissional) são: a versatilidade, o desempenho nos clubes anteriores, o nível dos clubes anteriores, o comportamento extra-campo, a qualidade técnica, a experiência, a possibilidade de integração no atual elenco e o custo e prazo de contrato.

Com essas práticas o Figueirense obteve 57 pontos no Campeonato Brasileiro e um custo/ponto de R$ 300.000,00, totalizando cerca de R$ 17 milhões. Se vocês, leitores, estão atentos às notícias econômicas do futebol, saberão que algumas equipes ultrapassaram 150 milhões de reais em gastos na referida competição.

E o cenário atual é bem diferente daquele em abril de 2010. Com uma vaga na Copa Sul-Americana, com contratos televisivos mais rentáveis, com praticamente todas as cotas de patrocínio encerradas para o próximo ano, com a reestruturação dos deptos. de futebol de base e profissional em andamento e com melhorias em infraestrutura, o Figueirense iniciará o ano de 2012 com uma grande responsabilidade. A de dar continuidade neste projeto que segue coerentemente a tendência de mercado, que é a de produzir mais, melhor, em menos tempo e com menos dinheiro.

Aproximar a teoria da prática, para alguns, é algo impossível. Felizmente, exemplos como este acontecem para que, como tudo que possa contribuir para a evolução do nosso futebol, sejam propagados e elogiados. E neste exemplo, até uma ação simples, mas que ajuda a ganhar o jogo antes do apito inicial, foi feita e nos permite refletir sobre a transcendência dos fatores (gestão, jogadores, treinadores, métodos de treino, torcedores, etc) que envolvem o futebol: cada funcionário do clube ganhou uma camisa (e tiraram foto) para se sentirem parte do todo que é este novo projeto. Projeto que começa com boas cabeças e termina com a bola na rede.

Você já ganhou uma camisa do clube em que você trabalha? Parabéns, Figueira!

Para interagir com o autor: eduardo@universidadedofutebol.com.br

Comentários

Deixe uma resposta