Universidade do Futebol

Mauro Beting

03/03/2009

O melhor campeão brasileiro

O São Paulo de Muricy foi o primeiro tri, o único hexacampeão brasileiro. Tecnicamente, o Flamengo de 1982 foi o melhor time do país. Mas, por desempenho, ninguém superou os 84% de aproveitamento do Internacional de Rubens Minelli, bicampeão brasileiro.
 
Um papo com o mentor do time explica parte do sucesso colorado daquele que foi o melhor time do país nos anos 70:
 
Mauro – Você chegou ao Beira-Rio em janeiro de 1974, durante o BR-73. O Inter de 1975-76, de fato, começa em 1972, ainda com Dino Sani no banco. A base já estava lá. O Inter foi semifinalista do BR-72, e finalista dos quadrangulares de 1973 e 1974. A imprensa gaúcha detonava e dizia que o time só morria na praia – embora ganhasse tudo no campeonato estadual. Como foi o salto de um time “perdedor” para o maior vencedor brasileiro nos anos 70? Foi apenas a sua chegada, em janeiro de 1974, ou a vinda de reforços como Manga e Flávio (1975), Dario e Marinho Peres (1976), e a revelação de volantes como Batista e Caçapava?
 
Rubens Minelli – O meu sucesso no Inter é parecido com o do Muricy, hoje, no
São Paulo.  É a continuidade de um trabalho, de uma filosofia de jogo. É a manutenção de uma base. Pena que são poucos os dirigentes que entendem isso no futebol.
 
Fiquei três anos montando uma equipe, apurando a condição técnica e tática. Num time montado, qualquer reforço dá certo. Meu grande mérito foi a equipe ter uma grande obediência tática. Eram estrelas disciplinadas. A cada ano conseguíamos  jogadores melhor qualificados, e, por isso, tivemos o grande aproveitamento em 1976 [84% dos pontos conquistados, o maior campeão da história do Brasileirão]. Além disso, era um grupo raro, de estrelas sem vaidades. Eles compreendiam o que eu queria taticamente e conseguiam desenvolver esse futebol dentro de campo. O meu conceito sempre foi que o jogador tem liberdade para fazer o que quer quando tem a bola. Mas, sem a bola, vão jogar como eu quero.
 
Mauro – O time de 1976 foi o mais impressionante. Tecnicamente, só perde para o Flamengo de 1982, Mas, taticamente, era mais elaborado e competitivo. Qual o segredo?
 
Rubens Minelli – O grande segredo foi uma mudança tática que ninguém percebeu na época. Todos os times brasileiros atuavam no 4-3-3. Todos iguais, um volante e dois meias. Nós jogamos em 1976 no 1-3-1-2-3. O libero era o Marinho Peres, que havia jogado no Barcelona em função parecida, com o Rinus Michels. Ele ficava atrás da linha de três zagueiros: o Figueroa saía na caça, com o Cláudio e o Vacaria marcando os pontas adversários.

O Inter de 1976
 
Marinho Peres atuava como sobra, atrás da linha de três zagueiros

 
Mauro – Mas o Figueroa não saía tanto para cobrir as laterais… Esse era o maior problema tático da equipe?
 
Rubens Minelli – Sim. Quando o Cláudio avançava, por dentro, ficávamos um pouco desguarnecidos na lateral direita. O Figueroa era excepcional. Caçava o centroavante adversário, e deixava o Marinho na sobra. Até porque ele não tinha a mesma velocidade, embora tivesse bom passe. Mas o esquema funcionava. A grande sacaca era o triângulo no meio-campo, com o Caçapava na entrada da área marcando o meia-atacante adversário, e o Carpegiani ou o Batista pela direita e o Falcão pela esquerda. Quando todos os times atacavam, chegavam com dois meias. Um deles era marcado pelo único volante das equipes, e o outro era perseguido pelo quarto zagueiro.

Nós fazíamos diferente: quando o Inter tinha a bola, a base do nosso triângulo ficava voltada pro Manga, o nosso goleiro, e o ápice no ataque, com o Falcão, que eu adiantei mais; quando nos defendíamos, eu trazia o Falcão pra trás, e invertia a base do triângulo. Os nossos dois volantes marcavam os dois meias dos rivais que sempre vinham, e sobrava o Falcão. Nossa marcação começava mais à frente. Esse detalhe deu ao Inter toda a diferença em 1976.
 
Além disso, aperfeiçoamos a linha de impedimento que eu e o Marinho já fazíamos  desde a Portuguesa, e ele aprimorou no Barcelona. Nós marcávamos mais à frente, abafando o adversário.
 
Mauro – Não esqueço aquele gol contra o Coritiba, no Couto Pereira. Eram oito colorados contra dois coxas. Parecia a Holanda-74.
 
Rubens Minelli – Teve um gol mais impressionante, contra o Ceará, no Castelão. O zagueiro deles, o Artur, gostava de sair jogando. Mas, quando viu, tinha uma tropa em cima dele. Em vez de dar um bico na bola, tentou fazer o lance, trombou com o goleiro, e nós fizemos um gol muito engraçado. Esse era o nosso jeito de jogar. Atacávamos muito e nos defendíamos maravilhosamente bem.
 
Mauro – Esse 1-3-1-2-3 dava liberdade para os laterais?
 
Rubens Minelli – O Marinho ficava atrás da linha de três zagueiros. O Cláudio, quando avançava, ia por dentro, porque o Valdomiro jogava bem aberto, como ponta mesmo, e ainda marcava o lateral adversário quando ele apoiava. O Valdomiro era um monstro, com uma disposição tremenda, e um cruzamento perfeito, com a bola parada ou rolando. Ele fez o Flávio artilheiro em 1975, e o Dario, em 1976. Fora os escanteios que eram muito bem treinados. O Valdomiro batia onde estava o Carpegiani. Ele, de fato, servia de mira. Porque a bola ia até ele, mas quem chegava para cabecear vindo de fora da área era o Figueroa. Como o foi o gol do título do BR-75, contra o Cruzeiro.
 
Mauro – O Carpegiani era só “alvo” naquele time [risos]?
 
Rubens Minelli – Não. Ele era a referência técnica daquela equipe.
 
Mauro – Mais que o Falcão?
 
Rubens Minelli – Sim. O Carpegiani era quem ditava o ritmo da equipe.
 
Mauro – Aquele timaço não era só marcação. Sabia atacar. E muito, para um time gaúcho.
 
Rubens Minelli – O Vacaria tinha sido ponta-esquerda e cruzava muito bem. Ele avançava reto, ia bem ao fundo – isso quando o Lula fechava, ou trocava de posição com o Dario, que caía um pouco mais para a esquerda. Era uma das tantas jogadas que fazíamos. Mas, de fato, por ser tão ofensivo, era um time, digamos, pouco gaúcho. Era um time praticamente sem falhas. Muito técnico, forte e resistente. E que sabia entender as alternativas táticas.
 
Quando cheguei ao time, em 1974, no Sul só havia o Grêmio de rival de qualidade. E, mesmo assim, jogando fora de casa, 1 x 0 era goleada. Joguei o time pro ataque em todos os lugares, tentando mudar essa mentalidade de atuar apenas para não tomar gols, indepedente da qualidade do rival. Os grandes faziam 1 x 0 e terminavam atrás, dando bico pra frente. Consegui incutir de tal modo essa vontade de atacar que conseguimos ganhar o campeonato gaúcho de 1974 com 100% de aproveitamento.
 
Ganhamos os 18 jogos. Todos eles. Só tomamos dois gols. Mas o torcedor é gozado… Um frentista colorado me parabenizou pela conquista do Gauchão. Mas me cobrou para o ano seguinte que a gente não só ganhasse todos os jogos, como também não levasse nenhum gol! [risos].

Na defesa
 
Sem a bola, Falcão sobrava à frente da zaga, e os dois volantes marcavam os meias rivais

 
Mauro – O trabalho deu certo no Inter também por conta do preparador físico Gilberto Tim?
 
Rubens Minelli – Claro! E o pior é que o Inter queria trocar o Tim quando eu cheguei. Ele havia ganho todos os títulos estaduais… Mas eu resolvi apostar nele pela competência, além de ter um auxiliar gaúcho. Deu muito certo. Ele foi o primeiro no país a apostar na musculação para os atletas, para deixá-los mais fortes e resistentes.
 
Mauro – E quando não estava dando certo o Inter, entrava o Escurinho para decidir os jogos.
 
Rubens Minelli – Ele era o meu 12º. titular. Sempre jogava meia hora. E jogava bem. Tínhamos um lance forte, quando o Vacaria cruzava da esquerda para o segundo pau, e o Escurinho preparava para o centroavante ou para o Falcão. Dava sempre certo. Mas o Escurinho reclamava de só jogar meia hora. E eu respondia que, de fato, ele só jogava 15 minutos. E olhe lá [risos]…
 
Mauro – Para um treinador detalhista, como era estudar os rivais nos anos 70?
 
Rubens Minelli – Como sempre, a conversa com amigos ajuda bastante. Mas eu tinha o hábito de fotografar os adversários. Isso ajudava demais. Um fotógrafo tirava uns 60, 70 slides de jogos dos adversários. Na preleção, mostrava para o grupo, projetando as fotos na parede da cozinha. Todos gostavam e entendiam, menos o[ponta-esquerda] Lula.. Até que os próprios companheiros o alertavam, e tudo acabava dando certo. Eu também fui o primeiro treinador no Brasil a ter um videocassete. Isso foi essencial na montagem do São Paulo, campeão brasileiro em 1977.
 
Mauro – Aliás, o Muricy era seu jogador, e disse que você foi o mais completo treinador que ele teve. Você imaginava que ele pudesse virar o treinador que virou?
 
Rubens Minelli – Honestamente… [risos]. Ele já era meio turrão, ranzinza…
 
Mauro – Como todo bom treinador…
 
Rubens Minelli – Isso [risos]. Mas não esperava o sucesso que ele está tendo. E que merece por ser trabalhador e ranzinza. O técnico precisa ser assim. Porque o futebol é o único lugar onde o trabalhador manda no patrão. É preciso ter um comando firme.

Comentários

Deixe uma resposta