Universidade do Futebol

Artigos

26/07/2007

O uso da cinesiologia no futebol

O estudo do movimento é uma tarefa muito mais simples em esportes que exigem menos variações dos atletas. Modalidades como levantamento de peso e a corrida, por exemplo, trabalham com grande intensidade um segmento limitado de grupos musculares. Essa realidade é totalmente diferente do que acontece no futebol.

“O futebol não tem uma exigência única. É completamente diferente você analisar o movimento em um esporte assim, que exige potência e ainda tem a especificidade de cada atleta, e uma modalidade em que se pode trabalhar o movimento em uma perspectiva mais concentrada”, avaliou Jefferson Loss, da Sociedade Brasileira de Biomecânica.

Diante dessa realidade, o trabalho da cinesiologia aplicado ao futebol precisa ser adequado à abrangência dos movimentos na modalidade. E cada um dos trabalhos musculares deve ser compreendido a partir de aspectos biológicos, antropológicos, físicos, químicos, sociológicos e psicológicos.

Contudo, a abordagem multidisciplinar do movimento cria um fator complicador para a periodização do trabalho de cinesiologia no futebol. Trata-se de um esporte com exigências variadas, e essas exigências devem ser observadas a partir de perspectivas variadas.

Essa dificuldade ainda é uma barreira a ser transposta pela cinesiologia no mundo do futebol. A distância entre o conhecimento e o que é feito nos gramados também pode ser explicada pela ausência de um programa difundido de trabalho integrado entre os profissionais dessa área e a comissão técnica.

A primeira atuação da cinesiologia no futebol é a avaliação, sendo que o modo mais empregado é o desafio. Desafiar o corpo é fazer provocações ou estímulos precisos e obter a resposta a partir de teste muscular subseqüente. Isso ajuda o profissional a saber a direção em que um corpo de vértebra deve ser manipulado, por exemplo.

Além disso, é muito comum os profissionais realizarem testes de dois pontos, que tentam identificar ligações entre relações físicas. Essa avaliação pode ser determinante para encontrar distúrbios musculares e projetar correções durante o treinamento dos atletas.

Quando o músculo indicador cede durante o teste, torna-se fraco e mostra que o corpo está preparado para a terapia. Isso é a chamada regulação aberta. Se o músculo se mantiver forte, o caso é chamado de regulação bloqueada. O profissional deve procurar a causa do bloqueio parcial do mesênquima e do sistema nervoso autônomo e eliminar.

O profissional da cinesiologia ainda deve estar preparado para identificar possíveis distúrbios estruturais do aparelho de locomoção, que vão desde falhas na mobilidade dos ossos cranianos até problemas na pelve, no andar e no deslocamento de corpos vertebrais.

A realização da avaliação fornece dados para o profissional decidir entre trabalho de prevenção ou de correção para músculos hipotônicos. A antecipação é uma forma de correção ou adequação dos movimentos para evitar lesões ou complicações na prática esportiva. A correção acontece quando o erro do movimento já está instalado e acontece com freqüência contundente.

Como o futebol tem uma exigência de vários grupos musculares, o trabalho de cinesiologia deve ser feito de forma minuciosa e detalhada para fazer uma abordagem completa sobre o movimento. A importância é ainda maior quando o preparador físico ou alguém da comissão técnica detecta algum problema funcional evidente com o atleta. Nesse caso, a correção pode ser feita de forma perene, sem a necessidade de esperar até a avaliação periódica.

Bibliografia

FATTINI, Carlo A. & DANGELO, José. Anatomia humana sistêmica e segmentar. Editora Atheneu, 2007.
MOREIRA, Demóstenes. Cinesiologia: clínica e funcional. Editora Atheneu, 2005.
FORNASARI, Carlos Eduardo. Manual para estudo da cinesiologia. Editora Manole, 2001.
DOBLER, Günter. Cinesiologia – Fundamentos, prática e esquemas de terapia. Editora Manole, 2003.

HARRIS, Janet C. & HOFFMAN, Shirl J.. Cinesiologia: estudo da atividade física. Editora Artmed, 2001.

Comentários

  1. Paulo Henrique de Oliveira disse:

    Otimas informações.

Deixe uma resposta