Universidade do Futebol

Artigos

08/08/2007

Palmeiras inclui tratamento dentário obrigatório na pré-temporada

O Palmeiras anunciou o planejamento para a pré-temporada 2007 e manteve um padrão que adotou desde 1992, pouco antes de dar início a parceria com a multinacional Parmalat. Incluído na bateria de exames a qual os jogadores são submetidos, uma consulta ao dentista é obrigatória para o elenco. O procedimento pode parecer curioso, mas é de extrema importância para que o atleta possa render em campo.

“Um atleta com foco infeccioso ou com um abscesso pode acabar nem podendo jogar por causa das dores. É complicado. Todas as equipes deveriam fazer com que seus jogadores fossem ao dentista e até ter um profissional trabalhando dentro do clube”, afirmou a Doutora Mara Badiz, especialista em endodontia.

O Palmeiras, especificamente, possui parceria com cirurgiões dentistas de São Paulo. Vitor Ugo Salvoni presta serviço ao clube desde de que a diretoria comandada pelo ex-presidente Facchina Nunes decidiu implantar os tratamentos. Embora todos os jogadores do elenco sejam submetidos à consulta da pré-temporada, Salvoni lembra que os principais problemas são detectados nas categorias de base.

“Esses meninos vêm do interior do estado e de todas as partes do país sem nenhum histórico de cuidado dentário”, revela o dentista. Todo o tratamento é custeado pelo clube, mas o jogador fica a cargo de gastos extras. “Se for preciso fazer uma prótese ou algum serviço que envolva o trabalho de terceiros, quem paga é o paciente”, completa.

Os tratamentos mais comuns entre os profissionais, segundo Salvoni, é o de limpeza e, em alguns casos, o de restauração. No entanto, o dentista destaca a ortodontia como um dos trabalhos que mais interfere no rendimento dos atletas.

“A colocação de aparelhos dentários em jogadores vai além da questão estética. Uma mordida errada pode ser a razão de o atleta respirar de forma errada e isso faz com que ele se canse mais rapidamente”, explica o dentista, que prefere não revelar casos específicos.

Comentários

Deixe uma resposta