Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade
Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Escrevo esta coluna antes do jogo entre Brasil e Sérvia. Impossível saber o que vai acontecer. O desejo deste colunista é que a seleção brasileira vá até o fim e conquiste a taça. Até lá o caminho é longo e se torna mais difícil. Simultaneamente, a cobertura da Copa pelos veículos de comunicação é incansável e incessante, cada segundo é precioso em busca da atenção de milhões de torcedores. As mais diversas temáticas, análises, questões e levantamentos de polêmicas. Cobertura completa, a abranger todos os níveis dentro de um espectro entre o que há de mais negativo e o que há de mais positivo.

Vamos atentar ao lado positivo. Muito se fala do distanciamento da seleção com o torcedor. Percebe-se pela TV que está havendo uma boa interação – dentro dos padrões de segurança atualmente permitidos – do plantel com os brasileiros que estão na Rússia. Os cânticos originais e que celebram a história do ‘Escrete’. As recepções nos hotéis. O próprio “Canarinho Pistola”. A recente situação de ele ser barrado pelos seguranças de um hotel, em uma representação típica da de um comum torcedor brasileiro, contido por um agente da força pública a pedir para maneirar nas comemorações. Simbolicamente, o mascote da seleção de futebol é mais um “dos nossos”.

“Canarinho Pistola”, o mascote da seleção brasileira. |Foto: Divulgação

 

Que bom que isso está acontecendo. Pena que só agora. Entretanto, há de se reforçar: que bom que está acontecendo! Há muita coisa com que não se concorda, há. Muita coisa que podia ser diferente, sim. Não se deve fechar os olhos a isso. No entanto, ao mesmo tempo, tem vários detalhes e exemplos que têm dado certo no que diz respeito à gestão da seleção brasileira (equipe) e no trabalho dela no âmbito do marketing e comunicação. Criticar sim. Torcer contra ou a favor, também sim. É direito de todos. É perceptível um certo esforço por parte da opinião pública em valorizar os pontos positivos do trabalho da equipe brasileira, e incentivar uma cultura de bom senso, espírito coletivo e otimismo, o que não é nada ruim! Obviamente, sem “fechar os olhos” para o que está errado. Está dentro deste bom senso saber quando posicionar-se em relação aos pontos negativos e também aos positivos.

Aos poucos percebo uma “onda verde e amarela” a ganhar corpo. E a coluna desta semana pode não fazer tanto sentido caso o Brasil perca para a Sérvia ou fique fora da Copa do Mundo. Que ao menos o movimento de bom senso, de cultura coletiva e associativista, positiva e otimista ganhe força dentro da sociedade brasileira.

Com tudo isso, assim como foi em 1958, que a atmosfera da seleção do Brasil possa servir de exemplo ao país, de trabalho executado com profissionalismo e excelência. Desta vez, de que todos juntos, se vai mais longe. Que isso aconteça agora, já no Mundial.

Compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on pinterest

Deixe o seu comentário

Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

Mais conteúdo valioso