Universidade do Futebol

Artigos

26/03/2018

A participação do goleiro na construção de jogadas ofensivas

Em vista da crescente competitividade no futebol, tanto os profissionais envolvidos no treino e na gestão do time, quanto os jogadores devem estar sempre preocupados em criar novos procedimentos a fim de promover melhorias em todas as dimensões. Essa evolução do esporte, influenciada pelas inovações científicas no aspecto de materiais de trabalho, tem como marco a abordagem voltada para modelos de jogo. O esquema proposto pela equipe influencia no desenvolvimento dos fundamentos técnicos, táticos e físicos dos goleiros, na mesma em que o desempenho do time depende do funcionamento do sistema defensivo: o êxito e o fracasso devem ser atribuídos ao corpo inseparável de goleiro e jogadores (JÚNIOR, 2014).

O conjunto de princípios coordenados, dispositivos e ações técnicas individuais, cujo objetivo é a organização racional do ataque e da defesa, como também da passagem rápida de uma situação ofensiva para defensiva e vice-versa, resultaram em modelos dinâmicos de jogos. Esses modelos fizeram com que o tempo para traçar estratégias diante da posse de bola fossem reduzidos, resultando em uma maior intensidade de jogo. Isso exige que os treinadores criem novos recursos para se organizar tanto na fase ofensiva, quanto na defensiva (VOSER; GUIMARÃES; RIBEIRO, 2010)

Segundo Barbosa (2013), a organização ofensiva se caracteriza pelos comportamentos que a equipe assume quando possui a posse de bola com o objetivo de preparar e criar situações ofensivas de forma a marcar o gol, resumidos em quatro momentos:

1) Ataque posicional, em que a fase de construção se revela mais demorada e elaborada e na qual a transição defesa-ataque se processa com preponderância dos passes curtos, desmarcações de apoio e coberturas ofensivas (BARBOSA, 2013).

2) Ataque rápido, método de jogo ofensivo a equipe em posse de bola procura rapidamente chegar a uma zona de finalização, onde a equipe adversária já se encontra organizada defensivamente (CASTELO,2010).

3) Contra-ataque, realizado logo após ter conquistado o campo defensivo da equipe, consistindo-se em chegar o mais rapidamente possível à baliza adversário, sem que o oponente tenha tempo para se organizar defensivamente (BARBOSA, 2013).

4) Ataque direto, realizado quando uma equipe envia a bola rápida e intencionalmente para o último terço do campo (setor ofensivo) e tenta obter rapidamente a finalização para o gol (CASTELO,2010).

 

Para ler o artigo na íntegra, clique aqui.

Comentários

Deixe uma resposta